TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Casos Concretos Ciências Políticas

Pesquisas Acadêmicas: Casos Concretos Ciências Políticas. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  11/12/2013  •  4.268 Palavras (18 Páginas)  •  512 Visualizações

Página 1 de 18

AULA 1

Caso concreto

Tema: Espaço social da palavra e complexidade do campo político

Leia, atentamente, o trecho do texto ?A experiência dos CIEPs, abaixo: Controvérsias em torno da legitimidade de uma ?Escola Nova? de Adelia Maria Miglievich Ribeiro e Paulo Sérgio Ribeiro da Silva Jr, e responda:

1) Qual o espaço social da palavra política ele se refere?

R: O espaço social que a palavra política se refere, é o espaço publico, pois a educação assim como o projeto inicial dos CIEPS atinge principalmente de um modo geral toda a sociedade e suas classes , que é de responsabilidade publica seus atos e consequências.

2) A qual tipo de discurso político ele se refere? Justifique as suas respostas.

R: entendo que todo discurso é uma construção social onde através dos argumentos e ideias apresentados, os indivíduos que participam de tal evento se envolvem e acabam construindo de certo modo seu meio, assim afetando todo o contexto social. O tipo de discurso é argumentativo ideológico onde busca atingir e abrir os olhos da sociedade voltando assim para a ideia original de buscar uma educação clara e de qualidade para a sociedade e seus indivíduos.

"Não é de pouca monta a complexidade do debate da educação integral mobilizado pela experiência recente dos Centros Integrados de Educação Pública (CIEPs) uma vez considerada que a relação entre educação e política não é apoiada em fáceis consensos.

Faz-se necessário redobrar a vigilância epistemológica ao tentarmos ponderar, por exemplo, a singularidade do período de implantação dos CIEPs e o fato incontornável de sua identidade institucional ser atribuída ao intelectual e político Darcy Ribeiro (1922-1997) e ao brizolismo. Isto nos exige, para além do exame do projeto político-pedagógico basilar dos CIEPs que buscou o ideário da escola para todos tendo, entre outros ícones, a ascendência de Anísio Teixeira, a atenção às reconfigurações no campo político, mais especificamente na política educacional no Estado do Rio de Janeiro. De um lado, tais reconfigurações levavam ao extremo as posturas quer de devoção quer de aversão à personalidade pública de Brizola numa conjuntura em que sua popularidade significava o fortalecimento de uma corrida eleitoral que tinha como meta a presidência da república; de outro, há de se considerar o impacto de qualquer inovação política num campo onde práticas já estão estabelecidas e institucionalizadas. Não por acaso, a burocracia e a chamada legalidade foram os principais entraves à implementação mesma dos CIEPs que traduziam uma nova forma de se fazer educação básica de qualidade. Dito de outro modo, um estudo com pretensões de avaliação desta política pública seria inocente se não buscasse olhar a realidade em seus diversos e mesmo antagônicos ângulos.

Como pressuposto dessa pesquisa, que se encontra em fase inicial, entendemos o sistema educacional como relevante estrutura social a contrariar os imperativos do mercado mundial, posto que oferta meios de socialização dos indivíduos e de aperfeiçoamento de suas competências que interferem diretamente na possibilidade de sua inclusão na esfera pública como cidadãos. A escola é, em nossa percepção, em que pesem todos os atuais constrangimentos, espaço político de materialização do ideário da promoção igualdade de oportunidade garantida aos indivíduos nos governos democráticos, na mesma medida que pode se tornar o seu oposto, a confirmação da desesperança para gerações de crianças e de jovens em qualquer sociedade dita moderna. Também, e não menos importante, vemos também na escola a esfera pública numa de suas facetas, nela sendo possível trazer reflexões a dar visibilidade a inúmeros sujeitos e práticas sociais pré-reflexivas que uma vez tematizadas podem apontar para potencialidades emancipatórias.

Deste modo, participamos do debate da educação integral na tentativa de questionar os mecanismos de naturalização dos atos de distinção legitimados em políticas educacionais, examinando o alcance do sistema educacional na (re)distribuição dos bens econômicos, culturais e do tempo livre mediante lutas pela conservação e pela transformação dos padrões de distribuição e reconhecimento existentes na sociedade maior. Esboçamos ainda os seguintes traços: o carisma ?darcyniano? e as implicações da sua representação política; a co-eterminação envolvendo essa representação política e o dilema ?distribuição-reconhecimento? abordado por Nancy Frazer (2001)".

AULA 2

Caso concreto

Tema: Retórica

Leia, atentamente, o trecho do verbete “Retórica” de Rafael Mario Iorio Filho, e responda:

1) O que você entendeu por retórica?

R: é a arte de persuadir, e também é a arte de pelos recursos verbal argumentativa, ou pelos escritos buscar o convencimento de um ou vários indivíduos assim chegando a uma introdução inconsciente da verdade posta para se com isso desarticulando qualquer outra que tenha sido posta.

2) Qual é a importância da retórica para a política? Justifique as suas respostas.

R: é toda, pois, para politica o mais importante é a arte de argumentar, explicar, fazendo com o que ou quem esteja participando seja persuadido e convencido de que aquele discurso seja o melhor e o absorva para se, e também de proporcionar a teórica para que os melhores argumentos sejam apresentados e assim chegando a um consenso.

VERBETE: RETÓRICA (gr. retoriké: arte da oratória, de retor: orador).

1. Noção, origem judiciária e perpetuação no discurso jurídico. A retórica além de ser a arte da persuasão pelo discurso; é também a teoria e o ensinamento dos recursos verbais – da linguagem escrita ou oral – que tornam um discurso persuasivo para seu receptor. Segundo Aristóteles, a função da retórica não seria “somente persuadir, mas ver o que cada caso comporta de persuasivo” (Retórica, I,2,135 a-b). Estudos contemporâneos revelam que a origem da retórica não é literária, mas judiciária. Ela teria surgido na Magna Grécia, em particular na Sicília, após a expulsão

...

Baixar como (para membros premium)  txt (25.7 Kb)  
Continuar por mais 17 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com