Trabalho Completo Estrutura Do Sistema De Ensino

Estrutura Do Sistema De Ensino

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Psicologia

Enviado por: Lorena 01 dezembro 2011

Palavras: 2732 | Páginas: 11

...

mo, permite a classificação do aluno por séries, que pode ser feita por: promoção, por transferência, por avaliação feita pela escola em vista de definir o grau de desenvolvimento do educando, além de outras possibilidades.

Em relação à verificação do rendimento escolar, a LDB, assegura: avaliação contínua e cumulativa do desempenho do aluno, possibilidade de aceleração de estudos para alunos com atraso escolar, possibilidade de avanço nos cursos mediante verificação do aprendizado e aproveitamento de estudos realizados com êxito. Ela institui a obrigação da recuperação de estudos, preferentemente a recuperação paralela. Cabe ao regimento escolar definir algumas questões de ordem prática, tais como registros de freqüência dos alunos, número de alunos em relação aos professores, etc.

Um item que chama a atenção é o do currículo. A LDB estabelece, em seu Art. 26, que o Ensino Fundamental e Médio deve ter uma base nacional comum e uma parte do currículo pode ser diversificado, em vista de respeitar as diferenças regionais e locais. No núcleo obrigatório estão incluídos o de matemática e da língua portuguesa, bem como o conhecimento do mundo físico e da realidade social e política, principalmente do Brasil. Merece destaque que o ensino da Arte é componente curricular obrigatório. O Ensino de História do Brasil deve levar em conta as diferentes culturas e, a partir, da quinta série, o aluno deve tem direito ao estudo de uma língua estrangeira moderna, na parte diversificada do currículo.

O Art. 27 determina que nos componentes curriculares nacionais devem ser observados as diretrizes: difusão de valores fundamentais e o interesse social, consideração das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento, orientação para o trabalho e promoção do desporto educacional. Para as escolas rurais, os sistemas de ensino devem promover adaptações que tornem possível a permanência dos alunos na escola e sua aprendizagem.

O atual Sistema Brasileiro de Educação tem mostrado que, existe uma grande lacuna entre as suas proposta filosófica e metodológica e a sua realidade em sala de aula, assim como os seus fins e a sua realidade concreta.

Qualquer sistema educacional só é um sistema se tiver uma entrada facilitada, uma continuidade garantida e na sua saída uma coesão com os seus princípios. Sendo que, um sistema educacional de um país que, busca um bem estar social, para o seu povo tem como ponto principal à formação do cidadão completo, humanista e transformador.

Um cidadão só é completo quando é conhecedor dos seus deveres com o Estado Executivo (leis) e o Estado Social (sociedade como um todo) e seus direitos como partem de uma nação que, tem obrigação com ele e com a sua família.

Esse cidadão completo também tem o direito de escolha de sua formação profissional, intelectual e humanista. É dever dele contribuir com o fortalecimento do Estado como nação livre e soberana.

Essa formação completa começa em casa na Educação Familiar, desenvolvidos com afeto e garantias de conforto e segurança, proporcionados e garantidos pelo Estado. Ela continua a desenvolver nos primeiros contados com o mundo exterior: a comunidade, clube e os locais frequentados pelas famílias dessa criança, na qual é desenvolvida a Educação Social. Os meios de comunicação, na qual, essa criança futura educada, tem contado, os programas de televisão, os livros e os que ela houve nas rádios, trazem o contato com o mundo além da sua cidade a Educação Global. A Constituição Federal de qualquer país desde do Irã até o Japão, passando pelo E.U.A, Brasil, Cuba e Haiti, garante nos seus artigos que: todo cidadão tem direito à educação, saneamento básico e saúde. Caberia um complemento nesse artigo: "Direito de informação qualificada dos meios de comunicação". Quando a criança educanda entra propriamente dito no sistema educacional ela tem o contato com a Educação Intelectual ou a Educação Formal, Sistemática e Normativa. Nesse momento a criança educanda começa a fazer parte do sistema de deveres e direitos: direito de educação de qualidade e o dever de buscar uma educação para si e para o Estado, que teve ser o grande investidor e incentivador dessa educação de qualidade. Art. 8º. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios organizarão, em regime de colaboração, os respectivos sistemas de ensino.

Acompanhando a implantação da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), o Ministério da Educação (MEC), com o objetivo de assessorar as escolas, elaborou referenciais para um ensino de qualidade da educação básica: os "Parâmetros Curriculares Nacionais".

