TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Análise Crítica Sobre o Livro 1984 - George Orwell

Por:   •  19/10/2017  •  Resenha  •  866 Palavras (4 Páginas)  •  440 Visualizações

Página 1 de 4

Análise crítica sobre o Livro 1984 - George Orwell

Maria Gecilane Oliveira Magalhães

O livro fala - através do personagem Winston Smith - de um governo extremamente opressivo, que monitorava e controlava todas as atividades dos indivíduos, no qual era liderado pela figura mítica do “Grande Irmão”.

Essa figura mítica era a forma que o Partido tinha de personificar o seu ideal.

No início da primeira parte do livro, é possível identificar de cara a presença da teoria hipodérmica, especificamente quando observamos como o partido tinha a necessidade de explanar a mensagem de forma forçada à população através das “teletelas”.

Fora os inúmeros postes espalhados pela cidade que dizia: “O Grande Irmão está de olho em você”.

As “teletelas” eram uma espécie de híbrido entre TV e câmera; uma forma interativa que servia para informar, dar ordens e principalmente vigiar as pessoas. Eram instaladas em todos os lugares com essa função principal de vigiar para controlar. Mas é interessante lembrar que como o livro mesmo relata, há um questionamento sobre se essas pessoas viviam realmente de forma “monitorada” ou se elas já estavam conformadas com a situação proposta, pois não existia maneira de saber se o sistema era deveras operante.

Considerando os atos de espionagem nos EUA nos últimos anos, essa parte do livro é bastante relevante quanto aos dias atuais, diria até que as redes sociais se assemelha um tanto também. O que lembra que as ações da massa sempre indicam em direção ao objetivo e buscam alcançá-lo pelo caminho mais rápido: o propósito que elas sejam sempre dominadas por uma única ideia; a mais simples possível ou a mais fácil de gerir controle.

“GUERRA É PAZ

LIBERDADE É ESCRAVIDÃO

IGNOR NCIA É FORÇA”

Essa é uma das citações do livro mais cheia de aspectos analíticos para se aprofundar baseado nas teorias e nos tempos atuais. Sempre vai ser possível associar uma determinada teoria a uma determinada frase.

“Guerra é paz”: Nos lembra mais uma vez da teoria hipodérmica. Quando nos apossamos da ideia que nos é forçada de que a guerra é tratada como paz, já estamos condicionados a uma forma de controle. Se utilizando assim de uma falsa paz criada pelo governo.

“Liberdade é escravidão”: No livro, essa liberdade é totalmente inexistente, ou até mesmo pregada com outra ideia sobre o que significa liberdade. A liberdade era tida como o amor ao partido, o culto de personalidade ao redor da imagem do “big brother”.

Persuadida na mente do indivíduo baseado no que eles tinham como filtro psicológico.

A ideia que nós temos de liberdade hoje em dia é mais ou menos a mesma se compararmos com a forma de como agimos diante dos nossos desejos particulares.

“Eu sou livre pra gostar/consumir o que eu bem quiser”. Não obstante, esquecemos que nós nos apropriamos como “gosto”, aquilo que já estava proposto (são várias opções de uma única opção que nos é dada). Estando imersos em um sistema que nos diz: “você é livre”, mas no fundo o desejo pela liberdade ainda não cessou.

“Ignorância é força”: Teoria da Persuasão (Efeito Primacy) - Aquela mensagem superficial, se referindo apenas aos argumentos iniciais para que ela possa ser aceita de maneira mais rápida e fácil. Já que uma das maneiras mais poderosas do Partido controlar as pessoas era justamente

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.6 Kb)   pdf (48.6 Kb)   docx (13.5 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com