TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

UNIP

Por:   •  6/6/2013  •  1.359 Palavras (6 Páginas)  •  322 Visualizações

Página 1 de 6

Existe a linguagem verbal e não verbal, sendo cada uma constituinte de textos verbais e não verbais. Assim, uma cidade, por exemplo, é considerada um texto (não verbal). A respeito de texto não verbal, assinale a alternativa incorreta:

Resposta

a.

Concentra-se no espaço em branco da página, típico do verbal escrito.

b.

Não se concentra nem no timbre ou ritmo de uma voz, espaço próprio do verbal falado.

c.

Organiza-se em espaço tridimensional fechado ou público.

d.

Tem caráter fragmentado, imprevisto, múltiplo.

e.

Não é exclusivamente visual ou sonoro, mas é, sobretudo, plurissígnico.

Resposta

a.

Existe relação entre a pintura e a cena cinematográfica devido ao desespero presente nas expressões fisionômicas daqueles que as compõem.

b.

O distanciamento entre a pintura e a cena cinematográfica ocorre devido ao próprio tempo em que foram criadas.

c.

A cena cinematográfica rompe com a pintura no que diz respeito à linguagem, uma vez que a pintura é visual.

d.

A proximidade entre pintura e cena cinematográfica deve-se à semelhança na forma em que as personagens se encontram.

e.

Por ser outro signo, a cena cinematográfica não mantém relação com a pintura.

1 pontos

Pergunta 2

Leia os poemas a seguir e indique a resposta correta.

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Antologia poética. Rio de Janeiro: Record, 1980.

Quadrilha da sujeira

João joga um palitinho de sorvete na

rua de Teresa que joga uma latinha de

refrigerante na rua de Raimundo que

joga um saquinho plástico na rua de

Joaquim que joga uma garrafinha

velha na rua de Lili.

Lili joga um pedacinho de isopor na

rua de João que joga uma embalagenzinha

de não sei o que na rua de Teresa que

joga um lencinho de papel na rua de

Raimundo que joga uma tampinha de

refrigerante na rua de Joaquim que joga

um papelzinho de bala na rua de J. Pinto

Fernandes que ainda nem tinha

entrado na história.

AZEVEDO, Ricardo. Você diz que sabe muito, borboleta sabe mais! São Paulo: Moderna, 2007.

I. Apesar do título e dos nomes semelhantes, não existe intertextualidade na relação entre os dois poemas, uma vez que o texto de Azevedo não recupera tematicamente o poema de Drummond.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.4 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »