TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Um Estudo Realizado Para Determinar O Tempo médio Que O Brasileiro vê Televisão Relata Que: "Em São Paulo, 350.000 Pessoas Responderam 2 Horas, 760.000 Pessoas Responderam 3 Horas E 450.000 Disseram Assistir Televisão Por Mais De 4 Horas". As Qua

Exames: Um Estudo Realizado Para Determinar O Tempo médio Que O Brasileiro vê Televisão Relata Que: "Em São Paulo, 350.000 Pessoas Responderam 2 Horas, 760.000 Pessoas Responderam 3 Horas E 450.000 Disseram Assistir Televisão Por Mais De 4 Horas". As Qua. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  30/10/2013  •  1.204 Palavras (5 Páginas)  •  986 Visualizações

Página 1 de 5

Placenta

Vital para o feto, a placenta se forma como um órgão especial para a ele servir. Serve como pulmão, trato intestinal e rins para o feto, funcionando como um órgão para troca de nutrientes entre mãe e feto, também como órgão endócrino produzindo hormônios para manutenção da gravidez. A característica funcionante da placenta inclui diversas atividades como o transplante de oxigênio e metabólitos, eliminação de produtos degradados pelo feto, e a produção de hormônios protéicos e esteróides para suprir as necessidades do feto.

De acordo com Ziegel e Cranley (1986) a placenta é descolada da parede uterina juntamente com as membranas fetais imediatamente após o nascimento. Ao fim da gestação, a placenta se encontra achatada, regularmente arredondada e esponjosa, direcionando-se a margem onde estão as membranas fetais delgadas. Pesa cerca de 500 a 600g variando de acordo com tamanho da criança.

Descolamento Prematuro de Placenta (DPP)

É caracterizado pelo deslocamento espontâneo parcial ou total da placenta durante a gestação a partir de 20 semanas ou no primeiro e segundo períodos do parto. É uma complicação obstétrica, exige diagnóstico precoce, soluções urgentes e causa freqüente numero de mortes perinatal e materna. Já recebeu denominações como abruptio placentae, apoplexia uteroplacentária e hemorragia retroplacentária .

Existem 2 tipos principais de DPP: descolamento com hemorragia oculta, que é mais perigoso devido a não identificação do sangramento que fica confinada na cavidade uterina e descolamento com hemorragia externa. A classificação mais empregada no DPP é dividida em 4 graus, sendo os seguintes:

Grau 0 onde o mesmo é assintomático e diagnosticado após o parto quando descobre um coágulo retroplacentario pequeno.

Grau 1 quando há sangramento vaginal, sem sinais de choque materno ou sofrimento fetal.

Grau 2 onde pode haver ou não sangramento externo, não há sinais de choque materno e há sinais de sofrimento fetal e o Grau 3 onde pode haver ou não sangramento extenso, dor abdominal persistente, choque materno e morte fetal.

Etiologia

De acordo com Lemoine (1980) a etiologia do DPP divide-se em: Descolamentos traumáticos (exemplos: queda ou traumatismo sobre o abdome, versão por manobra externa e cordão muito curto) e os Descolamentos espontâneos (exemplos: síndromes vasculorrenais e intercorrência inopinada)

Incidência

Segundo Knuppel e Drukker (1996) a incidência de DPP é de 1 para 250 a 1 para 155 de gestações, sendo as de grau 3 possuem incidência de 1 para 500 gestações. Contrapondo essa afirmativa Corrêa (1999) afirma que não existem números confiáveis para esse problema obstétrico variando conforme o local de pesquisa.

Causas

Não existem causas exatas de DPP, mais parecem ser fatores predisponentes as seguintes condições: trauma abdominal, cordão umbilical curto, polihidramnio, descompressão súbita do uterino, miomas, anomalias uterinas, oclusão da parte inferior da veia cava inferior, placenta circunvalata e distúrbios hipertensivos.

Acrescentando Carvalho (2002) cita ainda a toxemia da gravidez, mal uso de oxitócitos na indução do parto e parto gemelar onde a placenta do segundo é traumatizada.

Manifestações clínicas

Conforme Carvalho (2002) as manifestações clínicas são as seguintes: hemorragia discreta ou intensa, dor geralmente súbita ou intensa provocada pelo acumulo de sangue atrás da placenta e pela infiltração do miométrio, rigidez e sensibilidade uterina, contrações uterinas começam espontaneamente, movimentos fetais excessivo indicativo de sofrimento fetal por anóxia, ausência de batimento cardíacos, choque manifestados por dispnéia, palidez, agitação e outros.

A paciente relata na maioria das vezes dor abdominal intensa acompanhada de sangramentos com coágulos e diminuição dos batimentos fetais ou interrupção do mesmo. A sintomatologia depende diretamente da extensão da área descolada da placenta podendo ser mais ou menos intensa.

Diagnóstico

O diagnóstico de DPP é realizado de duas formas: através da anamnese, onde a paciente relata dor abdominal, sangramento genital e alterações na movimentação fetal, e de exame físico onde se comprova a hipertonia uterina, ausência ou alterações dos batimentos cardiofetais e ao exame pélvico comprova-se o sangramento genital.

Conforme Knuppel e Drukker (1996) nos casos mais de DPP se pode identificar sofrimento fetal pelos padrões de freqüência cardíaca com desacelerações tardias e pela taquicardia. Monitoramento interno da pressão uterina irá indicar, geralmente, aumento da pressão em repouso e polissístoles. Habitualmente os casos mais graves são anunciados pelos sinais e sintomas, deve-se afastar a placenta previa e outras causas de sangramento vaginal através da inspeção clinica e Ultrassonografia.

Os fatores de risco incluem:

• Deficiências de coagulação sanguínea (trombofilias)

• Fumo

• Uso de cocaína

• Diabetes

• Beber mais de 14 doses de bebidas

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.4 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com