Os Parâmetros não têm caráter obrigatório e servem de orientação às escolas públicas e particulares. Mediante a sua criação, proporcionou as escolas liberdade, na formulação do currículo, traduz, ao lado da conquista de uma mais ampla autonomia, uma responsabilidade maior do desempenho do professor.

Os Parâmetros, assessorado a competência profissional, estão contribuindo para a elaboração de currículos de melhor nível, mais ajustados à realidade do ensino. Eles dão sugestões de currículos, abordam conteúdos atualizados e diversificados, métodos de ensino renovados. A finalidade é melhorar a qualidade do ensino, trabalhar a educação plena e promover práticas pedagógicas que venham garantir a permanência dos alunos na escola, reduzindo as taxas de evasão e repetência.

Esses parâmetros indicam as capacidades a serem desenvolvidas pelos educandos, de ordem física, cognitiva, ética, estética, afetiva, de relação interpessoal, de inserção social e fornecem os campos de ação. Nesses campos são especificados o conhecimento de si e do outro, a língua oral e escrita, a matemática, as artes visuais, a música e o conhecimento do mundo, ressaltando a construção da cidadania. Abordam também questões como relação entre cuidar e educar, conteúdos necessários a cada nível de ensino, bem como a cada faixa etária. Antes da criação desses parâmetros, as escolas trabalhavam cada uma, as necessidades da sua clientela, porém sem um norteador para prática pedagógica, para o processo ensino aprendizagem.

Tínhamos um ensino descontextualizado, compartimentalizado e baseado no acúmulo de informações. Ao contrário disso, buscamos dar significado ao conhecimento escolar, mediante a contextualização; evitar a compartimentalização, mediante a interdisciplinaridade; e incentivar o raciocínio e a capacidade de aprender.

Estes parâmetros cumprem o duplo papel de difundir os princípios da reforma curricular e orientar o professor, na busca de novas abordagens e metodologias. Ao distribuí-los, temos a certeza de contar com a capacidade de nossos docentes e com o seu empenho no aperfeiçoamento da prática educativa. Por isso, entendemos sua construção como um processo contínuo: não só desejamos que influenciem positivamente a prática do professor, como esperamos poder, com base nessa prática e no processo de aprendizagem dos alunos, revê-los e aperfeiçoá-los.

 

A Educação e os Sistemas de Ensino no Brasil

Talvez pelo fato do Brasil ter sido um dos últimos países da América do Sul a criar universidade é que fez com que nosso sistema de ensino superior esteja em uma situação não favorável em relação aos demais países do Mercosul.

Características do ensino

Desde o inicio da implementação do Mercosul, o Brasil busca "pular etapas" e, sair de uma situação problemática em termos de educação de seu povo.

Nos últimos 2 anos, de acordo com estatísticas do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o número de alunos do 1º e 2º grau cresceu substancialmente.

Para se análisar esse fato deve se considerar a necessidade que as pessoas tem em estudar. aprender, para poder "sobreviver" no mundo atual, extremamente competitivo, que não mais oferece condições de sobrevivência a quem não possuir instrução. Ainda há muito a se fazer em termos de educação.

Suas incumbências

A União incumbir-se-á de:

1.elaborar o Plano Nacional de Educação, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios;

2.organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais do sistema federal de ensino e o dos Territórios;

3.prestar assistência técnica e financeira aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios para o desenvolvimento de seus sistemas de ensino e o atendimento prioritário à escolaridade obrigatória, exercendo sua função redistributiva e supletiva;

4.estabelecer, em colaboração com os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, competências e diretrizes para a educação infantil, o ensino fundamental e o ensino médio, que nortearão os currículos e seus conteúdos mínimos, de modo a assegurar formação básica comum;

5.coletar, analisar e disseminar informações sobre a educação;

6.assegurar processo nacional de avaliação do rendimento escolar no ensino fundamental, médio e superior, em colaboração com os sistemas de ensino, objetivando a definição de prioridades e a melhoria da qualidade do ensino;

7.baixar normas gerais sobre cursos de graduação e pós-graduação;

8.assegurar processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, com a cooperação dos sistemas que tiverem responsabilidade sobre este nível de ensino;

9.autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar, e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino.

