TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resumo Do Livro Texto Da Disciplina GESTÃO DA QUALIDADE - UNIP - GESTÃO DE TI

Exames: Resumo Do Livro Texto Da Disciplina GESTÃO DA QUALIDADE - UNIP - GESTÃO DE TI. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  1/10/2012  •  9.064 Palavras (37 Páginas)  •  4.382 Visualizações

Página 1 de 37

GESTÃO DA QUALIDADE

UNIDADE 1

A Qualidade total não é uma forma inédita de se produzir qualidade em processos, serviços ou produtos, mas um modo novo de se fazer o que já se faz rotineiramente. Não é necessária uma revolução, basta dar nova ênfase àquelas atividades corriqueiras da empresa.

Dar nova ênfase significa mudar, e a extensão dessa mudança pode implicar alterações que afetem o processo produtivo e, por conseguinte, as informações, os equipamentos, os materiais, as relações profissionais (inclusive interpessoais) e os métodos até então conhecidos.

A qualidade total tenta retratar um processo evolutivo das atividades e dos elementos de uma organização por meio da adoção gradual de conceitos bem elaborados e bem transmitidos, da introdução de estratégias bem definidas e flexíveis e da criação e desenvolvimento de estruturas bem organizadas.

Resultados buscados durante a implementação da Qualidade Total: busca por melhores rendimentos de equipes, otimização dos processos, racionalização do tempo e a redução dos custos de produção.

A gestão estratégica da qualidade envolve todo o quadro organizacional da empresa e requer o comprometimento com suas filosofias, como: foco no cliente, compreensão das pessoas, consciência da busca pela melhoria e direcionamento com objetividade.

A qualidade total é dividida em 3 períodos: 1. era da inspeção; 2. era da estatística; 3. era da qualidade total.

Produção artesanal: o operador era o próprio artesão, o responsável por todas as etapas da produção, inclusive pela comercialização. Visão das necessidades do cliente, possibilitando atender a um desejo específico.

Sistema de manufatura: os artesãos necessitavam de mão de obra; os trabalhadores passaram a executar o trabalho operacional e, reunidos em um mesmo local, passaram a exercer o “ofício” de um capitalista, que organizava a produção, e os supervisores passaram a assumir o controle da qualidade.

Inspeção: os produtos eram o principal foco de produtores e clientes. A detecção de defeitos de produção não seguia uma metodologia preestabelecida.

Controle estatístico: foi adotado porque o foco estava direcionado nos processos de produção, não mais nos produtos fabricados e comercializados.

Período da qualidade total: ênfase no cliente; centro das atenções das empresas, que direcionam todos os esforços para atender a suas expectativas. Todas as pessoas da organização passam a ser responsáveis pela qualidade proporcionada ao cliente. A gestão da qualidade total é um sistema de inter-relacionamentos e interdependências que envolvem todo o corpo funcional da organização.

Garantia de qualidade: “todas as ações planejadas ou sistemáticas necessárias para proporcionar adequada confiança de que o produto ou serviço satisfaça as necessidades estabelecidas”

3 mestres ocidentais: Max Weber (ensinou os japoneses a dar valor ao dinheiro e aos bens materiais), David McClelland (a motivação pelo sucesso é que dirige os gerentes) e Joseph Schumpeter (a inovação produzida pelos pequenos empreendedores é que faz o desenvolvimento.)

Controle de Qualidade por Toda a Empresa (CWQC- Company Wide Quality Control, também conhecido no Brasil como CQAE – Controle de Qualidade Amplo Empresarial) – principais elementos: ênfase no treinamento e no ensino; aplicação de métodos estatísticos; participação de todos os trabalhadores, inclusive gerentes de níveis altos; aperfeiçoamento contínuo da qualidade (Kaizen); envolvimento de fornecedores no processo de Qualidade Total; utilização do sistema de produção just-in-time; incentivos por meio de prêmios; adoção de auditorias da qualidade constante.

Princípios da qualidade total: se destacam pela importância direta que têm nas relações comerciais das organizações com seus clientes: custos com a qualidade, a engenharia da confiabilidade e o zero defeito.

Os custos são decorrentes da falta de qualidade e podem ser classificados:

a) custos de prevenção: potenciais problemáticos são identificados nos processos ou produtos antes de serem fabricados;

b) custos de avaliação: ocorrem durante a checagem de erros durante e após a fabricação do produto;

c) custos de falhas internas: quando os defeitos e as falhas ocorrem ainda na fábrica;

d) custos de falhas externas: quando resultam de problemas após a entrega do produto ao consumidor.

Engenharia da confiabilidade – é fundamental na irregularidade e na inconstância das taxas de falhas e erros de ocorrência provável dentro do processo produtivo. Teoriza que sempre há um período de adaptação, cujas taxas de falhas são altíssimas por se tratar de uma fase de adequação; em seguida ocorre um período de operação normal, cujas taxas de falhas tornam-se mais regulares e relativamente baixas, e, por fim, advém uma fase de desgaste, que se caracteriza por um aumento das falhas que passam a ocorrer de forma constante, refletindo no produto final.

Teoria do zero defeito: está fundamentada no princípio de que todo ser humano possui capacidade para a execução de tarefas sem a incidência de falhas, desde que seja ofertada uma capacitação técnico-psicológica adequada.

Princípios para que a qualidade total seja implantada e desenvolvida com sucesso:

1. a satisfação total do cliente: é necessário que as decisões empresariais e os processos operacionais visem ás necessidades e às expectativas dos consumidores e procurem superá-las.

2. Uma gerência participativa: no Brasil não há uma cultura de se considerar a opinião dos funcionários nas decisões gerenciais. Essa atitude traz sérias consequências ao desempenho dos processos e dos produtos, pois quem executa a ação tem mais condições de identificar pontos falhos e até de propor soluções de forma mais eficaz.

3. O desenvolvimento das pessoas: as pessoas são a alma da empresa e delas depende o sucesso de uma organização. Deve haver preocupação constante com a capacitação e a reciclagem do corpo funcional, a fim de possibilitar seu desenvolvimento.

4. A constância de propósitos: uma das dificuldades para se introduzir os conceitos de qualidade em uma organização está na resistência de seus funcionários, que agem em conformidade

...

Baixar como (para membros premium)  txt (62.7 Kb)  
Continuar por mais 36 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com