Trabalho Completo Por Que Estudar Filosofia

Por Que Estudar Filosofia

Imprimir Trabalho!
Cadastre-se - Buscar 155 000+ Trabalhos e Monografias

Categoria: Filosofia

Enviado por: ccssaraiva 11 agosto 2013

Palavras: 422 | Páginas: 2

Por: SHEILA DOS SANTOS

Por que estudar Filosofia?

Para entendermos melhor “Por que estudar Filosofia” é preciso antes de tudo saber o que é Filosofia ao meu ver. Afinal, já não é possível viver com aquelas definições criadas por outros e utilizadas por todos. É necessário que compreendamos o que ela significa em nosso íntimo.

Filosofia consiste, em estilo poético e metafórico, em um homem, philo, que procura sua amada. Que nada mais é do que uma mulher bela, plena de vida e que jamais envelhece chamada Sophia . Esse homem está em uma busca incessante que perdura desde muito tempo atrás. A essa busca denomino “estudar’.

Devemos estudar Filosofia porque só ela é capaz de nos conceder nosso desejo. Se o ser humano deseja ter amor tanto mais deseja a sabedoria... Estudar Filosofia porque tudo no mundo tem seu início e fim, mas o saber resiste ao castigo que é o tempo... Estudar Filosofia, pois não há bem maior que o conhecimento da verdade e nada é tão intacto como semelhante coisa... Estudar Filosofia, pois, se há no universo algo mais prazeroso do que ir a procura de Sophia , com certeza é viver ao lado dela.

Devo estudar Filosofia porque não saberia mais voltar a habitar em um mundo que já não reconheço, em um lugar onde as pessoas passam por mim apressadas sem entenderem o motivo de tanta pressa... Porque percebo o alimento que a Razão oferece e preciso saciar-me dele. Mas, estudo Filosofia por ser apenas mais uma que encontrou na sabedoria a força para encarar a vida quando existem somente respostas sem perguntas.

Portanto, embora pareça romantismo exagerado, estudar Filosofia não é algo que possuí um “por que” baseado em empirismo, porém, sim no pulsar de um coração ansioso por obter Razão.

“A filosofia não é garantia de nossa conduta correta ou do perfeito ajustamento de nossas emoções às nossas crenças filosóficas. Nem mesmo do ponto de vista cognitivo é ela capaz de nos dizer o que devemos fazer. Para isso, precisamos, além de princípios filosóficos, não só do conhecimento empírico dos fatos relevantes e da capacidade de prever as prováveis conseqüências, mas também de um insight da situação particular, de maneira a podermos aplicar adequadamente nossos princípios. Obviamente, não é minha intenção afirmar que a filosofia não contribui para vivermos uma vida exemplar, mas apenas que não pode por si só levar-nos a viver de modo exemplar nem decidir o que seja esse tipo de vida. Insisto, entretanto, em que ela pode, a esse respeito, pelo menos proporcionar valiosas sugestões”. A. C. Ewing.