Trabalho Completo EMPREENDEDORISMO DE SUCESSO NO BRASIL

EMPREENDEDORISMO DE SUCESSO NO BRASIL

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Outras

Enviado por: bokka_daniel 07 dezembro 2012

Palavras: 9103 | Páginas: 37

CLEBER ALVES FRANÇA

DAURIA BEZERRA DA SILVA

ANÁLISE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS EMPREENDEDORES DE SUCESSO NO BRASIL

MBA GESTÃO EMPRESARIAL – LATU SENSU

UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL / MERCATUS

São Paulo

06/2006

CLEBER ALVES FRANÇA

DAURIA BEZERRA DA SILVA

ANÁLISE DAS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS EMPREENDEDORES DE SUCESSO NO BRASIL

Trabalho Interdisciplinar apresentado a UNIVERSIDADE CRUZEIRA DO SUL – MERCATUS MBA Executivo, considerado pré-requisito para aprovação na disciplina Monografia, para obtenção do título de especialista em Gestão Empresarial.

ORIENTADOR: Prof. Robson Delfino Rosano.

MBA GESTÃO EMPRESARIAL

UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL / MERCATUS

São Paulo

06/2006

A minha esposa Camila e meu filho Victor Hugo

C.A.F.

A minha mãe Josefa e meu marido Jose Denílson

D.B.S.

Que sempre nos entenderam e souberam aceitar com paciência as horas de solidão, que não pudemos estar por perto.

AGRADECIMENTOS

Agradeçemos primeiramente a Deus por ter nos dado forças, sabedoria para lutar e esperança, de ter uma vida digna e honesta.

E aos nossos professores em especial ao professor e orientador Robson Delfino Rosano, que com erudição e respeito, nos ensinou que o estudante pode se tornar um exemplo de sabedoria e dignidade em sua profissão.

Aos nossos companheiros de classe que nos ajudaram nas horas de duvidas, que sempre estiveram ao nosso lado nos auxiliando em momentos difíceis.

SUMÁRIO........................................................................................................

LISTA DE TABELAS.......................................................................................

LISTA DE QUADROS....................................................................................

LISTA DE FIGURAS......................................................................................

LISTA DE GRÁFICOS.....................................................................................

RESUMO........................................................................................................

ABSTRACT.....................................................................................................

1. INTRODUÇÃO...........................................................................................

1.1. OBJETIVOS..................................................................................

1.1. 1. OBJETIVO GERAL....................................................................

1.1.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS......................................................

1.2. HIPÓTESES..................................................................................

1.3. DELIMITAÇÃO..............................................................................

1.4. JUSTIFICATIVA............................................................................

2. METODOLOGIA DA PESQUISA.................................................................

2.1. SELAÇÃO DOS SUJEITOS...........................................................

2.2. PROCEDIMENTO DA COLETA DE DADOS.................................

2.3. LEVANTAMENTOS DOS DADOS SECUNDARIOS....................

2.4. PROCEDIMENTO ESTATISTICO...............................................

2.5. ESTRUTURA DE TRABALHO.......................................................

3. EMPREENDEDORISMO.............................................................................

3.1. O SURGIMENTO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL.............

3.2. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS EMPREENDEDORES

4. RESULTADOS............................................................................................

4.1. APRESENTAÇÃO E ANALISE QUANTITATIVA DOS CASOS ESTUDADOS QUANTO AS CARACTERISTICAS.......................

4.2. APRESENTAÇÃO E ANALISE QUANLITATIVA DOS CASOS ESTUDADOS QUANTO AS CARACTERISTICAS........................

CONSIDERAÇÕES FINAIS...........................................................................

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS................................................................

ANEXOS..........................................................................................................

...................V

...................V

...................VI

...................VI

...................VI

..................VII

...................VII...................08

..................09

..................09

..................09

..................09

..................09

..................10

..................12

..................13

...................13

...................16

.................17

..................17

.................20

.................22

.................23

.................32

..................32

.................36

.................40

.................41 .................44

LISTA DE TABELAS

TABELA 1: Diferenças Entre Gerentes Tradicionais e Empreendedores.........

TABELA 2: Comparação Entre Empreendedores e Empreendedoras. ...........

TABELA 3: Classificação dos Artigos da Revisão Bibliográfica Sobre Empreendedores de Sucesso no Brasil. ........................................

LISTA DE QUADROS

QUADRO 1: Principais Características e Base Referencial..............................

QUADRO 1.2: Pesquisas dos Casos e Base Referencial.................................

QUADRO 3: Casos Estudados...........................................................................

LISTA DE FIGURAS

FIGURA 1: Guia para Analise de Caso..............................................................

FIGURA 1.2: Estrutura do Trabalho...................................................................

FIGURA 2: Esquematização das Três Características Básicas.........................

FIGURA 2.1: Tipos de Habilidades Necessárias do Empreendedorismo...........

LISTA DE GRÁFICOS

GRAFICO 1: Percentual de Cada Característica Apresentada no Estudo........

GRAFICO 1.2: Percentual de Cada Caso em relação as Característica encontradas........................................................................................................

...............25

................28

................33

................14

...............15

................34

...............16

...............18

................26

...............31

...............35

...............36

RESUMO

O estudo aplica-se em apresentar a realização de uma revisão da literatura sobre estudos e pesquisas que tratam à origem e as características do empreendedor, visando contemplar os tópicos mais relevantes ao estudo. Com base nesta revisão e com o propósito de analisar as principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil, foi elaborado um sistema de classificação constituído das principais características encontradas na literatura base deste trabalho tais como: assumir riscos calculados; iniciativa e otimismo; conhecimento do negócio; identificar oportunidades; liderança; saber organizar e ser organizado; definição de metas e objetivos; inovação e criatividade; necessidade de realização; autoconfiança; persistência; determinação etc. Desta forma, com base na classificação e análise dos dados pode-se concluir que é possível identificar as principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil e ainda evidenciar a predominância de algumas características em todos os empreendedores de sucesso pesquisados.

Palavras-chave: Empreendedorismo, empreendedor, características empreendedoras.

ABSTRACT

The study is applied in to present the accomplishment of a revision of literature on studies and researches that deals with the origin and the characteristics of the entrepreneur, aiming to contemplate the most excellent topics to the study. With base in this revision and the intention to analyze the main characteristics of the successful entrepreneurs in Brazil, a consisting classification system of the main characteristics found in literature was elaborated based on this work such as: to take calculated risks; initiative and optimism; business knowledge; to identify chances; leadership; to know how organize and to be organized; definition of goals and objectives; innovation and creativity; accomplishment necessity; self-confidence; persistence; determination etc. Considered, on the basis of the classification and analysis of the data can be regarded as being a way to identify the main characteristics of the successful entrepreneur in Brazil and still to highlight the predominance of some characteristics in all successful entrepreneurs that were searched.

Key-Words: entrepreneurship, entrepreneur, characteristic entrepreneurs.

1. INTRODUÇÃO

Existe uma vasta literatura sobre empreendedorismo atualmente nas mais diversas linhas de pesquisa sobre o assunto. Desta forma, o tema vem tomando proporções gigantes em várias partes do mundo, sendo observado como um fator importante para o desenvolvimento econômico e social de qualquer país. Com o propósito de analisar as características, origem e o significado do termo, este trabalho procurou analisar informações pertinentes as principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil. Torna-se particularmente importante entender como estas características se destacam nos empreendedores.

Inicialmente o trabalho aborda o estudo de 38 casos de empreendedores de sucesso no Brasil, que foram analisados pelas características que se destacaram no referencial teórico do tema empreendedorismo. Para melhor compreensão da proposta deste trabalho algumas questões foram levantadas tais como:

a. Quais os estudos relevantes ao tema empreendedorismo?

b. Qual a origem do empreendedorismo?

c. Quais as características dos Empreendedores?

d. É possível evidenciar quais as principais características encontradas nos empreendedores de sucesso no Brasil?

e. Existe(m) alguma(s) característica(s) que tenha(m) predominância em todos os empreendedores de sucesso pesquisados?

