TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Guerra do Paraguai e a Crise do Império: uma Questão Militar

Por:   •  6/6/2015  •  Pesquisas Acadêmicas  •  3.454 Palavras (14 Páginas)  •  86 Visualizações

Página 1 de 14

UNIRIO – UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

A Guerra do Paraguai e a Crise do Império: uma Questão Militar

Tópico em História Contemporânea

Prof. Ricardo Salles

Alunos (a): Natasha de Castro

2014.1

  1. INTRODUÇÃO

O presente trabalho tem o objetivo de analisar a Guerra do Paraguai[1] (1864-1870), tendo em vista suas implicações políticas, econômicas e sociais, referentes à crise do Império. Em um primeiro momento, de forma bem sucinta, apresentarei os antecedentes do conflito e a própria guerra em si. Em seguida, evidenciarei o debate historiográfico existente, procurando demonstrar as diferentes interpretações acerca deste importante evento histórico. Na segunda parte do trabalho, a discussão principal girará em torno da grande crise do Império, tendo como foco as consequências da guerra e toda questão militar.

  1. OS ANTECEDENTES DA GUERRA

         No século XIX, as nações americanas emancipadas após a crise do sistema colonial lançaram-se ao desafio de estabelecer a soberania política e econômica de seus territórios. Essa seria uma tarefa bastante difícil, pois passados séculos de dominação colonial, esses novos países teriam que enfrentar os desafios estabelecidos pelo capitalismo industrial e financeiro do período.

 Segundo alguns estudiosos, o processo de independência das nações latino-americanas não significou o fim da subserviência política e da dependência econômica. Sob outros moldes, esses países ainda estavam presos a instituições corruptas e à antiga economia agroexportadora. Contrariando essa tendência geral, durante o século XIX, o Paraguai implementou um conjunto de medidas que buscavam modernizar o país.

Nos governos de José Francia (1811-1840) e Carlos López (1840-1862) o analfabetismo foi erradicado do país e várias fábricas foram instaladas com o subsídio estatal. Além disso, foi melhorado o abastecimento alimentício com uma reforma agrária que reestruturou a produção agrícola paraguaia ao dar insumos e materiais para que os camponeses produzissem. Esse conjunto de medidas melhorou a condição de vida da população e fez surgir uma indústria autônoma e competitiva.

        No ano de 1862, Solano López chegou ao poder com o objetivo de dar continuidade às conquistas dos governos anteriores. Nessa época, um dos grandes problemas da economia paraguaia se encontrava na ausência de saídas marítimas que escoassem a sua produção industrial. Os produtos paraguaios tinham que atravessar a região da Bacia do Prata, que abrangia possessões territoriais do Brasil, Uruguai e Argentina.

Segundo alguns historiadores, essa travessia pela Bacia do Prata era responsável, vez ou outra, pela deflagração de inconvenientes diplomáticos entre os países envolvidos. Visando melhorar o desempenho de sua economia, Solano pretendia organizar um projeto de expansão territorial que lhe oferecesse uma saída para o mar. Dessa maneira, o governo paraguaio se voltou à produção de armamentos e a ampliação dos exércitos que seriam posteriormente usados em uma batalha expansionista.

No entanto, outra corrente historiográfica, a revisionista, atribuiu o início da guerra aos interesses econômicos que a Inglaterra tinha na região. De acordo com essa perspectiva, o governo britânico pressionou o Brasil e a Argentina a declararem guerra ao Paraguai alegando que teriam vantagens econômicas e empréstimos ingleses caso impedissem a ascensão da economia paraguaia. Com isso, a Inglaterra procurava impedir o aparecimento de um concorrente comercial autônomo que servisse de modelo às demais nações latino-americanas.

Sob esse clima de tensão, a Argentina tentava dar apoio à consolidação de um novo governo no Uruguai favorável ao ressurgimento do antigo Vice Reinado da Prata, que englobava as regiões da Argentina, do Paraguai e Uruguai. Em contrapartida, o Brasil era contra essa tendência, defendendo a livre navegação do Rio da Prata. Temendo esse outro projeto expansionista, posteriormente defendido por Solano López, o governo de Dom Pedro II decidiu interceder na política uruguaia.

Após invadir o Uruguai, retaliando os políticos uruguaios expansionistas, o governo brasileiro passou a ser hostilizado por Solano, que aprisionou o navio brasileiro Marquês de Olinda. Esse fato, mais a invasão do território brasileiro sem declaração de guerra, foram a justificativa oficial para a entrada do Brasil na guerra. Dessa maneira, o Brasil estaria agindo em legítima defesa. A Inglaterra, favorável ao conflito, concedeu empréstimos e defendeu a entrada da Argentina e do Uruguai na guerra. No novo modelo explicativo o conflito é visto como parte do processo de expansão do imperialismo inglês pelo mundo.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (22.8 Kb)   pdf (211.8 Kb)   docx (24.1 Kb)  
Continuar por mais 13 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com