TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

140329690221

Por:   •  15/3/2014  •  375 Palavras (2 Páginas)  •  80 Visualizações

Página 1 de 2

Atividade Avaliativa - Tentativa 1

Question 1

Notas: 1

Sobre a obra Casa-grande e senzala, de Gilberto Freyre, é correto dizer que:

Escolher uma resposta.

a. abordou a cultura brasileira apenas em seu aspecto religioso.

b. rompeu com o mito da democracia racial.

c. afirmava que a mestiçagem era a causa do atraso brasileiro.

d. não teve impacto nem no campo teórico nem no campo político.

e. refutou o determinismo biológico e as teorias que apregoavam a inferioridade dos mestiços.

Question 2

Notas: 1

Tendo em vista as leituras feitas para essa aula, analise a charge abaixo, publicada no jornal Folha de São Paulo, em 20 de novembro de 2006.

Imagem

A charge é uma representação:

Escolher uma resposta.

a. da inexistência de desigualdades no Brasil.

b. da democracia racial brasileira.

c. do mito da democracia racial.

d. de que o Brasil é uma sociedade inclusiva.

e. de que questão étnica não está relacionada a desigualdades sociais.

Question 3

Notas: 1

O futebol tem sido exaltado ao longo do tempo como o reino da democracia racial no Brasil e espaço de afirmação de afrodescendentes, como Domingos da Guia, Leônidas da Silva e Djalma Santos. Todavia, em profundo contraste com o êxito obtido nos gramados, no momento em que esses atletas se lançaram na carreira de treinadores, colheram apenas insucessos.

Em meados dos anos 1940, Domingos da Guia ainda se mostrava capaz de atuações magistrais. A "Gazeta Esportiva" o considerara "soberbo" no prélio entre Brasil e Argentina, disputado no Pacaembu, e aproveitou para persuadir o Corinthians, clube onde atuava o zagueiro, a renovar seu contrato.

Após pendurar as chuteiras, com efeito, Da Guia foi tentar a sorte como treinador. Mas em 1954, o mesmo órgão de imprensa lamentava sua inaptidão, incluindo-o no rol daqueles “que nada – mas nada mesmo – realizaram como técnicos”.

(FLORENZANO, José Paulo . “Treinador é coisa de branco”. Folha de São Paulo, 30 de maio de 2010)

...

Baixar como (para membros premium)  txt (2.4 Kb)  
Continuar por mais 1 página »