Os Estados incumbir-se-ão de:

1.organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino;

2.definir, com os Municípios, formas de colaboração na oferta do ensino fundamental, as quais devem assegurar a distribuição proporcional das responsabilidades, de acordo com a população a ser atendida e os recursos financeiros disponíveis em cada uma dessas esferas do Poder Público;

3.elaborar e executar políticas e planos educacionais, em consonância com as diretrizes e planos nacionais de educação, integrando e coordenando as suas ações e as dos seus Municípios;

4.autorizar, reconhecer, credenciar, supervisionar e avaliar, respectivamente, os cursos das instituições de educação superior e os estabelecimentos do seu sistema de ensino;

5.baixar normas complementares para o seu sistema de ensino; 6.assegurar o ensino fundamental e oferecer, com prioridade, o ensino médio.

Os Municípios incumbir-se-ão de:

1.organizar, manter e desenvolver os órgãos e instituições oficiais dos seus sistemas de ensino, integrando-os às políticas e planos educacionais da União e dos Estados;

2.exercer ação redistributiva em relação às suas escolas;

3.baixar normas complementares para o seu sistema de ensino;

4.autorizar, credenciar e supervisionar os estabelecimentos do seu sistema de ensino;

5.oferecer a educação infantil em creches e pré-escolas, e, com prioridade, o ensino fundamental, permitida a atuação em outros níveis de ensino somente quando estiverem atendidas plenamente as necessidades de sua área de competência e com recursos acima dos percentuais mínimos vinculados pela Constituição Federal a manutenção e desenvolvimento do ensino.

Os estabelecimentos de ensino, respeitadas as normas comuns e as do seu sistema de ensino, terão a incumbência de:

1.elaborar e executar sua proposta pedagógica;

2.administrar seu pessoal e seus recursos materiais e financeiros;

3.assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula estabelecidas;

4.velar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente;

5.prover meios para a recuperação dos alunos de menor rendimento;

6.articular-se com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola;

7.informar os pais e responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução de sua proposta pedagógica.

Os docentes incumbir-se-ão de:

1.participar da elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;

2.elaborar e cumprir plano de trabalho, segundo a proposta pedagógica do estabelecimento de ensino;

3.zelar pela aprendizagem dos alunos;

4.estabelecer estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento;

5.ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos, além de participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, a avaliação e ao desenvolvimento profissional;

6.colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A educação prepara para a vida e para a cidadania; é através da educação que as pessoas aprendem a ler, escrever e contar aprendem as bases científicas de como interpretar a natureza, interpretar a geografia, a história, as ciências sociais e as artes, desenvolvendo condições mínimas necessárias para viver em sociedade e adquirir cidadania.

O grande agente da educação é a família, o segundo é a escola, e o terceiro é a sociedade; na família, a criança aprende a dar os primeiros passos, falar e relacionar-se com o mundo. A escola ensina as crianças à alfabetização, os números, o raciocínio, desenvolver o hábito de aprender a aprender. Já a sociedade modifica alguns conceitos adquiridos na família e na escola e é considerado um tipo de educação não-formal, onde podemos contar com empresas e Ongs para disseminar conhecimentos necessários em assuntos como preservação do meio ambiente, sustentabilidade, cidadania e outros temas necessários para o Aprender a Conviver.

De acordo com a lei que rege a educação no Brasil a LDB (Lei de Diretrizes e Base da Educação – Lei 9.394/96), aprovada em 20/12/1996, no seu artigo 1º "a educação abrange os processos formativos que desenvolvem na vida familiar, na convivência humana, no trabalho, nas instituições de ensino e pesquisa, nos momentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais".

Percebemos que a educação não está restrita ao mundo da escola, podemos afirmar que a escola deve ser o mundo todo, todas as experiências vividas ao longo da história de cada um e de cada grupo social, e a sociedade também não pode fugir de seu papel educador. A educação sozinha não consegue garantir a construção de uma sociedade democrática, solidária e justa, mas com a união de todos os setores da sociedade e cada qual reconhecendo seu papel podemos deixar um planeta conservado para as futuras gerações, além de conscientizar nossas crianças que eles são os herdeiros dessa terra e desde cedo precisam aprender sobre sustentabilidade e preservação do nosso tesouro maior: a natureza.

"Se educação é transformação de uma realidade, de acordo com uma idéia melhor que possuímos e se educação somente pode ser de caráter social, resultará que pedagogia é ciência de transformar a sociedade".