TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Prematuridade

Por:   •  10/11/2015  •  Relatório de pesquisa  •  2.238 Palavras (9 Páginas)  •  31 Visualizações

Página 1 de 9
  1. Introdução

O resultado esperado de uma gestação é a obtenção do recém-nascido (RN) sadio com o mínimo trauma para a mãe. Em algumas situações, isso não é possível, devido a complicações durante a gravidez ou parto, gerando riscos à integridade da saúde tanto da mãe quanto do concepto e estas complicações podem fazer com que a criança nasça antes do tempo previsto (prematuridade) e ás vezes, quando se há muitos prejuízos fisiológicos no RN, pode haver evolução para a morte do mesmo.

A prematuridade como causa de mortalidade infantil tem sido estudada em diferentes países, e tem sido constatado que inúmeras são as causas que levam um bebê a nascer prematuro. Esse nascimento fora do tempo previsto acarreta imaturidade no recém-nascido que pode levar à disfunção em qualquer órgão ou sistema corporal, e o neonato prematuro também pode sofrer comprometimento ou intercorrências ao longo do seu desenvolvimento. O recém-nascido, especialmente o prematuro, é mais vulnerável a lesões pulmonares, porque os sistemas antioxidantes (por exemplo a catalase e superóxido dismutase) ainda não se desenvolveram completamente. (SILVA, 1998) Com isso, pode haver o aparecimento de doenças crônicas, como por exemplo, a Displasia Broncopulmonar (DBP).

Em 1967, Northwayet al descreveu a Displasia Broncopulmonar (DBP) como uma doença pulmonar crônica que acometia recém-nascidos prematuros com síndrome do desconforto respiratório (SDR), ou submetidos à ventilação mecânica e boa parte deles era dependente de oxigênio por meses ou anos. A DBP deve ser considerada em qualquer neonato que permanece dependente de oxigênio em concentrações acima de 21% por um período maior ou igual a 28 dias. (CUNHA, 2003)

A ocorrência é rara em neonatos com idade gestacional superior a 34 semanas e esses pacientes que possuem a DBP, normalmente, são dependentes de oxigênio ou ventilação mecânica e muitos desses se tornam assintomáticos e livres do uso de oxigênio extra antes da alta hospitalar. (MONTE ET AL, 2005)

A presença de insuficiência respiratória crônica com dependência de oxigênio ou ventilação mecânica e um exame radiológico de tórax com hiperinsuflação e fibrose disseminada são suficientes para diagnosticar DBP. (PROCIANOY, 1998)

O tratamento clínico da Displasia Broncopulmonar deve ser preferencialmente feito por uma equipe multidisciplinar, incluindo o neonatologista e outros profissionais, como o médico pediatra, o pneumologista, o cardiologista e o neurologista, além de fisioterapeuta, nutricionista, fonoaudiólogo e eventualmente outros profissionais.

Como tratamento, o prematuro necessita receber suporte de oxigênio ou de ventilação mecânica para manter uma concentração sérica adequada de oxigênio. Devido a lesão pulmonar, é necessário o uso de diuréticos para redução da dificuldade respiratória, reduzindo o edema pulmonar e com isso, reduzindo a resistência vascular pulmonar. É necessário o uso de broncodilatadores para reduzir a chance de hipoxemia e para o controle dos sintomas respiratórios (tosse esibilância), o uso de antibioticoterapia devido à suscetibilidade a infecções respiratórias e o uso de corticosteróide para melhorar e promover a maturidadeda função pulmonar e com isso, reduzir o tempo com ventilação mecânica. (PROCIANOY, 1998)

Em relação à nutrição, as necessidades energéticas de um recém-nascido com DBP são 25% superiores às de um recém-nascido normal em função do trabalho respiratório aumentado que eles apresentam e o mesmo desenvolve um quadro de edema pulmonar que requer um controle hídrico muito restrito, sendo um desafio nutricional para hidratação, com isso, é comum a suplementação da fórmula utilizada com triglicerídeos de cadeia média ou com polímeros de glicose.  Freqüentemente, o seu ganho de peso é insuficiente, mesmo recebendo a quantidade de calorias suficientes para um recém-nascido a termo.

  1. Análise Fisiopatológica

A patogênese da DBP é multifatorial, podendo ser citada a imaturidade pulmonar, a ventilação mecânica, infecção pré-natal e inflamação pulmonar estão presentes para acontecer esta patologia.

Esse processo inflamatório ocorre pela agressão ao epitélio respiratório e ao endotélio capilar pulmonar, provocando liberação de mediadores pró-inflamatórios e citocinas quimiotáticas. Ocorre afluxo de células inflamatórias, principalmente de granulócitos, que potencializam a reação inflamatória com a produção de mais citocinas (interleucina-8, proteína inflamatória macrofágica-1, TGF-ß e outras) e liberação de enzimas (por exemplo, a elastase). Essas substâncias produzem aumento da permeabilidade vascular, que contribui para o edema intersticial, alveolar e da via aérea. É importante lembrar o fato de que a circulação pulmonar não só recebe todo o débito cardíaco, como também abriga um reservatório de neutrófilos. O pulmão, portanto, contribui para a circulação de células e mediadores inflamatórios para todo o organismo.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (15.7 Kb)  
Continuar por mais 8 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com