TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Judaismo

Tese: Judaismo. Pesquise 785.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  20/9/2013  •  Tese  •  1.363 Palavras (6 Páginas)  •  237 Visualizações

Página 1 de 6

Introdução

Este trabalho foi realizado a pedido da professora de Educação Moral e Religiosa Católica, Maria do Céu Rodrigues, com a finalidade de elaborar um pequeno trabalho sobre as religiões não-cristãs, a que nós escolhemos foi o Judaísmo, que é a mais conhecida.

O trabalho será composto pela seguinte ordem: primeiro irei falar sobre a religião escolhida, depois sobre os rituais e os símbolos Judaicos e por fim iremos mostrar algumas curiosidades, imagens legendadas relacionadas cm o tema do trabalho, os Judeus.

Espero que goste.

Judaísmo

Judaísmo é o nome dado à religião e cultura do povo judeu, e que também serviram de base para outras grandes religiões como cristianismo e o islamismo.

Embora o termo judaísmo refira-se à religião predominantemente na Judeia ou seja à cultura dos povos hebreus, na actualidade o judaísmo não procura mais se identificar como sendo uma religião, em vez disso, os judeus têm encarado o judaísmo como uma cultura independente da história do mundo, com uma língua (hebraica) autêntica de modo a preservar seus princípios morais e étnicos direccionados focalizados nos ancestrais bíblicos, assim como a sua liturgia, a filosofia e outras práticas religiosas que juntas fazem parte de uma unificação doutrinária que organiza os diversos povos que hoje formam do povo escolhido para governar a terra prometida.

O tema principal do Tanakh (o Antigo Testamento cristão) é um relato da relação dos israelitas (também conhecidos como hebreus) com Deus, segundo os reflexos dessa relação na sua história desde o princípio dos tempos e a construção do segundo templo (cerca de 350 a.C.).

Para os judeus, a Torá (o Pentateuco) foi transmitida a Moisés, directamente de Deus e ensinada ao povo. Seu conteúdo foi compilado na íntegra, para que assim ele jamais fosse esquecido e permanecesse imutável, mesmo com o desaparecimento dos sábios que a transmitiram, de geração a geração.

Se bem que o judaísmo tenha sempre reconhecido um certo número de outros princípios de fé judaicos, nunca desenvolveu um catecismo obrigatório. Surgiram variadas formulações das crenças judaicas, a maioria das quais com muito em comum entre si, mas divergentes em vários aspectos. Nos últimos dois séculos, a comunidade judaica dividiu-se em vários movimentos judaicos. Cada um desses movimentos tem uma abordagem diferente no estilo de vida, cada movimento cumpre mais ou menos leis. A maior parte das formas de judaísmo ortodoxo geralmente cumprem muitos preceitos, ao passo que as formas não-ortodoxas de judaísmo geralmente defendem que os princípios foram evoluindo com o tempo e adapta o judaísmo aos costumes locais. Estes tópicos são discutidos com maior profundidade no artigo sobre os princípios de fé judaicos.

A Torá ou Pentateuco, de acordo com os judeus, é considerado o livro sagrado que foi revelado diretamente por Deus. Fazem parte da Torá : Gênesis, o Êxodo, o Levítico, os Números e o Deuteronômio. O Talmude é o livro que reúne muitas tradições orais e é dividido em quatro livros: Mishnah, Targumin, Midrashim e Comentários.

Os cultos judaicos são realizados num templo chamado de sinagoga e são comandados por um sacerdote conhecido por rabino. O símbolo sagrado do judaísmo é o memorá, candelabro com sete braços.

Entre os rituais, podemos citar a circuncisão dos meninos (aos 8 anos de idade) e o Bar Mitzvah que representa a iniciação na vida adulta para os meninos e a Bat Mitzvah para as meninas (aos 12 anos de idade).

Os homens judeus usam a kippa, pequena touca, que representa o respeito a Deus no momento das orações.

Nas sinagogas, existe uma arca, que representa a ligação entre Deus e o Povo Judeu. Nesta arca são guardados os pergaminhos sagrados da Torá.

A lei judaica considera judeu e todo aquele que nasceu de mãe judia ou se converteu de acordo com essa mesma lei. (Recentemente, os seguidores da Reforma Americana e do Reconstrucionismo têm incluído também as crianças nascidas de pai judeu e mãe gentia, desde que educadas de acordo com a religião judaica).

Um judeu que deixe de praticar o judaísmo e se transforme num judeu não-praticante continua a ser considerado judeu. Um judeu que não aceite os princípios de fé judaicos e se torne agnóstico ou ateu também continua a ser considerado judeu. No entanto, se um judeu se converte a outra religião, como o budismo ou o cristianismo, perde o lugar como membro da comunidade judaica e transforma-se num apóstata. Segundo a tradição, a sua família e amigos tomam luto por ele, pois para um judeu abandonar a religião é como se morresse. No entanto, embora a pessoa esteja fora da comunidade judaica e tenha ideias não-judaicas, essa pessoa ainda é judaica de acordo com a maior parte das autoridades em lei judaica.

Curiosidades

Excomunhão:

O Chérem é a mais alta censura eclesiástica na comunidade judaica. É a exclusão total da pessoa da comunidade judaica. Excepto em casos raros que tiveram lugar entre os judeus ultra-ortodoxos, o cherem deixou de se praticar depois do iluminismo, quando as comunidades judaicas locais perderam a autonomia de que dispunham anteriormente e os judeus foram integrados nas nações gentias em que viviam. Uma discussão mais aprofundada deste assunto pode ser encontrada no artigo sobre o chérem.

Calendário Judaico:

O calendário judaico é contado desde 3761 a.C.. O Ano Novo judaico, chamado Rosh Hashaná, acontece no primeiro ou no segundo dia do mês hebreu de Tishri, que pode cair em setembro ou outubro. Os anos comuns, com doze meses, podem ter 353, 354 e 355 dias, enquanto os bissextos, de treze meses, 383, 384 ou 385 dias.

Feriados:

A vida judaica está repleta de tradição religiosa, e é

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.7 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com