TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Ameaças Ao Rio Potengi. Venceremos?

Por:   •  18/7/2014  •  2.161 Palavras (9 Páginas)  •  403 Visualizações

Página 1 de 9

As ameaças ao Rio Potengi. Venceremos?

Matéria extraída do Jornal Tribuna do Norte

Publicação: 20 de Setembro de 2009 às 00:00

Por: Priscilla Castro - Repórter

Imagine morar em um dos mais belos cenários do mundo e não saber aproveitá-lo. No Rio Grande do Norte, essa é uma realidade cada vez mais presente. Em um lugar onde não se vê políticas de educação e conscientização ambiental, nem o encanto da

Emanuel Amaral Francisco das Chagas, pescador, mostra a situação do Potengi e o despejo de esgoto

paisagem, nem os prazeres que ela proporciona ficam livres de perigo. Atualmente, o maior e mais importante rio do Estado sofre as consequências de uma poluição que parece não ter fim. As ameaças ao rio Potengi vêm de todos os lados: empresários, indústrias, comércio e da própria população.

O crescimento urbano é um dos fatores preocupantes, pois o aumento sem planejamento das cidades "espreme" o rio, que acaba transbordando na época das cheias. O rio percorre 176 km desde a nascente, no município de Cerro Corá, até desaguar no mar, em Natal. O charme desse encontro, entretanto, não é contemplado porque na maior parte desta trajetória, a voz predominante é o grito do rio por socorro.

O risco está em ações comumente realizadas, como a retirada de areia e argila sem recuperação do dano, destruição das matas ciliares sem reflorestamento, presença dos viveiros ilegais de carcinicultura que destroem os manguezais e até a falta de consciência ambiental com o lixo urbano, principalmente doméstico. Para se ter uma ideia, o último mutirão feito no rio para retirada do lixo coletou 13,5 toneladas em apenas quatro horas. Mas de todos os especialistas entrevistados, a resposta foi a mesma: a falta de um saneamento básico adequado em Natal e Região Metropolitana é o principal problema para esse estuário.

Como qualquer outro estuário (área de encontro do rio com o mar), o rio Potengi também se encontra com outros rios menores durante seu trajeto. No município de Macaíba, o afluente é o rio Jundiaí, predominante no município, e onde a equipe de reportagem da TRIBUNA DO NORTE constatou maior foco de sujeira. Esgotos domésticos, industriais e lixo de praticamente todos os tipos.

Em alguns pontos, a vegetação estava misturada a carcaças de animais mortos jogados, em sua maioria, por matadouros clandestinos. Além disso, a população ribeirinha do rio Jundiaí-Potengi não é pequena. Os focos de lixo domésticos encontrados vinham principalmente deses moradores. Em frente a uma das casas, várias sacolas plásticas com lixo doméstico estavam jogadas no mangue. Além disso, o hábito de jogar o lixo dos automóveis na rua e também dos pedestres contribui para a poluição. Quando a maré enche e o rio segue seu percurso normal para o mar, todo esse lixo é distribuído pelo estuário.

Nas palavras do pescador Francisco das Chagas, as plantas dos mangues entre São Gonçalo do Amarante, Macaíba e Natal mais parecem "árvores de natal". Com garrafas, embalagens plásticas e sacolas presas aos galhos das árvores, essa é a impressão que se tem. Pneus velhos, restos de colchão, copo descartável, tênis, latinhas e uma infinidade de resíduos domésticos também 'enfeitam' o mangue.

Especialistas temem pela morte do rio

Em termos numéricos, a preocupação em relação ao rio Potengi fica ainda maior. A bióloga e pesquisadora da OnG Navima, Rosimary Dantas, contou que, em análise realizada este ano nas águas do rio Potengi, foi detectada uma quantidade de 20 mil coliformes fecais para 100 mililitros de amostra, valor muito superior ao limite máximo permitido pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). A mesma análise foi realizada nas ostras, maior filtradora existente na água, e foram encontrados dois mil coliformes para a mesma quantidade de água coletada.

Diante de todos os problemas característicos ao rio Potengi, o poder público troca acusações e tenta se desviar da responsabilidade que lhe é devida. Quando não falta fiscalização eficiente, falta saneamento básico, ou políticas de educação e conscientização ambiental, ou recolhimento adequado do lixo, ou vontade da população. As ações continuam caminhando a passos lentos, enquanto o rio permanece ameaçado.

O fato é que, apesar de não querer acreditar nessa hipótese, os especialistas já admitem a possibilidade de o estuário do Potengi se transformar em um rio morto antes do que se espera. Afinal, a natureza pode até ter um processo de regeneração

...

Baixar como (para membros premium)  txt (13.7 Kb)  
Continuar por mais 8 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com