1.1. OBJETIVOS

1.1.1. Objetivo geral

• Analisar as principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil.

1.1.2. Objetivos específicos

 Revisão Bibliográfica;

 Identificar a origem do empreendedorismo;

 Analisar as características dos empreendedores;

 Definir as principais características do empreendedor brasileiro.

1.2. HIPÓTESE

Os empreendedores apresentam características distintas dos demais, pois são: inovadores, lideres, otimistas, dedicados, independentes, determinados, oportunistas, ousados, visionários, organizados, além de possuírem um conjunto de habilidades, conhecimentos e comportamentos diferenciados. Estas características foram encontradas e analisadas nos empreendedores de sucesso no Brasil, permitindo identificar algumas características que são comuns em todos os casos.

1.3. DELIMITAÇÃO

O estudo em voga pretende abordar os conceitos de empreendedorismo, um tema amplo, que dificulta a delimitação do trabalho, logo, este estudo ficará restrito a análise das principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil.

A conclusão do estudo está limitada ao primeiro semestre do ano de 2006, sendo o mesmo, tempo suficiente para a captação e verificação de dados importantes para a realização de pesquisa do trabalho, transformando os mesmos, em informações relevantes para a conclusão deste estudo.

Como em qualquer outro trabalho de pesquisa, o presente estudo se reveste de limitações de ordem teórica e metodológica.

De ordem teórica, pode-se considerar o fato deste trabalho não esgotar todas as variáveis pertinentes ao tema estudado, devido a amplitude e complexibilidade do assunto empreendedorismo. Apesar desta limitação, ambicionou-se compreender os elementos mais relevantes no contexto onde o estudo se insenre.

Quanto às limitações metodológicas descritos, visando à imparcialidade na coleta de dados, a realização das pesquisas secundaria às vezes está sujeita a vontade do entrevistador. Um dos vieses e que estas pesquisas não seguem uma finalidade única como apenas de se identificar as características dos empreendedores. Porém coletar informações tão importantes é muito difícil uma vez que alguns destes entrevistados não estão disponíveis para entrevistas.

A pesquisa focou identificar as principais características. O estudo de todas as características não se mostrou viável numa pesquisa com este prazo e abrangência. Provavelmente seria viável para um empreendedor ou empresa especifica.

Da mesma forma, este estudo não pode ser considerado um modelo referencial completo, uma vez que a pesquisa bibliográfica foi desenvolvida tomando-se como base, integrantes da população de empreendedores no Brasil, não tendo sido investigados outros níveis do empreendedorismo, bem como entrevistados os empreendedores de outros países.

1.4. JUSTIFICATIVA

Este trabalho possui grande importância para os empresários, uma vez que o estudo permite identificar as principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil. Concedendo assim, informações de suma importância que norteiam o sucesso destas pessoas, como aludi Chiavenato (2005, p. 05) “... o empreendedor é a pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar oportunidades. Com esse arsenal, transforma idéias em realidades, para benefício próprio e para a comunidade.”

O tema pode ser utilizado também por pessoas que desejam iniciar um novo negócio ou inovar em um já existente, contribuindo para uma formação mais sólida e consciente dos comportamentos, habilidades e atitudes que permeiam o empreendedor brasileiro. Ou seja, com este estudo, os mesmos poderão realizar uma análise mais ampla do assunto e consequentemente assumirem novas responsabilidades, uma vez que,

“Novas possibilidades continuamente são oferecidas pelo mundo circulante, em particular descobertas novas são continuamente acrescentadas ao estoque de conhecimento existente.” (SCHUMPETER, 1982. p. 54).

No que se refere ao meio acadêmico, a possibilidade de estabelecer as principais características dos empreendedores de sucesso do Brasil, poderá proporcionar uma outra perspectiva de pesquisa, incentivando a novos trabalhos e ampliando a busca por conhecimento, além de ser útil para professores e alunos, em especial para disciplinas relacionadas ao empreendedorismo.

2. METODOLOGIA DA PESQUISA

O foco deste trabalho é a realização de uma revisão de literatura que trata da origem e das características do empreendedor. De acordo com Vergara (2003. p. 46) há dois critérios básicos para classificação do tipo de pesquisa: quanto aos fins e quanto aos meios.

Nesse sentido, a pesquisa quanto aos meios pode ser via:

 Pesquisa de campo ¬¬¬¬– é a investigação no local onde ocorreu tal fenômeno

 Documental – é realizada em documentos mantidos no interior de órgãos públicos e privados, tais como: filmes, fotografias, disquetes, diários, cartas etc.

 Experimental – é uma investigação no qual o pesquisador manipula e controla as variáveis a serem pesquisadas.

 Estudo de caso – é um circunscrito a uma ou poucas unidades, referentes a famílias, produtos, empresas e etc., que pode ou não ser realizado no campo.

 Bibliográfica – é o estudo realizado por meios de livros.

E quanto aos fins pode – se classificar:

 Pesquisa exploratória – é realizada em áreas onde há pouco conhecimento acumulado ou sistematizado.

 Descritiva – expõe características de determinada população ou de determinado fenômeno.

 Explicativa – visa esclarecer quais fatores contribuem de alguma forma, para a ocorrência de determinado fenômeno.

 Metodológica – é o estudo que se refere a instrumentos de manipulação da realidade, ou seja, está associada a caminhos, formas, maneiras, procedimentos para atingir determinado fim.

Desta forma, o trabalho utilizará a pesquisa quanto aos meios, bibliográfica secundária, uma vez que se entende como pesquisa bibliográfica, o uso de material de fácil acesso ao público em geral, como livros ( VERGARA, 2003, p.48).

Este trabalho compõe-se de duas fases principais: a primeira é uma pesquisa bibliográfica no sentido de ampliar conhecimentos por meio do instrumental analítico para dar a devida sustentação à temática, de acordo com os objetivos estabelecidos, no intuito de expor determinadas características da realidade pesquisada sobre a origem e as principais características dos empreendedores, e ainda se sustenta através da segunda pesquisa bibliográfica que vem a ser a investigação de fontes secundárias realizada com os livros consultados sobre os empreendedores de sucesso no Brasil.

Foram encontrados 38 estudos de casos sobre o tema, a partir disso desenvolvemos um sistema de classificação detalhado no quadro 1. O qual é constituído das principais características encontradas na literatura base deste trabalho, tais como: inovadores, lideres, otimistas, dedicados, independentes, determinados, oportunistas, ousados, visionários, organizados, uma vez proposto tal sistema de classificação, este, foi utilizado para classificar os estudos de casos da revisão bibliográfica possibilitando a realização da análise das características dos empreendedores de sucesso no Brasil.

2.1. SELEÇÃO DOS SUJEITOS

Os sujeitos da pesquisa serão os empreendedores de sucesso no Brasil que se destacaram ao longo da carreira, pertencentes a uma classe diferenciada de empresários, que trazem com sigo características empreendedoras. “Sujeitos da pesquisa são as pessoas que fornecerão os dados de que você necessita”. (VERGARA, 2003. p. 49).

2.2. PROCEDIMENTO DE COLETA DE DADOS

A fase de coleta de dados do presente estudo tem apenas uma fase distinta: o levantamento de dados secundários por pesquisa bibliográfica. Onde serão levantados as principais características e perfis dos empreendedores de sucesso no Brasil, a fim de que sejam identificadas e analisadas as mesmas.

Principia-se pela análise das principais características onde foram identificadas nos diversos autores, em seguida são os estudos de casos com as entrevistas dos empreendedores.

O quadro a seguir apresenta o modelo a ser utilizado neste estudo.

Quadro 1: Principais Características e Base Referencial

CARACTERÍSTICAS CODIGO BASE REFERENCIAL

Inovadores A HISRICH E PETERS (2004) / DRUCKER (1986) / CHIAVENATO (2005) / DEGEN (1989) /ARAÚJO (2000) / SHUMPETER (1949)

Liderança B HISRICH E PETERS (2004) / ARAÚJO (2000) / DEGEN (1989)

Habilidade para administrar C HISRICH E PETERS (2004) / CARVALHO (1996) CHIAVENATO (2005)

Visionários D DRUCKER (1986)

Tomam decisões E HISRICH E PETERS (2004) / CHIAVENATO (2005)

Máxima Exploração de oportunidades F DRUCKER (1986) / CARVALHO (1996) / ARAÚJO (2000) / SHUMPETER (1949) / DORNELAS (2001)

Determinados G HISRICH E PETERS (2004) / ARAÚJO (2000)

Dedicados H HISRICH E PETERS (2004) / CHIAVENATO (2005)

Otimistas I DRUCKER (1986) / CARVALHO (1996) / CHIAVENATO (2005) / ARAÚJO (2000)

Independentes J HISRICH E PETERS (2004) / MCCLLAND (1961) / DEGEN (1989)

Constroem o próprio destino K HISRICH E PETERS (2004)

São formadores de líderes L CARVALHO (1996) / HISRICH E PETERS (2004)

Networking M MCCLLAND (1961) / CHIAVENATO (2005)

Organizados N ARAÚJO (2000) / CHIAVENATO (2005) / HISRICH E PETERS (2004)

Planejam O MCCLLAND (1961)

Conhecimento do Negocio (Ramo) P HISRICH E PETERS (2004) / ARAÚJO (2000)

Assumem riscos calculados Q HISRICH E PETERS (2004) / CARVALHO (1996) / CHIAVENATO (2005) / ARAÚJO (2000) / MCCLLAND (1961) /DORNELAS (2001)

Responsabilidade social R DORNELAS (2001)

Fonte: Proposto pelos autores.

Conforme já previsto neste estudo, com o objetivo de um maior aprofundamento e entendimento das características dos empreendedores, foram utilizados como fontes secundarias de obtenção de dados, pesquisas de autores cujas obras já tratava do assunto.

Quadro 1. 2. Pesquisa de Empreendedores e Base Referencial.

EMPREENDEDORES NOME DO CASO CODIGO BASE REFERENCIAL

IRINEU EVANGELISTA DE SOUZA MAUÁ 1 MARCOVITCH ( 2005)

LUIZ DE QUEIROZ LUIZ DE QUEIROZ 2 MARCOVITCH (2005)

ATILLIO FONTANA ATILLIO FONTANA 3 MARCOVITCH (2005)

VALENTIN DOS SANTOS DINIZ VALENTIN DOS SANTOS DINIZ 4 MARCOVITCH (2005)

GUILHERME GUINLE GUILHERME GUINLE 5 MARCOVITCH (2005)

LAFER-KLABIN KLABIN 6 MARCOVITCH (2005)

JOSÉ ERMINIO DE MORAES JOSÉ ERMINIO DE MORAES 7 MARCOVITCH ( 2005)

GERDAU-JOHANNPETER GERDAU 8 MARCOVITCH (2005), RAMOS (2005)

MIGUEL GELLERT KRIGSNER O BOTICÁRIO 9 RAMOS (2005)

MARCELO HENRIQUE R. ALECRIM SATELITE 10 RAMOS (2005)

MARCOS WETTREICH IBEST 11 RAMOS (2005)

MARCO AURÉLIO GARIB EVER-SYSTEMS 12 RAMOS (2005)

MARCEL MALCZEWSKI BERMATECH 13 RAMOS (2005)

RODRIGO DINIZ MASCARENHAS RM SISTEMAS 14 RAMOS (2005)

ALEKSANDAR MANDIC MANDIC 15 RAMOS (2005)

RICARDO YONG SILVA YAZIGI 16 RAMOS (2005)

GABRIEL AIDAR ABOUCHAR SETAL 17 RAMOS (2005)

OGARI DE CASTRO PACHECO CRISTALIA 18 RAMOS (2005)

RÉGIS E GHISLAINE DUBRULE TOK&STOK 19 RAMOS (2005)

WILSON FERRO DE LARA ALL DELARA 20 RAMOS (2005)

SERGIO DE NADAI DE NADAI 21 RAMOS (2005)

LAERCIO COSENTINO MICROSIGA 22 RAMOS (2005)

PEDRO SEGUNDO SELEME CCV 23 RAMOS (2005)

JOSÉ PEPE FARO PERINI 24 RAMOS (2005)

JOSÉ EUGENIO FARINA TODESCHINI 25 RAMOS (2005)

SERGIO ANTONIO G. AMOROSO GRUPO ORSA 26 RAMOS (2005)

EDUARDO SCHUBERT INDICATOR 27 RAMOS (2005)

HELDER COUTO MENDOÇA FORNO DE MINAS 28 DOLABELA (2000), RAMOS (2005)

LUIZ SASADA GRAPHO 29 RAMOS (2005)

BETH PIMENTA ÁGUA DE CHEIRO 30 DOLABELA (2000)

FRANKLIN MADRUGA LUZES JR. MHW 31 DOLABELA (2000)

GUILHERME EMRINCH BIOBRÁS 32 DOLABELA (2000)

JAIRO SIQUEIRA DE AZEVEDO GRUPO SECULO EMPREENDIMENTOS 33 DOLABELA (2000)

JOSÉ LÚCIO COSTA SUGGAR 34 DOLABELA (2000)

LEVY NOGUEIRA REDE EPA DE SUPERMERCADOS 35 DOLABELA (2000)

LÚCIO PENTAGNA GUIMARÃES ICAL 36 DOLABELA (2000)

MARCELO LACERDA NUTEC-ZAZ 37 DOLABELA (2000)

SALIM MATTAR LOCALIZA 38 DOLABELA (2000)

Fonte: Proposto pelos autores.

Neste tópico são apresentados e interpretados os dados coletados da pesquisa. O esquema a seguir mostra com clareza este procedimento:

Figura 1. Guia para Análise de Caso.

2.3. LEVANTAMENTO DOS DADOS SECUNDÁRIOS

Esta fase tem a finalidade de obter dados sobre os empreendedores e as principais características para compor o estudo do tema e sobre o ambiente de pesquisa.

Com o objetivo de um maior aprofundamento e entendimento das variáveis do empreendedorismo, será utilizado como fonte secundaria de obtenção de dados das bibliografias e entrevistas bibliografadas dos empreendedores de sucesso no Brasil, realizadas pelos próprios autores, guiadas por um roteiro de características.

As características foram colocadas de uma maneira que os temas foram tratados e desenvolvidos, não necessariamente na ordem em que elas aparecem na tabela. De modo que ao final de cada bibliografia consultada, as características colhidas de cada empreendedor haviam sido esclarecidas.

2.4. PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS

Considerando que o quadro utilizado para o recebimento das informações compunha - se de características abertas fez - se tratamento comparativo tentando confrontar as entrevistas das bibliografias consultadas, foco desse estudo com a teoria estudada sobre o tema.

Partiu – se de uma revisão teórica sobre o tema em estudo, que reuniu os conceitos consagrados sobre o mesmo e serviu de orientação e contraponto para a realização da pesquisa junto a uma amostra de 38 casos de empreendedores de sucesso no Brasil. Estes empreendedores foram selecionados após criteriosa pesquisa de estudo dos mesmos, em relação à época e destaque de sucesso.

Para a coleta de dados foi proposto um quadro elaborado pelos autores tendo como referencial Marconi e Lakatos (2002, p. 37), com o objetivo de facilitar a interpretação dos dados.

2.5. ESTRUTURA DE TRABALHO

Então, num primeiro momento foi realizado o levantamento necessário para embasar teoricamente o assunto e foram preparados os instrumentos de coleta de dados, com o objetivo de se ter uma visão ampla e atualizada das reflexões já realizadas por outros pesquisadores, desta forma estruturamos o trabalho da seguinte forma:

INTRODUÇÃO: encontram-se informações em linhas gerais sobre o estudo em questão, proporcionando ao leitor melhor entendimento do tema apresentado no trabalho.

Capítulo 1: O PROBLEMA. Neste capítulo descreve-se a formulação do problema, as questões de pesquisa, os objetivos, a justificativa do tema e a estrutura da dissertação.

Capítulo 2: METODOLOGIA DE PESQUISA. Esse capítulo trata da metodologia aplicada à pesquisa. As opções metodológicas, o planejamento e execução do estudo bibliográfico.

Capítulo 3: EMPREENDEDORISMO. Nesse capítulo inicia-se a revisão bibliográfica. São apresentados os conceitos básicos. Prossegue-se discutindo as principais abordagens dos autores para empreendedorismo, contemplando-se características bem como os modos alternativos.

Capítulo 4: RESULTADOS. Neste capítulo descreve-se a pesquisa realizada, a analise dos resultados bem como descreve-los, classifica-los e interpretá-los.

CONSIDERAÇÕES FINAIS. Neste capítulo são apresentadas as principais contribuições para o tema na visão dos autores e sugestões para futuras pesquisas.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS. Feita a revisão da literatura pertinente ao tema, visando contemplar os tópicos mais relevantes ao estudo. É importante ressaltar que a literatura consultada no qual bucar-se-ão estudos sobre as características dos empreendedores de sucesso do Brasil, serão realizadas e pesquisadas em livros.

Como resultado desta pesquisa, espera-se uma compreensão maior do fenômeno empreendedorismo. Além das questões específicas referentes à temática em estudo também procurou – se obter informações acerca do perfil, tempo de existência, etc. A partir disso, foi possível verificar a importância dada pelas características em formarem pessoas voltadas ao empreendedorismo.

A estrutura do trabalho acima descrita pode ser visualizada na figura a seguir:

Figura 1.2: ESTRUTURA DO TRABALHO

3. EMPREENDEDORISMO

O termo empreendedor não é uma palavra nova, e vem desde a idade média com diferentes interpretações em cada idioma, encontrando outros significados. Assim, para estruturarmos o trabalho e o leitor obter melhores condições de entendimento, apresenta-se a seguir algumas definições encontradas.

A palavra empreendedor teve sua origem há aproximadamente 800 anos, proveniente do verbo francês entreprendre que literalmente traduzido para o português significa “fazer algo ou empreender”. No latim sua etimologia é constituída de inter+prehendere, onde inter significa espaço que vai de um lugar ao outro, ação mutua, reprocidade e interação, e prehendere que significa tomar posse, utilizar, empregar, tomar uma atitude.

Já na língua Inglesa é enterprising, que significa: empreendedor, ativo e ou ousado e corajoso, Segundo dicionário Michaelis ( 2001, p.108).

No Brasil o empreendedor é definido como aquele que empreende; ativo; arrojado, que se aventura a realização de coisas difíceis ou fora do comum, àquele que empreende que toma o seu cargo uma empresa. (O Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa (1986) e o dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa Mirador Internacional (2º ed. 1976)).

Dentre esses autores destaca-se o economista Shumpeter, que associou a inovação ao empreendedor, a importância do mesmo na economia de qualquer país e também identificou as diferenças entre e os “capitalistas” são aqueles que possuem o capital ou bens materiais, e os “empresários” são pessoas que criam novas combinações, novas tecnologias, e acrescenta ainda, o número de pessoas o qual possuem este privilégio é menor com relação aos que têm a possibilidade de fazê-lo efetivamente, tornando-os um tipo especial com características diferenciadas. Esta interpretação do economista é muito próxima das definições do termo empreendedor, pode-se dizer que sua interpretação no inicio dos anos 80 continua sendo uma das definições mais importantes do empreendedorismo na atualidade, melhor analisado no quadro a seguir, destacando os principais períodos de transições, seus autores e suas definições.

Quadro 2: Desenvolvimento da Teoria do Empreendedorismo e do Termo Empreendedor

¬¬¬¬¬¬

Fonte: Robert D. Hisrich, “Entrepreneurship and Intrapreneurship: Methods for Creating New Companies That Have an Impact n the economic renaissance of an Area”. In Entrepreneurship, Intrapreneurship, and Venture Capital. ed. Robert D. Hisrich (Lexington, MA: Lexington Books, 1986), p. 96.

Mesmo com a contribuição significativa destes autores, não há até o presente momento uma definição coesa sobre o termo empreendedorismo, mas sim uma relação ou um consenso em alguns fatores, como inovação, risco de fracasso, iniciativa, criação, organização e riqueza, mas cada definição é vista sobre uma determinada perspectiva que pode variar de acordo com o contexto em questão, como por exemplo, do ponto de vista econômico, psicológico, porém ainda sim possuem algum tipo de restrição (HISRICH E PETERS, 2004, p.29).

Contudo, a utilização do termo empreendedor se tornou um tanto quanto confusa, devido às várias traduções e significados adotados em várias línguas. Desta forma, para este trabalho será considerado o termo empreendedor como aquele que assume riscos e começa algo novo em um contexto de negócios.

3.1 . O SURGIMENTO DO EMPREENDEDORISMO NO BRASIL

Inicia-se o empreendedorismo no Brasil na década de 20, com o surgimento de mais de 4000 indústrias que detinham o aval do governo, no qual às subsidiavam e as protegiam contra a concorrência internacional, com destaque para indústrias dos irmãos Jafet, de Nicolas Scarpa de Rodolfo Crespi e Francesco Matarazzo. Em 1936 Getulio Vargas constitui a CSN (Companhia Siderúrgica Nacional) a primeira estatal no Brasil, já em 1960 no seu segundo mandato cria também o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e a Petrobrás, estabelecendo um grande incentivo à iniciativa privada. Com a presidência de Juscelino Kubitischek o Brasil passa a ser um País de economia industrial, instalando a indústria automobilística no ABC paulista e iniciando a construção de Brasília, onde grandes empreiteiras como Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Mendes Júnior tiveram a oportunidade de se tornarem gigantes neste cenário empresarial (CARVALHO 1996. p. 115-116).

Com a expansão industrial no Brasil surge na década de 80 na Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas, de São Paulo, a disciplina “Novos Negócios” sendo uma das pioneiras no ensino de empreendedorismo. Quatro anos depois, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, foi inserida no curso de Ciência da Computação, com o nome de “Criação de Novas Empresas”. Até o final da década, eram poucas as universidades que ministravam esta matéria nos cursos de pós-graduação.

Em palavras de Mauro Kreuz (presidente da Angrad): “O empreendedorismo deve fazer parte da formação complementar nas escolas e sua abordagem deve ser transversal, deve permear todo o curso, deve abranger todo o seu contexto interdisciplinar, visando o enriquecimento do perfil do aluno em face às características empreendedoras”, ou seja, deve-se enfocar o desenvolvimento das competências essenciais do administrador empreendedor em todas as disciplinas do curso, através de esforços conjuntos e sincronizados de todos os professores.

Neste período o Brasil não tinha informações ou suporte para os empreendedores. Porém, a partir dos anos 90, com a criação do SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), surgiram oportunidades em todo o Brasil, pois o mesmo disponibiliza técnicas sobre gestão, financiamentos, consultorias e desenvolvimento, outro setor que destacou o empreendedorismo, foi a criação de programas como o Softex e Genesis (Geração de Novas Empresas de Software, Informação e serviços), que impulsionaram o desenvolvimento de novas disciplinas em universidades, incentivando ao mesmo tempo a criação de empresas de software.

