TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

REPRESENTAÇÃO SOCIAL A ESTE MEDICAMENTO E O CONTEÚDO DO PROBLEMA

Projeto de pesquisa: REPRESENTAÇÃO SOCIAL A ESTE MEDICAMENTO E O CONTEÚDO DO PROBLEMA. Pesquise 791.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  21/5/2014  •  Projeto de pesquisa  •  1.293 Palavras (6 Páginas)  •  191 Visualizações

Página 1 de 6

SUMÁRIO

1 RESUMO 3

2 INTRODUÇÃO 4

3 DESENVOLVIMENTO 5

3.1 REPRESENTAÇÃO SOCIAL PARA ESSA DROGA E COMPRRENSÃO DO PROBLEMA 6

3.2 O TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS 6

3.3 RELAÇÃO URBANA COM A POPULAÇÃO, A CHEGADA DA FAMILIA REAL EM 1808, A REOFROMA EM 1903/4 E O OCORRIDO EM SÃO PAULO 7

3.4 AS CONSEQUENCIAS EMOCIONAIS/AFETIVAS DO DEPENDENTE QUIMICO E FAMILIARES E O PAPEL DA FAMILIA NO PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO EMOCIONAL/AFETIVA DO DEPENDENTE QUIMICO. 7

4 CONCLUSÃO 8

REFERÊNCIAS 9

1 RESUMO

Nos últimos anos tem aumentado o uso do crack no Brasil, o crack surgiu na década de 70, mas só nos anos 80 que essa droga se tornou popular nas camadas, mas pobres pelo seu custo acessível a mistura da cocaína aquecida juntamente com água e bicarbonato de sódio. O trafico é a grande proporção de dependentes, e ainda é um grande problema social, que não só afeta as grandes metrópoles como também todas as regiões.

2 INTRODUÇÃO

O fator crack é um tema muito preocupante a ser falado. Os cuidados que devem ser tomados, medidas e precauções devem ser abordados e explicados para a família dos usuários com extrema importância para os profissionais do serviço social e da saúde em geral com um pequeno histórico de quando esse uso abusivo começou a se espalhar nas grandes metrópoles.

3 DESENVOLVIMENTO

O crack surgiu na década de 70 com a mistura da cocaína aquecida juntamente com água e bicarbonato de sódio. Mas só a partir dos anos 80 que essa droga se tornou popular principalmente entre as camadas mais pobres pelo custo mais acessível do que a cocaína. Essa substancia afeta a química do cérebro do usuário causando: euforia, perda de apetite, insônia, aumento da energia e paranóia e muitos outros danos.

O crack leva 15 segundos para chegar ao cérebro e já começa a produzir seus efeitos: forte aceleração dos batimentos cardíacos, aumento da pressão arterial, dilatação das pupilas, suor intenso, tremor muscular e excitação acentuada, sensações de aparente bem-estar, aumento da capacidade física e mental, indiferença à dor e ao cansaço. Mas, se os prazeres físicos e psíquicos chegam rápido com uma pedra de crack, os sintomas da síndrome de abstinência também não demoram a chegar. Em 15 minutos, surge de novo a necessidade de inalar a fumaça de outra pedra, caso contrário chegarão inevitavelmente o desgaste físico, a prostração e a depressão profunda. Estudiosos como o farmacologista Dr. F. Varella de Carvalho asseguram que "todo usuário de crack é um candidato à morte", porque ele pode provocar lesões cerebrais irreversíveis por causa de sua concentração no sistema nervoso central.

Contudo o tráfico e a grande proporção de dependentes ainda é um grande problema social que não só afeta as grandes metrópoles como também todas as regiões, devido aos riscos que podem ocorrer através da associação do uso desta droga com a prática de crimes como pequenos furtos de dinheiro, objetos, sobretudo eletrodomésticos que na maioria dos casos começam em casa e se propaga.

Em 3 de janeiro de 2012 iniciou-se uma operação de combate ao tráfico da região e ajuda aos usuários de crack, chamada de Operação Centro Legal. No final do mês, segundo a PM, a Cracolândia havia se espalhado por 27 bairros, como: Barra Funda, nos trilhos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, Higienópolis, Luz, Campos Elíseos, Santa Cecília e nas proximidades do Elevado Costa e Silva, essas regiões foram chamadas pela mídia de "minicracolândias". Segundo relatório divulgado no dia 27 de janeiro pelo governo de São Paulo desde o começo da operação 155 usuários foram encaminhados à instituições de recuperação, 191 pessoas foram presas em flagrante, sendo apreendidas aproximadamente 63 toneladas de drogas, sendo 3 de crack.

Superar o vicio não é fácil , requer além da ajuda profissional, muita força de vontade por parte da pessoa e o apoio da familia.

3.1 REPRESENTAÇÃO SOCIAL PARA ESSA DROGA E COMPREENSÃO DO PROBLEMA

A expressão drogas no Brasil se torna bastante preocupante quando abordado o tema.

O medo, a propagação e o uso dessa droga aparecem de forma fulminante na sociedade independente de seu sexo, classe social ou meio (urbano ou rural).

O uso do crack tem aumentado nos últimos anos no Brasil e isso acontece pela falta de informação de que o uso dessa droga pode causar ao ser consumida e a despreocupação do governo com a cracolandia em que essa vem crescendo constantemente nas cidades. Mas para obter resultados eficientes para o combate dessa droga é preciso que haja um processo para a retirada dessas pessoas viciadas das ruas e o acompanhamento da assistência social, dos serviços de saúde e de parcerias com entidades para geração de emprego e renda.

3.2 O TRABALHO DOS ASSISTENTES SOCIAIS

O posicionamento do assistente social tem muita importância onde deve ter o apoio da família em estimular, apresentar propostas para combater esse mal que atinge várias famílias e fazer com que elas se tornem pensantes sobre o prejuízo que o crack pode trazer.

O assistente social tem que estar preparado e com projetos para combater o crack e ter o conhecimento específico necessário para mediar essa realidade na sociedade.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.7 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com