TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Polo Marco. O livro das maravilhas: a descrição do mundo

Por:   •  12/6/2014  •  Resenha  •  1.375 Palavras (6 Páginas)  •  242 Visualizações

Página 1 de 6

POLO, Marco. O livro das maravilhas: a descrição do mundo. Tradução de Elói Braga Júnior. L&PM, Porto Alegre, 2006.

VALENTINI, Luiz Henrique

Para compreendermos melhor os processos que levaram Marco Polo a realizar sua viagem ao oriente, devemos ter em mente que sua cidade natal, Veneza, e no século XII, devido a sua geografia, desenvolveu-se destacadamente no mercantilismo. Sua bacia facilitava a saída e a entrada de navios comerciantes de todas as regiões conhecida pelo homem nessa época de cristandade Ocidental.

Os Polo, Nicola, pai de Marco e Mafeu, eram grandes comerciantes europeus, buscavam em terras desconhecidas até então e consideradas perigosas, principalmente pelo fato de Gêngis Khan possuir um enorme exercito e implantar uma dinastia na China temida por todos os povos ao seu redor, lucros mercantilistas.

Veneza, capital portuária da Itália, despachou soldados e legiões para quase todas as cruzadas, principalmente a Quarta Cruzada. Outra importância de Veneza, se encontra descrito na introdução deste livro na página 12, onde Stéphane Yerasimos afirma que: “Veneza, verdadeira senhora de Constantinopla, atrás de um ‘Império Latino’, exercia um monopólio econômico sobre o mar Negro e daí sobre os terminais das estradas leste e norte, a da seda e a das peles”.

O fato de o cristianismo estar promíscuo na Europa e ser de certo modo autorizado na China, fez com que o rei da França e o papa, mandassem emissários prestar condolências e respeito à Dinastia dos Khan no século XII. Essas condolências tinham por objetivo em difundir o cristianismo por toda a China, o que não aconteceu, devido a enorme propagação do budismo na China medieval.

Esta nova “aliança”, Europa-China, propiciou muito o entesouramento de mercadores do mundo Ocidental, principalmente pelo fato de povos ao redor da China se tornar vassalos dos Khan, ou da dinastia dos Yuhan.

Os Polo, em 1265, atravessam a rota da seda, pertencente ao monopólio do grande Cublai Kahn, e se encontram com o mesmo, sendo ele neto de Gêngis Kahn, também conhecido neste livro pelo Grande Khan. Cublai, pede aos mesmo, que voltem a Roma e peçam ao papa que lhe envie cerca de cem homens sábios para ensinar e propagar a doutrina cristã na China.

Ao saírem de Veneza, Mafeu e Nicolai, atracam em Constantinopla, de lá saem a cavalo até a Pérsia, repletos de mercadorias eurpoeias, se encontram com o emissário do grande Cã, onde este, lhes pede que o acompanhem para matar a curiosidade de seu soberano, que nunca tinha visto um ocidental pessoalmente. Os Polo aceitam a proposta e partem rumo a China.

Ao chegarem o grande Cã, os recebe com festividades e todas as honras possíveis, fala sobre seu método de justiça e lhes interroga sobre os imperadores, príncipes e sobre o papa e a doutrina crista, elementos que imperavam na Europa Ocidental. A comunicação entre os Polo e o Grande Cã se deu através do idioma tártaro que todos os homens comerciantes e sábios do Ocidente sabiam ou deveriam saber.

O grande Cã, pede que voltem a Roma e peçam ao papa que o mande cerca de cem sábios do cristianismo para aplicar essa religião nos domínios mongóis. Para a viagem, o Grande Cã prepara os passaportes escritos em turco e um representante nobre mongol denominado por Cogatai para acompanhar a viagem.

Ao chegarem em Acre, no mês de abril do ano de 1269, recebem a noticia que o papa Clemente IV havia falecido, e esperam ai até a nova eleição de um papa. Passado vários meses, Nicolai, fica sabendo da morte de sua esposa e que a mesma havia deixado um filho de quinze anos, Marco. Ao saberem das tristes noticias partem a Veneza e pegam Marco.

Ao partirem de Veneza, chegando em Laias, recebem a noticia da escolha do novo papa, denominado Gregório. Em Laias, um emissário do papa requisita a presença de Mafeu e Nicolai a frente do sumo pntífice. O papa os recebe calorosamente e manda junto deles dois grandes sábios do cristianismo, Nicolau de Vicenza e Guilherme de Trípoli.

Quando chegaram a Bodocardi, o sultão da Babilônia, invadiu a Armênia causando um grande estrago, fazendo com que os dois diplomatas hesitassem em prosseguir.

Prosseguindo, os Polo chegam a grande cidade tártara onde se encontrava o Grande Cã, que os recebeu novamente com festividades e com alegria, pois seus embaixadores haviam conseguido tudo o que ele vos tinha pedido.

Quanto à presença de Marco, o Grande Cã, ficou admirado com a habilidade do menino em se adaptar as tradições tártaras e a sua facilidade em dominar vários idiomas, pois sua viagem havia propiciado a Marco que aprendesse quatro línguas estrangeiras. Com isto, o nomeou seu embaixador e designou Marco a uma viagem de seis meses, representando o Grande Cãn.

A

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.2 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com