TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Lista de Exercícios para Revisão

Por:   •  18/5/2020  •  Trabalho acadêmico  •  1.872 Palavras (8 Páginas)  •  5 Visualizações

Página 1 de 8

Lista de Exercícios para Revisão

Disciplina: Psicopatologia II

Instruções:

Na sequência, encontra-se uma lista com 15 perguntas, envolvendo os temas: função paterna e materna, estruturas psíquicas gerais, a questão do diagnóstico em Psicanálise, a estrutura neurótica histérica e a estrutura neurótica obsessiva.

Perguntas e respostas:

1. O que significa dizer que a mãe é um ser em falta? Qual a importância dessas características da mãe para a constituição da psiquê do filho?

R: A criança é tratada como uma solução para a falta feminina, já que o falo é o significante que faz da mulher um ser em falta. Ser mãe é correlato da falta do objeto essencial para a mulher: o falo.

Para a mãe, a criança, longe de ser apenas a criança, é também o falo. Ao tomar este valor de falo, ela se identifica com o significante do desejo materno. Resta saber de que modo a criança vai se instalar na relação da mãe com sua falta a ter do falo. Como a criança vai se engajar, se introduzir e se substituir ao apetite materno pelo falo faltoso.

Do ponto de vista da mãe, o filho é tomado como seu único objeto de desejo. O desejo, a rigor, não tem objeto. Trata-se de uma busca constante por algo a mais.

O desejo é (um)a falta. É fundamental que a mãe se mostre como um ser incompleto, permeada pela falta.

2. O que significa dizer que a mãe e o bebê têm uma relação dual?

R: O que caracteriza o modo dual de relação é a indistinção entre o si e o outro. Trata-se mais de uma demarcação do próprio corpo do que de uma individualidade. Não se trata de um corpo biológico. Mas sim, imaginário, formado pelas inscrições maternas.

Ser o desejo, do desejo do outro é o que caracteriza a criança nessa etapa da vida. Esse momento corresponde à entrada do pai em cena, e a formação da família. É o momento do édipo.

Segundo Lacadée (1996, p. 74), os pós-freudianos, orientados pela relação de objeto, pela relação primária mãe-criança e pelo narcisismo primário, consideram que a relação mãe-criança é essencialmente dual. A criança é vista, por estes teóricos, como um ser em via de desenvolvimento, um objeto parcial, pronto para a satisfação com o objeto “adequado e harmonioso” que a mãe deve ser, ao aprender a interagir com a onipotência da criança. O centro desta teorização está na interação e adaptação da criança a seu meio, e é necessário ensinar a mãe a ter uma capacidade “elevada” de interagir com a criança.

3. Defina o significante “Nome do pai”, trazido por Lacan. Qual é a lei do pai?

R: Lacan (1958/1999) afirma que o Nome do pai está no cerne da questão edipiana. Isso significa que a criança não será mais o falo da mãe, o que indica que a mãe segue desejante e não plena, pois o desejo é sinônimo de falta, de castração. Nesse ponto, é como se a criança se questionasse sobre seu lugar no desejo do Outro, o que o Outro quer dela. A resposta a essa questão aponta para a estruturação psíquica do sujeito.

Portanto, o Nome do pai se apresenta como o significante que define as estruturas clínicas, neurose, psicose e perversão, cada uma delas sendo o modo pelo qual o sujeito lida com a castração, respondendo à questão sobre o desejo do Outro. Trata-se de uma referência à lei de proibição ao incesto. O complexo edípico instaura a lei paterna.

4. Qual a importância da figura paterna na constituição saudável da psiquê do filho? O que acontece com a relação dual estabelecida até então?

R: A entrada do pai na relação mãe-bebê é fundamental no estabelecimento do psiquismo. Ao pai cabe a função da lei, da regra (apreende que tem coisa que pode e coisa que não pode). Com a entrada do pai na relação, a mãe é colocada na função de mulher, de proibida. Trata-se de uma função simbólica de separação da mãe-bebê.

5. Caracterize, de forma genérica, a Estrutura Neurótica. E indique como a função paterna contribui para o seu desenvolvimento.

R: A assimilação do “Nome do pai” é fundamental na estrutura neurótica. De Pai real (não conheço), Pai imaginário (rival), para Pai Simbólico (desejo da mãe).

Para que a lei seja fundada no pai (incesto), é preciso o assassinato do pai. O pai que promulga a lei é o pai morto.

6. Caracterize, de forma genérica, a Estrutura Psicótica. E indique como a função paterna contribui para o seu desenvolvimento.

R:

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11.4 Kb)   pdf (46.9 Kb)   docx (12.8 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com