TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Crise Econômica

Por:   •  16/4/2016  •  Trabalho acadêmico  •  624 Palavras (3 Páginas)  •  7 Visualizações

Página 1 de 3

No meu entender, a primeira opção é a que mais se encaixa para explicar essas duas crises, pois em ambas teve a interferência governamental.

Na primeira crise, como vimos países afetados, arruinados pela guerra, se reergueram e não compravam mais como antes, e os EUA ao invés de diminuírem a produção, fizeram ao contrário acarretando vário problemas, o principal no meu ponto de vista foi o desemprego.

Na segunda, é aonde eu vejo que mais se encaixa com a primeira opção, pois ao notar a diminuição do ritmo do país, o governo reduziu a taxa de juros, com isso as pessoas começaram a financiar imóveis acreditando ter um bom retorno no futuro, mais isso gerou inflação e o governo achou como saída aumentar novamente a taxa de juros então as pessoas não conseguiram mais pagar suas dívidas.

Então pelo o que eu entendi, apesar de serem histórias diferentes, ambas são semelhantes, pois incluem a queda nas bolsas, o aumento do desemprego e prejuízos para os investidores externos.

Abraham Lincoln levou pouco mais de dois minutos p

ara pronunciar o discurso

de Gettysburg (1863), às vezes considerado a maior

peça de oratória em todos

os tempos. Ninguém esperaria encontrar tamanho tale

nto para a concisão no

Supremo Tribunal Federal brasileiro, mas o contrast

e ressalta que falar muito

não significa ter muito a dizer. Os maus hábitos da

linguagem empolada e da

expressão prolixa continuam a prosperar no Judiciár

io; no Supremo, ainda mais

em julgamento momentoso como o do mensalão, chegam

ao apogeu. Nem

mesmo certas vulgaridades, salpicadas por alguns do

s advogados da defesa,

alteraram a sensação do leigo de assistir a um espe

táculo obscuro e bizantino.

Não há dúvida de que a Justiça deve examinar cada a

specto com cuidado, nem

de que muitos aspectos são alvo de controvérsia. Ai

nda assim, será necessária

tamanha verbosidade, reflexo, aliás, da extensão in

terminável dos autos, a

versão escrita de cada processo? Seria incalculável

o benefício, no sentido de

reduzir a morosidade judicial, caso se disseminasse

uma disciplina retórica mais

objetiva, direta e sucinta. Parece haver tendência

recente nessa direção, mas

que ainda não alcançou os tribunais superiores, mui

to menos o Supremo

Tribunal Federal. Admita-se, no atual julgamento, q

...

Baixar como (para membros premium)  txt (3.6 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »