TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Segurança, Securitização: Natureza Segurança Internacional

Por:   •  1/4/2024  •  Resenha  •  50.254 Palavras (202 Páginas)  •  34 Visualizações

Página 1 de 202

MÓDULO 1 – SEGURANÇA, SECURITIZAÇÃO: NATUREZA SEGURANÇA INTERNACIONAL

1- BUZAN, Barry. Rethinking Security after the Cold War. Cooperation and Conflict. v. 32, n. 5, 1997.

Introdução

Desde o fim da guerra fria, a literatura teórica em estudos de segurança tornou-se notavelmente ativa. Um aspecto desse restabelecimento foi a fragmentação do debate em três escolas: tradicionalistas, que preservam o foco no militarismo; wideners, que ampliam a gama de questões na agenda de segurança; e o recém lançado Estudos Críticos em Segurança, cujos proponentes mantém uma atitude questionadora em relação a todo o quadro no qual o estudo de segurança é conceituado.

A erosão da agenda Tradicionalista e o Contra-ataque Tradicionalista:

No início da Guerra Fria, quando o conceito de segurança nacional entrou em cena, o problema de segurança para o Ocidente era de como responder a um desafio de amplo espectro (militar, social, ideológico e econômico) da União Soviética. A Guerra Fria se dava através da rivalidade entre dois sistemas mutuamente exclusivos de política econômica sobre o futuro da sociedade industrial. Mas, com a pressão causada pela corrida armamentista nuclear, marcada por rápidos e estrategicamente importantes avanços tecnológicos, a inicialmente ampla e vasta conceituação de segurança rapidamente limitou-se a um foco militar.

Na década de 1980, foi visível o afastamento das questões militares-políticas do centro das preocupações da área de segurança, por conta da crescente consciência de que a guerra estava acabando. O grupo central da comunidade de segurança emergente era a Europa ocidental, o Japão e a América do Norte. A efetividade da dissuasão nuclear entre ocidente e oriente tornou possível que a União Soviética pudesse também ser incluída na esfera dessa comunidade de segurança, principalmente após Gorbachev ter apoiado explicitamente a desmilitarização da Guerra Fria. Após a Guerra do Vietnã, houve também uma crescente tendência no ocidente em questionar se a guerra era de fato um método efetivo para atingir uma ampla gama de objetivos políticos e econômicos.

Além disso, houve o aumento da securitização de duas áreas antes consideradas low politics: economia internacional e meio ambiente. No caso ambiental, o processo de securitização teve início nos anos 1960, quando livros como Silent Spring (CARSEN) começaram a fazer com que as pessoas ficassem alertas para os impactos da humanidade na transformação do meio ambiente (mudanças climáticas, biodiversidade, poluição, etc.).

No caso da economia, o processo de securitização surgiu em parte por causa do relativo declínio econômico dos Estados Unidos, inevitável resultado de sua exagerada posição de dominância global em 1945 e pelo esgotamento do excessivo imperialismo que iniciou na Guerra do Vietnã, e também pelas reações a crescente liberalização da economia mundial. A dominância americana foi desafiada pela Europa e pelo Japão quando estes se recuperaram da Segunda Guerra Mundial, bem como por alguns novos países independentes. Em paralelo ao declínio americano, estava a crescente liberalização da economia global, primeiro no comércio, e, a partir de 1970, também em finanças. O que significava que economias nacionais se tornariam mais expostas à competição de outros produtores num mercado global e a poderosas corporações transnacionais e mercados financeiros.

A ideia de segurança econômica no sistema capitalista é cheia de contradições e complicações. Não menos importante, em um mercado, os atores devem se sentir inseguros, caso contrário, o mercado não é eficiente. Mesmo assim, a preocupação se concentrou em uma série de questões específicas: 1. A habilidade dos estados em manter sua capacidade de produção militar independente em um mercado global; 2. A possibilidade de exploração para fins políticos das dependências dentro do mercado global; 3. Receio de que o mercado global gerasse mais perdedores do que ganhadores e aumentasse as já existentes desigualdades entre os estados; 4. Receio de que a economia internacional entrasse em crise pela combinação de fracas políticas, reações protecionistas e instabilidade estrutural no mercado financeiro. Já durante a Guerra Fria, os estados capitalistas se preocupavam mais com a ameaça soviética militar e política do que com a rivalidade comercial entre eles próprios.

Como a União Soviética primeiro retirou seu desafio militar e ideológico, e consequentemente implodiu, a análise racional político-militar do sistema de segurança da Guerra Fria evaporou. Mas, ocorreu também a perda do interesse comum que manteve as economias capitalistas unidas apesar de sua rivalidade. O debate entre wideners e tradicionalistas cresceu a partir da insatisfação com o intenso estreitamento do campo imposto pelas obsessões militares e nucleares da Guerra Fria. Primeiramente, foi estimulado pelo surgimento das agendas econômica e ambiental nas relações internacionais durante as décadas de 1970 e 1980, e pelo crescimento das preocupações com questões identitárias e crime transnacional durante a década de 1990. Esse alargamento orientado da questão foi gatilho para a sua própria reação, criando um apelo para o foco das questões de segurança ao redor do uso da força. Um argumento chave era de que esse alargamento progressivo colocaria em risco a coerência intelectual da segurança.

A defesa do tradicionalismo teve início com o fim da Guerra Fria. Durante muito tempo, ainda era possível encontrar argumentações a favor da restrição do campo da segurança para questões nucleares e militares. Como o edifício inteiro de estudos estratégicos construído durante a Guerra Fria aparentava estar em risco, consequentemente, o foco em análise militar estratégica parecia extremamente vulnerável às pressões dos wideners. Tradicionalistas lutaram através da reafirmação de argumentos convencionais sobre a primazia da segurança militar. Em graus variados, eles aceitaram que deviam olhar mais amplamente para os conflitos em questões não-militares do sistema internacional, e houve uma pequena tentativa em defender a centralidade do estado em análise de segurança, em um período onde muitos atores não-estatais atuavam como atores ativos no jogo militar. Stephen Walt profere, provavelmente, o principal discurso tradicionalista. Ele argumenta que os estudos de segurança são sobre o fenômeno da guerra, e que pode ser definido como “o estudo da ameaça, uso e controle da força militar”. Para ele, a definição do campo entre as várias outras áreas defendidas pelos widening causaria uma destruição

...

Baixar como (para membros premium)  txt (331 Kb)   pdf (667.3 Kb)   docx (703.2 Kb)  
Continuar por mais 201 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com