TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Casos Concretos Ciencia Politica

Ensaios: Casos Concretos Ciencia Politica. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  2/12/2014  •  9.260 Palavras (38 Páginas)  •  253 Visualizações

Página 1 de 38

CIENCIAS POLITICAS-1

TÍTULO DA METODOLOGIA ESPECÍFICA

SEMANA 1

CLASSIFICAÇÃO DO MÉTODO

CASO CONCRETO

DESCRIÇÃO

Caso Concreto 1:

Tema: Espaço social da palavra e complexidade do campo político

Leia, atentamente, a palestra “O papel da universidade na sociedade brasileira: educação e pesquisa no ensino superior” de Sidnei

Ferreira de Vares, e responda:

1) Qual o espaço social da palavra política ele se refere?

2) A qual tipo de discurso político ele se refere? Justifique as suas respostas.

Inicialmente, bom dia a todos. Gostaria de agradecer imensamente a presença de vocês e agradecer também ao convite que me foi feito pelo CIEE. Acredito que esse tipo de encontro, que, aliás, o Centro de Integração Empresa Escola sempre se esforça para realizar, contribua no sentido de uma discussão séria acerca dos problemas sociais e educativos que marcam a sociedade brasileira. Este esforço, portanto, não pode passar em claro. Bem, o objetivo do encontro desta manhã é discutir o papel da universidade na sociedade brasileira, como o próprio título da palestra apresenta sem muitos rodeios. Esse não é, efetivamente, um tema simples, pelo menos não para alguém que há alguns anos vivencia o dilema das universidades brasileiras de perto, sobretudo no que se refere ao Ensino Superior Privado. Sou professor universitário há 10 anos e muito cedo iniciei na profissão. Disso, certamente, decorrem algumas observações críticas em relação à maneira como o ensino superior se desenvolveu no Brasil, e também à maneira como atualmente está estruturado. Minha proposta aqui é discutir o papel da universidade a partir de uma suspeita, reforçada ao longo de minha atuação como docente, a saber, a de que a universidade brasileira não cumpre o objetivo que deveria cumprir. Os motivos para essa “falta” são variados, mas, apontarei pelo menos três deles, a saber, (a) o desenvolvimento histórico e social da universidade no Brasil; (b) certa tendência antropofágica inerente à cultura brasileira (para me utilizar da expressão modernista), que geralmente retraduz elementos importados a sua maneira, mas que nunca são totalmente incorporados; (c) por fim, gostaria de ressaltar certa visão mercadológica, que invadiu o espaço universitário nas últimas décadas, e que acarretou uma série de problemas de ordem prática e ética. Comecemos, portanto, com a análise histórica do desenvolvimento da universidade brasileira. Antes, porém, gostaria de me deter um pouco no surgimento da universidade, para depois falar de seu amadurecimento no Brasil. As primeiras universidades que se têm notícia surgiram no continente europeu entre os séculos XI e XII. Alguns estudiosos apontam a universidade de Bolonha como a primeira, e outros a de Paris. Esse é uma discussão vazia. O importante é saber que datam desse período. A maneira como surgem também não deixa de ser interessante. Algumas resultam de editos reais, outras de editos papais e há ainda aquelas derivam da reunião de professores, geralmente de escolas catedráticas, e que decidem fundar uma universidade. Naquela ocasião a universidade atende um número muito restrito de alunos, quase sempre derivados da elite da época, isto é, da nobreza ou da burguesia que começava a se constituir. Ademais, sua estrutura física tinha pouco a ver com as universidades atuais. As aulas não eram realizadas necessariamente numa sala e a relação entre professor e alunos era certamente mais orgânica. O papel da universidade era o de exatamente integrar o conhecimento total. O método, embora rígido, estava calcado no trivium e quadrivium, que desde a antiguidade marcara a educação. Mas, há algo importante e que merece ser ressaltado: a universidade aparece com um espaço de produção de conhecimento. Claro, alguns poderão objetar, essa produção tinha limites. Limites técnicos e mesmo culturais, haja vista a influência da religiosidade naquele período. De certo, essa influência atravancou o desenvolvimento da universidade, pelo menos até a modernidade. Mas, a partir do século XVII, a Europa passa de fato a ter uma produção científica de maior qualidade. Bem, no Brasil o chamado ensino superior é bem mais tardio. As primeiras faculdades datam do século XIX. A Faculdade de Medicina de Salvador e a de Direito do Largo São Francisco são exemplos disto. Até aquele instante não existiam faculdades e, portanto, os filhos das famílias mais abastadas tinham que estudar nas universidades europeias se desejassem fazer carreira acadêmica. Esse não é um fato irrelevante. São mais de 800 anos de atraso em relação à Europa. As diferenças são ainda mais gritantes quando se considera o surgimento da primeira universidade brasileira, a USP, em 1934, isto é, primeira metade do século XX. Com um caráter elitista, a universidade brasileira, pelo menos tinha algo importante nas suas raízes, a saber, ela procurou se desenvolver à luz da tradição europeia. Isso pode ser facilmente observado quando, por exemplo, se percorre a história da USP. E quanto aos professores franceses que vieram trabalhar no Brasil no intuito de contribuir para a estruturação aquela universidade? Gérard Lebrun, Claude Leffort, Claude-Levi Strauss, entre outros. Claro que essa presença

trouxe resultados muito bons. Até os anos de 1960, pelo menos, a universidade brasileira tinha, apesar de sua incipiente estrutura, uma produção de altíssima qualidade, muito mais pela influência estrangeira no Brasil, do que propriamente por conta de uma inclinação cultural do povo brasileiro à ciência. Todo rigorismo intelectual e as técnicas de pesquisa desenvolvidas nesse período, devem muito aos ilustres estrangeiros que aqui estiveram, conquanto nomes como Sérgio Buarque de Holanda, Florestan Fernandes, Cruz Costa, Gilberto Freire, etc., também figurassem entre aqueles. Isso não tem nada a ver com “puxa-saquismo” ou com uma visão eurocêntrica. Simplesmente tem a ver com o que de fato aconteceu. Isso, porém, não ofusca o brilho da geração de intelectuais brasileiros que seguiu e que contou com a ilustre presença de nomes como Otavio Iani, Fernando Henrique Cardoso, Alfredo Bosi, Antônio Candido, Darcy Ribeiro, enfim, um grupo brilhante de intelectuais. Contudo, a partir dos de 1960, mais precisamente com a instauração do regime militar, a universidade entrou num processo de sucateamento, que muito tem a ver com a série de acordos entre o MEC

...

Baixar como (para membros premium)  txt (63.4 Kb)  
Continuar por mais 37 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com