Destaca-se entre eles o programa Softex, no núcleo FUMSOFT, da Universidade Federal de Minas Gerais, orientado pelo professor Fernando Dolabela, que criou uma metodologia adotada por mais de 150 instituições no Brasil, mérito também, do professor José Carlos Assis Dornelas que ministrou palestras de técnicas e elaborações de Planos de Negócios para empresários distribuídos pelo Brasil, Bolson (2004).

Dentre as pesquisas realizadas sobre empreendedorismo, o GEM (Global Entrepreneurship Monitor) tem apontado o Brasil como um país de grande potencial empreendedor, dando destaque a um público de mais de 15 milhões de empreendedores, sendo o país que possui o segundo maior número de empreendedores do mundo, pesquisa realizada em mais de 34 países no ano de 2004.

“Estima-se que o Brasil comporte um contingente de 15 milhões de empreendedores, um dos maiores entre os países pesquisados, perdendo apenas para os EUA, em 2004. Desses empreendedores, em torno de 35% estão à frente de negócios em estágio nascente, ou seja, com menos de 3 meses de vida, e aproximadamente 65% administram negócios com tempo de vida entre 3 e 42 meses”. GEM (2004)

3.2. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS EMPREENDEDORES

Esta revisão abrange todos os casos pesquisados e aborda as principais características neles encontradas, mais especificamente utilizando as duas categorias, metodologia e abrangência. Quanto à metodologia é descrita no capítulo 2. Porém quanto à abrangência verifica-se que os trabalhos não exploram uma só característica, e outros que não são tão específicos ao assunto. A seguir apresentamos esta revisão com um conciso de cada trabalho.

Os empreendedores transcendem as características tidas como essenciais para os administradores, pois são pessoas no qual possuem necessidade de criar algo novo ou ainda inovar em algo existente, conseguem ver além do horizonte, enxergam oportunidades mesmo em situações adversas, são um tipo especial de indivíduos que vem revolucionando o mundo, para estes empreendedores os desafios sejam eles culturais, religiosos, comerciais, econômicos, políticos etc., são tidos como combustíveis que alimentam a criatividade, a busca por inovação, a quebra de paradigmas e a motivação pessoal “... seja dinheiro, poder, curiosidade, ou desejo de fama ou reconhecimento -, tentam criar valor e fazer uma contribuição.” (DRUCKER, 1986. p. 45).

Dornelas acrescenta que os empreendedores possuem características a mais, além dos atributos do administrador, são vistos como fatores de mudanças e visionários,

“... pois são os empreendedores que estão eliminando barreiras comerciais e culturais, encurtando distâncias, globalizando e renovando os conceitos econômicos, criando novas relações de trabalho e novos empregos, quebrando paradigmas e gerando riqueza para a sociedade...” Dornelas (2001, p.21).

Outra contribuição vem de Carvalho (1996, p.79-82), que apresenta os empreendedores como indivíduos que têm a capacidade de criar algo novo, assumindo responsabilidades em função de um sonho, o de obter sucesso em seu negócio, estas pessoas são ousadas, aprendem com os erros e encaram seu negócio como um desafio a ser superado, têm facilidade para resolverem problemas que podem influenciar em seu empreendimento, e mais, identificam oportunidades que possibilitam melhores resultados, são pessoas incansáveis na procura de informações interessadas em melhorias para o seu setor ou ramo de atividade, elevando ao máximo sua gestão. Cita também outros fatores relevantes sobre as características do empreendedor bem-sucedido, tendo como referencia à forma de como são tomadas às decisões, de modo geral são rápidas e eficazes, alinhado a uma postura de liderança que incentiva as pessoas a alçarem a suas metas se comprometendo com os resultados da empresa, desta forma, o talento para empreender é fundamental para transformar as pequenas idéias em grandes feitos, movidos pelo otimismo e o feeling empresarial, estas pessoas são chamadas de empreendedores bem-sucedidos.

Outros autores, como Hisrich e Peters (2004) interpretaram que existem diferenças significativas encontradas entre os “gerentes tradicionais” e “os empreendedores”, se referindo ao primeiro, tendem a ter pensamentos em curto prazo e são mais cuidadosos na tomada de decisão quando envolve risco, enquanto ao segundo, são mais arrojados e têm pensamento em longo prazo, são visionários, e sonham com o sucesso do seu negócio, para evidenciar as diferenças entre ambos os termos, os autores estruturaram um comparativo que pode ser observado abaixo.

Tabela 1: Diferenças entre Gerentes Tradicionais e Empreendedores

Gerentes tradicionais Empreendedores

Motivos principais Promoção e outras compensações corporativas, tradicionais como escritório, auxiliares e poder. Independência, oportunidade de criar e dinheiro.

Orientação de tempo Curto-prazo - atingir cotas e orçamentos semanais, mensais, trimestrais e o planejamento anual. Sobrevivência e crescimento do negócio entre cinco e 10 anos

Atividade Delega e supervisiona mais do que envolve diretamente Envolvimento direto

Risco Cuidadoso Assume riscos moderados

Status Preocupado com símbolos de status Nenhuma preocupação com símbolos de status

Falhas e erros Tenta evitar erros e surpresas Lida com erros e falhas

Decisões Geralmente concorda com os que têm cargos na administração superior Segue o sonho com decisão

A quem serve Aos outros A si e aos clientes

História familiar Membros da família trabalharam em grandes organizações Experiência empresarial em pequena empresa, profissional ou em fazenda.

Relacionamento com os outros Hierarquia como relacionamento básico Transações e acordos como relacionamento básico

Fonte: Hisrich e Peters (2004. p. 61).

Complementando as definições apresentadas por outros autores até o momento, Bom Angelo (2003. p. 51) acrescenta que é possível identificar no DNA do empreendedor três aspectos base que revelam as vocações empreendedoras, que podem ser encontrados independentemente da perspectiva no qual o individuo esteja inserido, seja psicológico, político, empresarial entre outros, são elas:

• Vontade e habilidade para criar; algo novo ou inédito que possa proporcionar melhorias para sociedade.

• Capacidade de encontrar novas utilidades para velhas idéias; se refere a inovação de algo já existente com a finalidade de favorecer a todos.

• Talento para melhorar a eficiência de um sistema; redução de custos por meio de aperfeiçoamento e sistematização.

Chiavenato (2005, p. 5-7) por sua vez, enfatiza outras três características básicas:

• Necessidade de realização; que para o autor significa que os empreendedores possuem maior necessidade de realização dos seus objetivos comparados a outras pessoas.

• Disposição para assumir riscos; o empreendedor tende a assumir riscos sejam financeiros, familiares, psicológicos, desde que o mesmo possa exercer controle sobre estas ações.

• Autoconfiança; pessoas que dão ênfase nas suas habilidades pessoais a creditando em si para a resolução de problemas.

Figura 2: Esquematização das Três Características Básicas.

Fonte: Proposto pelos autores com base em Chiavenato (2005. p. 7).

Dornelas (2001, p. 31) e Araújo (2000) ampliam e destacam que os empreendedores conseguem enxergar as oportunidades e ameaças que podem comprometer o seu negócio, são pessoas otimistas e possuem qualidades especificas determinando o seu perfil empreendedor e estas refletidas no sucesso da empresa, tais características foram evidenciadas a seguir:

 Planejam, planejam e planejam – procura analisar cada parte do negócio, desde sua concepção a visão de futuro.

 Sabem explorar ao Maximo as oportunidades – o empreendedor observa tudo o que esta a sua volta, identifica as necessidades de seus clientes e cria algo inovador que possa suprir estas necessidades.

 Ficam ricos – para eles o dinheiro é a conseqüência do sucesso, do prazer de fazer o gosta.

 São lideres e formadores – saber influenciar pessoas respeitando seus sentimentos e suas necessidades motivando-as a alcançarem melhores resultados, procurando integrá-las em um contexto de desenvolvimento.

 Networking – possuem rede de relacionamento e a mantém como imprescindível.

 São organizados – obter os melhores recursos que possibilitem uma inter-relação entre os recursos-humanos, materiais e financeiros, garantindo a realização no tempo definido, fator importante para o sucesso da empresa.

 Definir metas e objetivos – definir aonde e como chegar aos seus objetivos são pontos fundamentais, ter a visão de que o objetivo está em longo prazo e que para alcançá-lo é necessário fraguimentá-lo em partes como metas em curto prazo, podem propiciar a realização dos objetivos.

 Ter senso de inovação, criatividade e estar comprometido com o negócio – o empreendedor possui estes três fatores, podendo criar, inovar e se responsabilizando pelo sucesso ou insucesso do seu empreendimento.

Além das definições e interpretações de vários autores acima citados, Hisrich e Peters (2004. p. 86) estendem ainda mais, mostrando uma comparação de ambos os sexos, na tabela a seguir eles descrevem algumas características das personalidades dos empreendedores e empreendedoras, nesta comparação percebe-se que enquanto as mulheres são mais flexíveis e tolerantes, os homens são mais confiantes em alguns casos.

Tabela 2: Comparação entre empreendedores e empreendedoras

Característica Empreendedores Empreendedoras

Motivação Realização - luta para fazer as coisas acontecerem Independência pessoal auto-imagem relacionada ao status obtido por seu Desempenho na corporação não é importante Satisfação no trabalho advinda do desejo de estar no comando Realização - conquista de uma meta Independência - fazer as coisas sozinhas

Ponto de partida Insatisfação com o atual emprego Atividades extras na faculdade, no emprego atual ou progresso no emprego atual.

Dispensa ou demissão

Oportunidade de aquisição Frustração no emprego

Interesse e reconhecimento de oportunidade na área Mudança na situação pessoal

Fontes de fundos Bens e economias pessoais

Financiamento bancário

Investidores Empréstimos de amigos e familiares Bens e economias pessoais Empréstimos pessoais

Histórico profissional Experiência na área de trabalho

Especialista reconhecido ou que obteve um alto nível de realização na área

Competente em uma série de funções empresariais Experiência na área de negócios

Experiência em gerência intermediária ou administração Histórico ocupacional relacionado com o trabalho

Características de personalidade Dá opiniões e é persuasivo

Orientado para metas

Inovador e idealista

Alto nível de autoconfiança

Entusiasmado e enérgico

Tem que ser seu próprio patrão Flexível e tolerante

Orientada para metas

Criativa e realista

Nível médio de autoconfiança

Entusiasmada e enérgica

Habilidade para lidar com o ambiente social e econômico

Histórico Idade no inicio do negócio: 25-35

Pai autônomo

Educação superior -administração ou área técnica (geralmente engenharia) Primogênito Idade no inicio do negócio: 35-45

Pai autônomo

Educação superior - artes liberais

Primogênita

Grupos de apóio Amigos, profissionais conhecidos (advogados, contadores) Associados ao negócio Cônjuge Amigos íntimos, Cônjuge, Família

Grupos profissionais femininos, Associações comerciais.

Tipos de negócios

Indústria ou construção

Relacionado à prestação de serviços - serviço educacional, consultoria ou relações públicas.

Fonte: Hisrich e Peters (2004. p. 61).

Entretanto, quanto ao comportamento do empreendedor, evidenciada por McClelland (1961), mostra que isto o leva a nunca parar de trabalhar, a manter-se sempre motivado advinda da vontade e necessidade de fazer aquilo de que gosta. Essa necessidade de realização dirige a atenção do indivíduo, para que execute, da melhor maneira possível, suas tarefas, de forma a poder atingir os seus objetivos com eficácia naquilo a que se propõe fazer, também foram identificados outros comportamentos principais para os empreendedores tais como: perseverança; comprometimento; coragem para; fixação de metas objetivas; busca de informações; planejamento e monitoração sistemáticos, isto é, detalhamento de planos e controles; capacidade de persuasão ; independência; autonomia e autocontrole.

Além das informações sobre o comportamento do empreendedor identificado por McClelland, o autor Chiavenato (2005. p. 17) acrescenta que para o empreendedor ser bem-sucedido, há a necessidade de reflexão para que se possa haver um equilíbrio ou harmonia entre elas, essas outras características empreendedoras são: ter vontade de trabalhar duro; ter habilidade de comunicação; conhecer maneiras de organizar o trabalho; ter orgulho daquilo que faz; ser um self-starter, um autopropursionador; assumir responsabilidades e desafios; tomar decisões.

Com base nos autores acima, o SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), realizou no ano de 2000 uma pesquisa evidenciando as principais características que contribuíram para o sucesso pessoal do empreendedor, uma vez que “Até hoje, não é possível estabelecer cientificamente um perfil psicológico do empreendedor devido às inúmeras variáveis que concorrem na sua formação”. (Dolabela, 1999).

Após a apresentação do estudo sobre as principais definições e interpretações dadas por vários autores, acredita-se que o texto a seguir será relevante para um melhor entendimento do assunto em questão, pois o mesmo é claro e objetivo.

Em seu livro, “Homo habilis - Você como Empreendedor “ de Luiz de Almeida Marins Filho (2005), é proposta a idéia de que somente sobreviverão os empreendedores, num mundo que se apresenta extremamente competitivo. Suas idéias são inspiradas no Homo habilis, que foi uma espécie pré-humana que existiu por volta de 2,5 milhões de anos e que teve singular presença na evolução do homem que se conhece hoje em dia. Em sua era o Homo habilis, sofreu um processo de ampliação cerebral e que talvez por isso desenvolvesse uma capacidade essencialmente humana: a criação de instrumentos simples com aquilo de que dispunha (pedras, rochas, madeiras) dando a esses materiais grande utilidade.

É justamente essa capacidade de criar a partir de coisas simples que o empresário moderno deve ter. Ele precisa se equiparar ao antigo Homo habilis e se recriar em cima disso, só assim poderá transformar os seus sonhos em ações e suas ações em resultado. É esse o sentido que deve nortear o pensamento do verdadeiro empreendedor.

Sonhar e pensar grande é sem dúvida característica de um empreendedor. Para ele não há comodismo. Sua mente é incessantemente abarrotada de idéias onde se pensa, repensa, cria, recria, escreve, reescreve... Enfim, qualquer situação é propícia a novos horizontes, a uma análise profunda dos prós e contras de tudo que o rodeia. Seu pensamento é sempre voltado às soluções para o bem estar da sua instituição ou bem pessoal. Às vezes é chamado de louco, porém, quando as idéias e sonhos explodem em seu íntimo, não há como parar de falar e escrever sobre seus projetos e planos. No caso de um grande empreendedor há uma busca incessante para a concretização das estratégias, projetos e planos para o alcance real de seus desejos. Existem aqueles que sonham alto, mas o verdadeiro empreendedor não restringe seus planos apenas ao campo dos sonhos. Ele tem gana por ver seu sonho realizado, mal dorme até poder ver seu ideal materializado, concretizado. No mundo empresarial - e também no pessoal – não adianta apenas sonhar, como também, não apenas agir, sem a produção de resultados positivos. Existem pessoas que sonham e agem, mas esta ação não produz o resultado que se espera que se precise e se quer.

Assim é o líder de mercado que não gera caixa nem lucro ou o empresário de sucesso que não consegue manter o equilíbrio entre sua vida familiar ou sua saúde. Sonhar e agir são coisas importantes e atingir resultados é essencial.

Outras informações são visualizadas em uma pirâmide de modo a representar algumas fases de habilidades necessárias em empreendedorismo, visto que à medida que se avança na pirâmide o numero de pessoas que se encontra em cada fase diminui, pode-se dizer que o empreendedor possui as três fazes: habilidades técnicas (fase 1),habilidades administrativas (fase 2) e as habilidades empreendedoras (fase 3), vistas na figura 3 com base em Hisrich e Peters.(2004).

