TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

As principais diferenças entre as abordagens macroeconomia e da microeconomia

Ensaio: As principais diferenças entre as abordagens macroeconomia e da microeconomia. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  23/6/2013  •  Ensaio  •  786 Palavras (4 Páginas)  •  482 Visualizações

Página 1 de 4

Questões para revisão

1. Conceitue e aponte as principais diferenças entre os enfoques da Macroeconomia e da

Microeconomia.

• A MACROECONOMIA estuda a economia como um todo, analisando a determinação e o comportamento de grandes agregados, tais como: Renda e produto nacional, nível geral de preços, emprego e desemprego, estoque de moedas e taxas de juros, balanço de pagamento e taxa de juros.

• A MICROECONIMA estuda o comportamento das unidades de consumo representadas pelos indivíduos e pelas famílias; as empresas e suas produções e custos; a produção e o preço dos diversos bens, serviços e fatores produtivos. Em outras palavras, a microeconomia ocupa-se da forma como as unidades individuais que compõem a economia - consumidores privados, empresas comerciais, trabalhadores, latifundiários, produtores de bens ou serviços particulares etc. - agem e reagem umas sobre as outras.

2. Sintetize os objetivos de política econômica.

• Alto nível de emprego: As discussões sobre desemprego, a partir dos anos 1930, permitiram um aprofundamento da análise macroeconômica. Eo livro de John Maynard Keynes, Teoria geral do emprego, dos juros e da moeda, de 1936,forneceu aos governantes os instrumentos necessários para que a economia recuperasse seu nível de emprego potencial ao longo do tempo. Com a contribuição de Keynes, contudo, fincaram-se as bases da moderna teoria macroeconômica, e da intervenção do Estado na economia de mercado. Na verdade, Keynes praticamente inaugurou a seguinte discussão macroeconômica, que perdura até hoje: qual deve ser o grau de intervenção do Estado na economia e em que medida ele deve ser produtor de bens ou serviços.

• Estabilidade de preços: Define-se inflação como o aumento contínuo e generalizado no nível geral de preços. Porque a inflação é um problema? A inflação acarreta distorções, principalmente sobre a distribuição da renda, sobre as expectativas dos agentes econômicos e sobre o balanço de pagamentos.

• Distribuição de renda socialmente justa: A economia brasileira cresceu razoavelmente entre o fim dos anos 1960 e a maior parte da década de 1970. Apesar disso, verificou-se uma disparidade muito acentuada de nível de renda, tanto entre diferentes grupos socioeconômicos como entre as regiões brasileiras. Tal situação fere, evidentemente, o sentido de eqüidade ou justiça social.

• Crescimento econômico: Quando se fala em crescimento econômico, estamos nos referindo ao crescimento da renda nacional per capita, ou seja, em colocar à disposição da coletividade uma quantidadede mercadorias e serviços que supere o crescimento populacional.

3. Políticas de estabilização da inflação não são compatíveis com melhoria no grau de

distribuição de renda. Você concorda? Justifique sua resposta.

• Não, não concordo. Pois políticas de estabilização da inflação, ao reduzir as perdas dos trabalhadores (principalmente os de baixa renda), para os quais a inflação é um imposto, melhora a renda real dessa classe de renda. Como ocorreu no período do Plano Real.

4. Comente a questão da compatibilidade (ou não) entre as metas de melhoria no grau

de distribuição de renda e a busca do crescimento econômico, à luz da experiência

brasileira no período do “milagre econômico".

5. Resuma os instrumentos de política econômica.

• Política Fiscal: Gastos Públicos e Impostos. São instrumentos que afetam o lado real da economia;

• Política Monetária:

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.5 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com