Trabalho Completo CRIAÇÃO DOS RAZONETES

CRIAÇÃO DOS RAZONETES

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: Fernanda20 03 abril 2013

Palavras: 2902 | Páginas: 12

ETAPA 1 – CRIAÇÃO DOS RAZONETES

1 – Constituição da empresa “ X LTDA “, com Capital Inicial de R$ 300.000,00, composto por 04 sócios, em partes iguais. No ato da abertura, os sócios integralizaram apenas 50% do Capital Inicial,sendo 60% mediante depósito bancário, e o restante, 40%, foram entregues à Empresa.

Verifica-se que o Capital foi integralizado apenas 50% neste ato. Portanto, os lançamentos nos razonetes ficarão da seguinte forma, de maneira técnica mais correta:

a) crie dois razonetes: o 1º para a conta Capital Subscrito e debite – o 2º para a conta Capital Social e credite – valor 300.000,00;

b) crie mais dois razonetes: o 1º para conta Banco e debite 90.000; - o 2º para a conta Caixa e debite 60.000,00;

c) a soma dos dois valores do item b, totaliza 150.000,00. Então, credite este valor na conta capital subscrito, restando um saldo devedor nesta conta no valor de 150.000,00. Em seguida, crie um novo razonete para a conta Capital a Integralizar no Passivo e debite 150.000,00, creditando este mesmo valor na conta Capital Subscrito, zerando-a.

A conta capital a integralizar vai ser zerada com os lançamentos do item 11.

Lembrete: Porque debitou as contas Banco e Caixa? R= O ativo foi aumentado.

Porque creditou a conta Capital Social? R= O Passivo foi aumentado.

2 – Aquisição de 200 unidades de mercadorias à vista, ao preço de R$ 50,00 cada.

Aqui há um aumento nos estoques e também do Ativo, mas há também uma diminuição do Ativo, pela saída de dinheiro do Caixa. Então, crie o razonete para a conta Estoque de Mercadorias debitando 10.000,00 (200 unidades x 50,00) e credite o mesmo valor na conta Caixa.

3 – Aquisição de 01 pick up – furgão, a prazo, no valor de R$ 32.000,00.

Aumentou o Ativo pela compra da pick up e em contrapartida aumentou também o Passivo pela obrigação gerada. Portanto, crie uma conta para Veículos e debite; crie outra conta para Duplicatas a Pagar ou Fornecedores, lançando o valor de 32.000,00, respectivamente.

Lembrando que, quando aumenta no Ativo é debito; e no Passivo quando aumenta é credito.

Quando diminui no Ativo é crédito, e quando diminui no Passivo é débito.

4 – Aquisição de balcões e prateleiras à vista, no valor de R$ 8.000.,00.

Utilizando-se parte do raciocínio do item 3, crie um razonete para a conta Móveis e Utensílios e debite, creditando a conta Caixa, no valor de 8.000,00, respectivamente, porque houve um saída de dinheiro diminuindo o Ativo, e ao mesmo tempo houve aumento do Ativo pela compra de móveis e utensílios.

5 – Venda à vista de 150 unidades de mercadorias à razão de R$ 67,50 cada. Obs: baixar custo.

Toda venda caracteriza uma Receita., e toda Receita em Contabilidade deve ser creditada, pois é um ganho. O comerciante quando compra uma mercadoria ele tem um custo pelo preço pago a esta mercadoria.

Notadamente, o comerciante repassa este custo ao cliente por ocasião da venda, calculando uma margem de lucro. Na questão proposta, temos que ir até o item 2 e verificar o preço unitário pago pelo comerciante em cada unidade de mercadoria que é de 50,00. Verifica-se que houve apenas uma compra. Conclui-se então, que o custo das mercadorias vendidas (CMV), será o resultado das unidades vendidas (150) multiplicado por 50,00. Este custo deve ser retirado dos estoques. Os lançamentos contábeis ficarão assim:

1º lançamento = Debita-se a conta Caixa e crie um razonete para a conta Receita de Vendas de Mercadorias lançando a Crédito o valor de 10.125,00. (resultado da multiplicação de 150 un. de mercadorias vendidas pelo valor unitário de 67,50.

2º lançamento = Crie um razonete para a conta C.M.V. Calcule o custo das mercadorias vendidas. Em seguida debite a conta CMV e credite a conta Estoques de Mercadorias, no valor de 7.500,00.

Observe-se que houve um aumento do Ativo pelo recebimento da venda à vista. No entanto, houve diminuição do Ativo pela baixa do custo das mercadorias vendidas.

Em Receitas houve aumento pela venda. Em Custos houve também um aumento, pelo valor do custo das mercadorias vendidas.

Então, quando ocorre um aumento em Custos e/ou Despesas, debita-se; - agora, se houver diminuição, credita-se;

Ao contrário, quando há aumento em Receitas, credita-se; - se houver diminuição, debita-se.

6 – Aquisição à vista, de material de limpeza no valor de R$ 450,00.

Material de consumo em pequenas quantidades não vai para estoques. É lançado em Despesas diretamente.

Crie um razonete para a conta Despesas de Material de Higiene e Limpeza, lançado a débito e em contrapartida a crédito de Caixa, o valor de 450,00.

7 – Pagamento de 70% do item 3º, mediante emissão de cheque, com desconto de 5%.

D = Nesse caso temos uma diminuição do Passivo, uma diminuição do Ativo e um aumento de Receitas.

No 1º lançamento calcule 70% do valor de 32.000,00. Sobre o resultado apurado, aplique o percentual de desconto de 5%, subtraindo-o e apurando o valor líquido a ser pago, que será debitado na conta Dupl. a Pagar e creditado na conta Banco.

No 2º lançamento, crie um razonete para a conta Descontos Obtidos, creditando-a e debitando a conta Dupl. a Pagar, pelo valor encontrado correspondente ao 5% de desconto.

8- Aquisição de 500 unidades de mercadorias a prazo, a razão de R$ 65,00 cada.

Este lançamento contábil é semelhante ao do item 2; exceção feita quanto à forma de pagamento. Nesta questão a compra é a prazo. Outro detalhe desta questão, é o cálculo do custo médio ponderado, pois esta é a segunda compra. Pode-se utilizar o mesmo razonete já aberto para Duplicatas a Pagar.

A 1ª compra foi de 200 unidades de mercadorias à 50,00 cada = 10.000,00

A 1ª venda foi de 150 unidades de mercadorias ao custo de 50,00 cada = ( 7.500,00 )

Resta um saldo de 50 unidades de mercadorias em estoque à 50,00 cada = 2.500,00

A 2ª compra dói de 500 unidades de mercadorias à 65,00 cada = 32.500,00

O saldo físico é de 550 unidades de mercadorias , e o saldo em R$ é de = 35.000,00

Então, divide-se o saldo monetário pelo saldo físico dos estoques, para apurar o custo médio ponderado. ( 35.000,00 : 550 = 63,64).

9 – Venda de 300 unidades de mercadorias a prazo, a razão de R$ 70,00 cada.

Obs calcular o custo médio ponderado - baixar custo.

Igualmente, este lançamento é semelhante ao do item 5; a diferença é as condições de pagamento. Crie um razonete para Duplicatas a Receber e/ou Clientes. A baixa do custo desta venda é só multiplicar o custo apurado no item 8, pela quantidade vendida desta questão. Note-se que houve aumento do Ativo pela geração de um direito.

10 – Saque do caixa para depósito bancário – R$ 40.000,00.

Saiu dinheiro do Caixa e entrou no Banco. Há um aumento e ao mesmo tempo diminuição do Ativo.

11 – Integralização pelos sócios, do saldo remanescente do Capital Inicial, sendo 70% em depósito no Banco e 30%, entregues na empresa.

Aumentou o Ativo pela Entrada de dinheiro no Banco e no Caixa. No Passivo, dentro do Patrimônio Líquido, houve também aumento. A conta Capital a Integralizar será zerada.

12 – Recebimento de 75% do item 9º, com desconto de 4%, mediante crédito bancário.

Ativo aumentou através do Banco, pelo recebimento líquido do desconto. Crie razonete para a conta Descontos Concedidos (despesa). Na conta Dupl. a Receber será baixado o valor líquido recebido + o desconto concedido.

13 – Pagamento do item 8º, com juros de 3,5%, mediante emissão de cheque.

Nesta questão, há uma diminuição do Ativo e também uma diminuição do Passivo. Por outro lado, houve um aumento de Despesas. Crie um razonete para conta Juros Passivos e calcule o valor.

No Passivo, na conta Dupl. a Pagar, no 1º lançamento será debitado integralmente o valor da compra, e creditado o Banco.

No 2º lançamento, será debitado conta Juros Passivos e creditado novamente o Banco.

14 – Recebimento do saldo restante do item 9º, com juros de 4,5%, em espécie.

Houve aumento e ao mesmo tempo diminuição do Ativo. A Receita aumentou com os juros auferidos. Crie razonete para a conta Juros Ativos.

O Caixa será debitado pela entrada do dinheiro da duplicata e dos juros. A conta Dupl. a Receber e a conta Juros Ativos serão creditadas pelo saldo restante da duplicata e valor apurado dos juros, respectivamente.

15 – Calcular e provisionar os seguintes tributos:

a) ICMS a Recolher- Significa ICMS a pagar – A sigla ICMS significa Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação. É um imposto de competência estadual. Incide também sobre o fornecimento de energia elétrica. Nem todas as mercadorias estão sujeitas ao ICMS. É um imposto não-cumulativo, isto é, o valor incidente em uma operação (Compra), será compensado do valor incidente na operação subseqüente (venda). Para dentro do Estado de Paulo, a alíquota vigente é de 18%.

Ex: Soma-se o valor das compras (2) e calcule 18%. O resultado apurado é o equivalente ao crédito de ICMS sobre as compras que a empresa tem direito.

Soma-se o valor das vendas (2) e calcule 18%. O resultado apurado é o equivalente ao débito de ICMS que a empresa tem a recolher.

Da questão proposta, observamos que as compras foram maiores que as vendas.

Neste caso, a subtração do crédito pelo débito do ICMS vai se obter um valor de ICMS não a recolher, e sim, a recuperar, pelo simples fato das compras feitas serem maiores que as vendas realizadas.

Como contabilizar? Crie um razonete para a conta ICMS a Recuperar, debitando-se o valor apurado na compensação efetuada, e creditando a conta Estoques de Mercadorias.

b) Cofins a Recolher – A sigla significa Contribuição para Financiamento da Seguridade Social, incide sobre a Receita Bruta da empresa, incluindo principalmente sobre o faturamento (vendas ) e demais receitas das empresas. Em nosso estudo e exemplos, vamos adotar a alíquota de 3%, com o regime tributário do lucro presumido, onde calcula-se esse imposto sobre apenas o faturamento. Há casos de empresas que adotam o regime tributário do Lucro Real onde a apuração da Cofins é diferente. Funciona semelhante ao regime de apuração do ICMS. Essa contribuição é de competência federal.

Como contabilizar? – Crie 1 razonete para a conta DEDUÇÕES DE VENDAS – COFINS, e outro para a conta COFINS A RECOLHER. Em seguida some as vendas. Do total apurado multiplique por 3%. O resultado será o COFINS a RECOLHER.

Essa operação gerou um aumento de despesas e um aumento de obrigação.

Então debita-se a despesa e credita-se a obrigação.

c) – PIS a recolher - A sigla PIS significa Programa de Integração Social é uma contribuição que as empresas em geral devem recolher mensalmente ao Governo Federal.

A alíquota é de 0,65% e incide sobre a Receita Bruta. Em nosso estudo, iremos adotar a incidência apenas sobre o faturamento. Da mesma forma que a COFINS as empresas optantes pelo regime tributário do lucro real, apuram diferente.

Como contabilizar? – Crie 1 razonete para a conta DEDUÇÕES DE VENDAS – PIS sobre Faturamento, e outro para a conta PIS a recolher. Em seguida some as vendas. Do total das vendas multiplique por 3%, obtendo o valor do PIS.

Após, debita-se a despesa e credita-se a obrigação.

16 – Apurar e contabilizar depreciação de:

Veículos – taxa de 20% a.a. Móveis e Utensílios - taxa de 10% a.a.

Depreciação é a diminuição parcelada do valor que sofrem os Bens de Uso da empresa, em decorrência do desgaste pelo uso, da ação da natureza e da obsolescência. A depreciação é considerada uma Despesa para a empresa.

Desgaste pelo uso é a utilização diária de um bem. Ex. automóvel.

Ação da natureza é a exposição é próprio automóvel ficando exposto ao sol e a chuva, sofrendo essas influencias climáticas.

Obsolescência quer dizer da influencia tecnológica que sofre um Bem através da modernização. Ex. No passado existiam grandes calculadoras de mesa, de difícil manejo e transporte; os computadores de grande porte. Acabam ficando obsoletos caindo em desuso.

O Fisco estabelece a vida útil estimada e a taxa de depreciação anual para os Bens.

Em nossa questão, Veículos a taxa é de 20% a.a. com vida útil estimada em 5 anos.

Já Móveis e Utensílios a taxa é de 10% a.a. e a vida útil estimada é de 10 anos.

A vida útil estimada significa que após esses períodos, a empresa não pode mais efetuar a depreciação, pois caso o fizesse estaria atribuindo ilegalmente despesas à Contabilidade.

Bens sujeitos à Depreciação são os Corpóreos ( tangíveis), como por exemplo: prédios, maquinas, moveis e utensílios, veículos, computadores, etc.. . No caso de Imóveis, deprecia-se o prédio mas Terreno não se efetua a Depreciação.

Como calcular e como contabilizar?

É simples. Ex: Pega-se o saldo da conta Veículos e multiplica por 20% obtendo o valor da depreciação anual. Daí é só dividir por 12 que teremos a depreciação mensal.

Para Móveis e Utensílios, a única diferença do procedimento acima é a taxa que é de 10%.

Contabilização:

Como já dissemos a Depreciação é uma Despesa para a Empresa e ela é debitada.

Abra 1 razonete para a conta Despesas de Depreciações (apenas 1 e pode lançar as duas despesas de depreciação apuradas), e dois razonetes para a conta Depreciações Acumuladas de Veículos e Móveis e Utensílios, creditando em cada uma delas os valores apurados.

Lembrando que a conta Depreciações Acumuladas é uma conta redutora do Ativo Não Circulante, mais diretamente, do Ativo Imobilizado.

17 – Contabilizar as provisões para a contribuição social e para o imposto de renda, a saber:

Contribuição Social = R$ 2.801,00 Imposto de Renda = R$4.668,00

Se fossemos contabilizar estes lançamentos, debitaria a conta Despesas com Provisões para Contribuição Social (CSLL) e Imposto de Renda (IRPJ), e creditaria as contas CSLL e IRPJ a recolher no Passivo.

No entanto, como vocês poderão observar mais adiante na Demonstração do Resultado do Exercício – DRE, o Resultado Operacional antes do Imposto de Renda e da Contribuição Social Sobre o Lucro, vai ser negativo, ou seja a empresa apresentará PREJUÍZO. Nesse caso não se calcula IRPJ e nem CSLL. A questão foi proposta exatamente para fixar esse raciocínio. Os cálculos do IRPJ e do CSLL, serão integrantes da matéria de períodos subseqüentes da disciplina de Contabilidade.

Mesmo que você tenha aberto razonetes e lançado no Balancete de Verificação, é só não lançar no DRE, que não haverá nenhuma conseqüência contábil.

18 – Pagamento do aluguel mensal no valor de R$ 4.000,00.

Aluguel pago é uma Despesa. Portanto crie um razonete para Despesas de Aluguel e debite. Em contrapartida houve saída de dinheiro do Caixa.

19 – Pagamento de comercial veinculado na TV, referente mercadoria revendida pela empresa. R$ 5.000,00

Essa é uma Despesas com Vendas. Crie um razonete.

20 – Contabilizar a provisão da folha de pagamento do mês, conforme abaixo:

Folha = R$ 58.500,00

Encargos Sociais = INSS a recolher = R$ 5.265,00

FGTS a recolher = R$ 4.680,00

INSS patronal = R$ 11.700,00

Essa questão foi proposta para apenas dar um pré-entendimento da matéria.

A contabilização ficará assim:

Inicialmente, abra 1 razonete para a conta Despesas de Salários e outra para Salários a Pagar, debitando e creditando respectivamente o valor de R$ 58.500,00.

Após, abra 1 razonete para a conta INSS a Recolher e debitando a conta Salários a Pagar e creditando a conta INSS a Recolher.

Em seguida, abra 2 razonetes: 1 para a conta Despesas com FGTS e outro para FGTS a Recolher e contabilize.

Por fim, abra 1 razonete para a conta Despesa – INSS Patronal, creditando a conta INSS a Recolher.

OBSERVAÇÕES:

ETAPA 1 - Após os lançamentos nos razonetes, efetuar a somatória do débito e do crédito e apurar o saldo, identificando se devedor ou credor.

ETAPA 2 – Elaboração do BALANCETE DE VERIFICAÇÃO – BV - Utilizar preferencialmente o modelo ilustrado às fls. 153 do Livro PLT – Programa do Livro-Texto – com centavos. Nesta demonstração, entra todas as contas dos razonetes na seguinte ordem: Ativo, Passivo, Custos, Despesas e Receitas.

ETAPA 3 – Elaboração da Demonstração do Resultado do Exercício – DRE – Utilizar exclusivamente o modelo contido às fls. 104 e 105 do Livro PLT – Programa do Livro-Texto, com centavos, adaptando-o de acordo com a necessidade ou de detalhamento das contas, observado o DRE dado em sala de aula. Lembrando que, nessa demonstração entra apenas as contas de Resultado. (Custos, Despesas e Receitas).

ETAPA 4- Elaborar o BALANÇO PATRIMONIAL – BP – Utilizar o último modelo aplicado em sala de aula. Nesta demonstração entra apenas as contas patrimoniais, ou seja, do Ativo e Passivo.