Figura 2.1: Tipos de Habilidades Necessárias em Empreendedorismo

Fonte: Proposto pelos autores com base em Hisrich e Peters (2004. p. 39).

4. RESULTADOS

Neste capítulo são apresentados os resultado da analise de uma pesquisa descritiva (VERGARA 2003. p. 47), pois com base em suas explicações contribuem para descrever e identificar as características dos Empreendedores de Sucesso no Brasil. Para um melhor entendimento do que a literatura oferece em termos de características dos empreendedores, No método descritivo, o pesquisador propõe descobrir e observar fenômenos descreve-los, classifica-los e interpretá-los, sem nele interferir. Os dados foram coletados de 38 casos de empreendedores de sucesso no Brasil, por se acreditar que estes atendem ao objetivo proposto de identificar as principais características. A análise destes resultados baseia na classificação de trabalhos propostos. É importante a coleta e a análise quantificada dos dados, e, da quantificação, que os resultados automaticamente apareçam.

Este capítulo esta organizado em duas partes de seguinte forma: a primeira parte é a análise obtida referente ao capítulo dois da coleta de dados, traz a apresentação das características dos empreendedores estudados, discorrendo em seguida sobre as respostas obtidas. Na segunda parte, analítica, passa-se então a analisar as respostas obtidas em face do referencial teórico, havendo também nesta parte comparação entre os casos estudados.

4.1. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE QUANTITATIVA DOS CASOS ESTUDADOS QUANTO AS CARACTERISTICAS

Esta pesquisa quantitativa é composta de 38 estudos de casos, que serão analisados com base nas 18 principais características extraídas da pesquisa bibliografica. A seguir são mostradas claramente e estruturadas na tabela 7, desta forma, a primeira análise é referente à classificação das principais características encontradas em cada caso estudado.

Tabela 3. Classificação dos artigos da revisão bibliográfica sobre empreendedores de sucesso no Brasil

CASO CARACTERÍSTICAS TOTAL DE CARACATERISTICAS ENCONTRADAS EM CADA ESTUDO DE CASO QUANT. CARACTERÍSTICAS % QUANT. DE CASO QUANT. CASOS %

1 A, B, C, D, E, F, G, H, J, K, L, M, N, O, P, Q, R 17 94% 2 5%

13 A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, L, M, N, P, Q, R 17 94%

6 A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, M, N, O, P, Q 16 89% 5 13%

9 A, B, C, D, E, F, G, H, J, K, L, M, O, P, Q, R 16 89%

10 A, B, C, D, E, F, G, H, J, K, L, M, O, P, Q, R 16 89%

20 A, B, C, D, E, F, H, J, K, L, M, N, O, P, Q, R 16 89%

32 A, B, C, D, F, G, I, J, K, L, M, N, O, P, Q, R 16 89%

8 A, B, C, D, E, F, G, J, K, L, M, O, P, Q, R 15 83% 4 11%

14 A, B, C, D, F, G, H, I, K, L, M, N, P, Q, R 15 83%

15 A, B, C, D, E, F, H, I, J, K, L, N, P, Q, R 15 83%

16 A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, L, M, O, P, R 15 83%

2 A, B, C, D, E, G, H, J, M, N, O, P, Q, R 14 78% 9 24%

4 A, B, C, D, E, F, G, H, J, L, M, N, P, Q 14 78%

5 A, B, C, D, E, F, H, I, M, N, O, P, Q, R 14 78%

17 A, B, C, D, E, F, G, H, I, K, M, N, O, P 14 78%

21 A, B, C, D, E, F, H, K, L, M, N, P, Q, R 14 78%

25 A, B, C, D, F, G, H, I, K, L, M, O, P, Q, 14 78%

26 A, B, C, D, E, F, G, J, K, L, M, O, P, R 14 78%

28 A, B, C, D, E, F, G, H, I, K, M, O, P, Q 14 78%

35 A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, M, P, Q 14 78%

3 A, C, D, E, F, G, J, L, M, N, P, Q, R 13 72% 8 21%

7 A, B, C, D, F, G, I, J, K, L, N, P, R 13 72%

12 A, B, C, D, E, F, G, H, K, L, M, P, Q 13 72%

19 A, B, C, E, F, H, I, J, K, L, N, Q, R 13 72%

22 A, B, C, D, E, F, G, J, L, M, O, P, R 13 72%

23 A, B, C, E, F, I, K, L, M, N, P, Q, R 13 72%

24 A, B, C, D, F, G, H, K, M, N, O, P, R 13 72%

37 A, B, C, D, E, F, G, H, K, L, M, O, Q 13 72%

18 A, B, C, D, E, F, H, I, K, M, P, R 12 67% 4 11%

29 A, D, E, F, G, H, I, J, M, N, P, R 12 67%

34 A,C, D, F, G, H, I, L, M, P, Q, R 12 67%

33 A, E, F, G, H, I, K, L, N, P, Q, R 12 67%

11 A, B, C, D, J, K, L, M, N, P, Q 11 61% 3 8%

31 A, C, D, E, F, G, H, I, K, L, Q 11 61%

36 A, B, D, E, F, G, H, I, L, M, Q 11 61%

38 A, B, C, F, G, I, J, K, M, O 10 56% 2 5%

27 A,C, D, E, F, G, L, N, O, P 10 56%

30 A, C, D, E, F, I, J, L, M 9 50% 1 3%

TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

38 18 38 100%

Fonte: Proposto pelos autores.

Com relação à tabela acima, podemos extrair algumas informações interessantes a respeito dos procedimentos utilizados e abrangências dos trabalhos existentes atualmente na literatura a respeito das características dos empreendedores, há de se observarem os seguintes pontos:

• Dentre os trinta e oito empreendedores estudados, apenas um apresentou um mínimo de 50 % das características determinadas.

• Destaques também para os casos 1 e 13, que demonstraram o maior índice de características, obtendo dezessete (94%) das 18 possíveis.

• Outro fator relevante são as quantidades dos casos estudados que apresentaram um mesmo número de características, representados pelos grupos: azul ( casos: 2, 4, 5, 17, 21, 25, 26, 28, 35) com quatorze (78%) e amarelo (casos: 3, 7, 12, 19, 22, 23, 24 e 37) com treze (72%) das características estabelecidas.

• Os grupos rosa e lilás apresentaram semelhanças no que se refere à quantidade de casos (quatro em cada um), porém não possuem a mesmo número de características, o primeiro tem quinze características (83%) enquanto que o segundo doze (67%).

O quadro 3 a seguir, foi concebido com o propósito de evidenciar alguma(s) característica(s) que eventualmente possam ser apresentadas em alguns ou em todos os estudos de casos pesquisados neste trabalho.

Quadro 3. Casos Estudados.

Fonte: Proposto pelos autores.

Observe alguns pontos de destaque abaixo:

• Observe que a característica O (planejar) está presente em dezenove estudos de casos, representando 50% do total pesquisado.

• As características H (Dedicados), K (constroem o próprio destino) e Q (assumem riscos calculados) possuem algo em comum, estão com a mesma participação em 71% dos casos.

• Acima de 90% das participações nos estudos de casos, estão as características F ( Máxima exploração de oportunidades) e C (habilidade para administrar).

• Os I (otimistas) e também os J (independentes) são responsáveis por 58% de participação.

• O fator D (visionários) obteve importante representação na pesquisa, visualizado em 89% dos estudos de caso.

• No outro extremo com 100% de participação nos estudos de casos pesquisados, a característica A (Inovação) é destaque absoluto.

Estas informações podem ser melhor interpretadas no gráfico abaixo:

Gráfico 1. Percentual de cada característica apresentada nos estudos de caso.

Fonte: Proposto pelos autores.

O gráfico mostra a percentagem de empreendedores dos casos estudados e a quantidade de características que cada um possue em relação às dezoito encontradas.

Gráfico 1.2. Gráfico da Percentagem de Cada Caso em Relação às Características Encontrada.

