TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Curso De Empreendedorismo No AVA - Ambiente Virtual De Aprendizagem

Monografias: Curso De Empreendedorismo No AVA - Ambiente Virtual De Aprendizagem. Pesquise 800.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  24/5/2014  •  4.464 Palavras (18 Páginas)  •  571 Visualizações

Página 1 de 18

CURSO EMPREENDEDORISMO NO AVA

No curso de Empreendedorismo realizado em minha área restrita no dia 18 de maio de 2014, foi possível aprender pesquisando na apostila oferecida e também nas questões aplicadas que – “De acordo com Dornelas (2012, p.25), o empreendedor é um administrador, mas com diferenças consideráveis em relação aos gerentes ou executivos de organizações tradicionais, fazendo com que a gente compreenda que o empreendedor possui, além das competências de administrador, a capacidade de saber utilizá-las no momento oportuno, por ter visão de futuro mais apurada. Quanto à disposição para assumir riscos, o empreendedor se preocupa com os riscos, nunca assume altos riscos sem avaliação prévia, pode-se dizer que os empreendedores assumem riscos calculados, pois possuem conhecimento dos problemas que podem enfrentar.

Entendemos também que com o Plano de Negócio, a Análise de mercado é uma das primeiras seções que deve ser elaborada pelo empreendedor, ela também é considerada uma das mais importantes e difíceis de abordar, pois dela dependerão todas as outras. As utilidades do Plano de Negócio são: Pode ser utilizado como captação de recursos; pode ser utilizado como ferramenta gerencial e possibilita ao empreendedor um conhecimento mais aprofundado do negócio – “sem um Plano de Negócio, a empresa fica mais fragilizada e com mais possibilidade de não dar certo, portanto, um dos principais objetivos do Plano de Negócio é evitar que médias, pequenas, ou até grandes empresas morram por falta de planejamento, que sem ele, não é possível chegar onde se almeja ir”.

Ainda podemos perceber no curso que o SEBRAE tem como missão institucional, promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas e fomentar o empreendedorismo.

Sobre a atuação das Micro e Pequenas empresas aprendemos que elas possuem altas taxas de natalidades e de mortalidades; centraliza o poder decisório; representa um baixo volume de capital empregado; contrata diretamente a mão de obra e possui baixo nível de terceirização, ainda podemos destacar que o aprendizado através deste curso mostrou a importância da aplicação de ferramentas gerenciais para a tomada de decisões empresariais, portanto, com essa ferramenta elimina-se grandes fragilidades das empresas com relação a falta de informações gerenciais, o que limita seu crescimento e desenvolvimento; contribuem para o melhor controle da empresa garantindo o aumento de seu desempenho e performance e sem o uso dessas ferramentas, o gestor não consegue ter uma previsão sobre a saúde financeira da empresa, podendo tomar decisões erradas, que comprometerão a sobrevivência da empresa.

Segundo (CHIAVENATO, 2008) existem três características básicas que moldam o perfil de um empreendedor:

1. Necessidade de realização: essa característica esta relacionada a necessidades individuais de cada pessoa, o empreendedor procura ser o responsável pelo resultado, busca através de seus esforços em construir aquilo que almeja, a vontade de alcançar os objetivos que possui direciona-o a um caminho propenso ao crescimento.

2. Disposição a riscos: empreender não é simples, não basta apenas ter uma idéia, consiste em assumir riscos, a pessoa ao abrir um negócio deve estar disposta assumir esses riscos, que por mais que sejam calculados, não tem como eliminá-los, o negócio pode não dar certo, pode se perder o dinheiro investido, no início corre-se o risco de não ter o retorno esperado.

3. Autoconfiança: muitos são os desafios e dificuldades que um novo negócio exige, o empreendedor enxerga com clareza esses problemas, porém não desanima é dotado de autoconfiança, pois acredita na suas habilidades, na sua capacidade de superação.

Segundo Dolabela (1999, p. 28) “o perfil empreendedor (fatores do comportamento e atitudes que contribuem para o sucesso) pode variar de um lugar para o outro”. O perfil do empreendedor para o autor, está ligado nos “traços da personalidade, atitudes e comportamentos que contribuem para alcançar o êxito nos negócios”.

O empreendedor possui características comportamentais que o levam ao sucesso, são atitudes e atributos que marcam o seu perfil, porém o fato de possuir essas características não significa que alcançará os resultados esperados.

Baseado na pesquisa de Timmons (1994) e Hornaday (1982), Dolabela (1999) traça algumas características marcantes no perfil empreendedor. São elas: “Iniciativa, autonomia, autoconfiança, otimismo, necessidade de realização” (DOLABELA, 1999, p. 37).

O empreendedor é capaz de aprender com resultados adversos, não se abate com algum fracasso que possa ter na condução de um novo negócio. Dedica-se ao negócio orientado para o resultado, dando o máximo de si, colocando todas as suas energias.

O empreendedor é intuitivo, corajoso, procura descobrir nichos de mercado e desenvolve negócios para atendê-los, fixando metas que devem ser alcançadas. O comprometimento e conhecimento do ramo em que atua são outras características do perfil empreendedor, são pessoas que procuram aprender com as situações do cotidiano da organização. É líder e motivador, dando liberdade e explorando o máximo o potencial das pessoas que trabalham com ele. O empreendedor é alguém que não corre riscos desnecessários, não trata os negócios como uma aventura, “mantém um alto nível de consciência do ambiente em que vive, usando-a para detectar oportunidades de negócios” (DOLABELA, 1999, p. 38).

Para Filion (1998, p.13) “a pesquisa sobre empreendedorismo e pequenas empresas freqüentemente conduz a identificação de diferentes tipos de empreendedores”. Filion (1998) define seis tipos de empreendedores. O primeiro deles é o lenhador, as características mais presentes estão no fato de trabalhar sozinho, os lenhadores gostam de executar, fazer as coisas, preocupando-se com a qualidade do trabalho, é um tipo de pessoa que não se vê como empregado, pelo fato de produzir muito, acabam decidindo por trabalhar para si próprio.

O segundo tipo é o sedutor, são aquelas pessoas que se entregam totalmente ao negócio, procurando otimizar processos na busca de lucro, porém se as coisas não acontecerem da forma que se planejou, perde-se o interesse. Segundo Filion (1998, p. 14) “os sedutores são como artistas no que diz respeito ao trabalho: estilos, gostos e interesses mudam de tempos e tempos”.

O jogador é o outro tipo, são pessoas que procuram ganhar o suficiente para usufruir da vida, trabalha em ramos sazonais, o que faz com que se dedique muito ao trabalho em certas épocas, mas não em outras, não tem um grau de comprometimento.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (28.9 Kb)  
Continuar por mais 17 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com