Fonte: Proposto pelos autores.

As principais características serão aquelas que apresentarem o percentual acima de 80% de participação nos casos estudados.

4.2. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE QUALITATIVA DOS CASOS ESTUDADOS QUANTO AS CARACTERÍSTICAS

Esta análise apresenta as principais características da revisão bibliográfica estruturada no capitulo 5. Além disso, tem como principal objetivo servir de auxílio para um maior entendimento da literatura existente hoje, sobre características dos empreendedores e sugestões de novas pesquisas na área. Os pontos mais significantes que enfatizamos são:

• Alguns autores (HISRICH E PETERS (2004); DRUCKER (1986); CHIAVENATO (2005); DEGEN (1989); ARAÚJO (2000); SHUMPETER (1949) identificam que o senso de inovar está presente em todos os empreendedores, estudados neste trabalho, pois estabelece novas soluções e conceitos em uma capacidade antes não enxergada. Para sermos mais preciso o Barão de Mauá no ano de 1852 fundou quatro das seis grandes empresas no Brasil, (MARCOVITCH, 2005. p. 30). Deste mesmo modo, Beth Pimenta presidente da Água de Cheiro inovou ao abrir sua loja levando para um mercado classe A, perfumes em embalagens que eram vendidos num mercado sem muito prestígio (DOLABELA, 2000. p. 38).

• Muitos autores focam que o empreendedor deve ter poder de persuasão e influenciar as pessoas a executar tarefas levando em consideração que cada um tem sua vida pessoal e suas aspirações. Esta também é uma forte característica do empreendedor. O líder empreendedor tem o papel de estimular os colaboradores e mantê-los motivado, assim como, participar junto das atividades e instruí-los quanto ao poder de decisão e realização de metas, resultados e objetivos.“Não era apenas grande empresário, como também líder de sua classe” (Dono da Companhia Docas de Santos, Guilherme Guinle) (MARCOVITCH, 2005. p. 177).

• Enquanto que para outros ser bem relacionado neste ramo é chave fundamental para se destacar, alguns empreendedores, faziam questão de ser bem relacionados com a mídia, autoridades e outros, porém alguns deixavam bem claro que isso não era importante, segue abaixo alguns trechos de relatos. Certa vez José Ermínio de Moraes, recusou-se a doar certa quantia em dinheiro para Assis Chateaubriand dono na época do Diários Associados, isso lhe causou grande desavenças no mercado, pois o infame aparecia em entrevista na televisão e caluniava Ermínio de Moraes com grande dividas no mercado ou que iria aumentar o preço do aço. Com duas entrevistas que José Ermínio de Moraes deu a um jornal de grande circulação deixando claro que estava sendo vitima de chantagem, consegui muitos aliados um deles foi dois dos advogados mais importantes, Sobral Pinto e Adauto Cardoso, fora a Fiesp, estudantes e políticos efluentes. Assis Chateaubriand não chegou a ser condenado mais respondeu a processos (MARCOVITCH, 2005. p. 253-254). Outro exemplo claro disto foi à reputação que o empresário Guilherme Guinle tinha ele se destacava por participar de conselhos federações e possíveis atividades que relacionavam com empresários e o governo (MARCOVITCH, 2005. p. 177).

• A capacidade de assumir riscos calculados, esta presente em várias bibliografias, sabendo enfrentar os desafios, ter segurança e defender o seu patrimônio com ousadia, coragem e controle HISRICH E PETERS (2004); CARVALHO (1996); CHIAVENATO (2005); ARAÚJO (2000); MCCLLAND (1961); DORNELAS (2001). Arriscar é enfrentar desafios conscientemente porque disso depende o seu sucesso. Seja capaz de conviver e sobreviver a essa instabilidade. Os riscos fazem parte de qualquer atividade. Para o presidente do Conselho de Administração da Biobrás S/A, Guilherme Emrich, cita que o empreendedor é um indivíduo estimulado a correr riscos calculados porque pode superá-los (DOLABELA, 2000. p. 73)

• Para HISRICH E PETERS (2004); ARAÚJO (2000) os empreendedores possuem um bom conhecimento e procuram aprender tudo sobre o seu negócio com a ajuda de seus clientes, colaboradores, parceiros, fornecedores, concorrentes, dentre outros. Como exemplo temos o caso de José Ermírio de Moraes que ajudou na construção de rodovias modernas, contratava especialistas, e escrevia artigos e os publicavam sobre o assunto, isto foi de grande importância. (MARCOVITCH, 2005. p. 248).

• O empreendedor tem capacidade de estar permanentemente atento a tudo que conhece à sua volta, ter sensibilidade para fazer coisas novas e identificar as necessidades do seu cliente. Saber explorar ao máximo estas oportunidades, e assim construir o próprio destino. “Ao se interessar pelos supermercados no final da década de 1950(...) Supermercado ainda era uma novidade para o grande publico brasileiro (...)Tudo pronto inaugurou a casa, com coquetel e bênção do padre Paulo Rolim Loureiro, no dia 14 de Abril de 1959. (...)Em 1965, Valentim comprou a rede Sirva-se, com suas três lojas muito bem aparelhadas. (...)saltou de seis para nove”... (Fundador da rede Pão de Açúcar, Valentim dos Santos Diniz) (MARCOVITCH, 2005. p. 133).

• Hisrich e Peters (2004) e Carvalho (1996) entendem que os empreendedores são formadores de lideres e contribuem para o sucesso dos mesmos “...Pagava excelentes salários, explicando que sem seus empregados nada poderia fazer. Chegava a autorizá-los a montar negócios próprios. E não só os autorizava como se interessava por eles, arranjava crédito e recomendava clientes”. (Irineu Evangelista de Souza,Barão De Mauá) (MARCOVITCH, 2005. p. 38).

• A exploração de oportunidades é compartilhado por vários autores DRUCKER (1986); CARVALHO (1996); ARAÚJO (2000); SHUMPETER (1949); DORNELAS (2001) como sendo relevante para o desenvolvimento de qualquer negócio, a exemplo do Forno de Minas surgiu quando o Plano Collor, em 1990, tomou o dinheiro de todo mundo. (...) Então começamos a buscar uma alternativa (...) o pão de queijo vendia muito bem. A lanchonete era só minha, porem minha mãe me ajudava, fazendo o pão de queijo” (Presidente da Forno de MInas, Helder Couto Mendonça) (DOLABELA, 2000. p. 91).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Pode-se observar ao longo do trabalho que segundo a visão de vários autores as características, comportamentos e habilidades do empreendedor são vastas e importantes para a sobrevivência de qualquer profissional. Desta forma, este trabalho teve por objetivo realizar uma ampla revisão bibliografica sobre empreendedorismo, porém delimita-se a análise das principais características dos empreendedores de sucesso no Brasil, contribuindo para ampliar o conhecimento dentro do tema, bem como a sugestão de novas pesquisas.

A presente revisão bibliográfica permitiu fazer algumas constatações importantes para este trabalho. A partir das análises qualitativa e quantitativa aplicadas aos estudos, nota-se que todos os empreendedores possuem características empreendedoras, no entanto algumas tornam-se mais evidentes como: inovação, máxima exploração das oportunidades, habilidades administrativas, visionárias, networking, conhecimento do negócio e liderança.

Portanto, acredita-se que uma contribuição importante deste trabalho é a base de dados que pode ser utilizada em pesquisas futuras. A primeira possibilidade seria abordar todas as características, comportamentos e o perfil dos empreendedores, e não somente as principais características. Isto daria uma visão geral de todo o conjunto e poderia trazer contribuições importantes, principalmente na dimensão “uso”, que até o momento foi pouco explorada.

As características dos empreendedores ainda carece de um estudo mais aprofundado sobre as reais possibilidades em ter indicadores da performance. Apresenta-se ainda uma seara bastante árida na quais poucos autores se av