TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Farmácia clínica e farmacologia dos medicamentos isentos de prescrição

Por:   •  10/11/2016  •  Trabalho acadêmico  •  3.339 Palavras (14 Páginas)  •  293 Visualizações

Página 1 de 14

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

JULIA TATIANY LEGNANI VIEIRA

FARMÁCIA CLÍNICA E FARMACOLOGIA DOS MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO

Vitória

2016

         

JULIA TATIANY LEGNANI VIEIRA

FARMÁCIA CLÍNICA E FARMACOLOGIA DOS MEDICAMENTOS ISENTOS DE PRESCRIÇÃO

Trabalho Acadêmico apresentado ao Professor Filipe Dalla da Disciplina de Farmacologia, do Curso de Farmácia da Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo.

Vitória

2016


  1. INTRODUÇÃO

Ao longo do tempo a profissão farmacêutica vem sofrendo transformações, consequentemente houve o desenvolvimento e mecanização da indústria farmacêutica, associada à padronização de formulações de medicamentos em larga escala e a descoberta de novos fármacos, sempre considerados de eficácia superior pela indústria farmacêutica. Inclui-se a estes fatos a progressão das formas farmacêuticas, remodelando ações terapêuticas de fármacos. Estes avanços levaram a redução progressiva dos laboratórios magistrais das farmácias, até então definida como primeira atividade do farmacêutico, definida pela sociedade e o âmbito profissional (FREITAS, 2002).  

Diante do avanço tecnológico, o farmacêutico, na farmácia passou a ser denominado como um mero vendedor de medicamentos. A insatisfação motivada por esta condição levou estudantes e professores da universidade de São Francisco (EUA), na década de 1960, à profunda reflexão, na qual sucedeu no movimento denominado “Farmácia clínica”. Esta nova atividade resultou na aproximidade do profissional farmacêutico ao paciente e à equipe de saúde, assim possibilitando o desenvolvimento de habilidades relacionadas à farmacoterapia (MENEZES, 2000). Desse modo, pretendendo orientar e estender a atuação do profissional farmacêutico para as ações primária em saúde, tendo em vista o medicamento insumo estratégico e o paciente como foco principal. Iniciaram a construção inconsciente do conceito de Atenção Farmacêutica, que só viria a receber essa terminologia no final da década de 1980, através da ampliação por Brodie, Parish e Poston, que reivindicou que o farmacêutico deveria oferecer e realizar todos os serviços necessários para o tratamento farmacoterapêutico eficaz (MIKEAL, 1975).  

 Segundo os autores do artigo, A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil, publicada pela Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, 2008, afirmavam que o farmacêutico deveria prestar “a atenção que um dado paciente requer e recebe com garantias do uso seguro e racional dos medicamentos”. E foi sugerido que “Atenção Farmacêutica é a provisão responsável do tratamento farmacológico com o objetivo de alcançar resultados satisfatórios na saúde, melhorando a qualidade de vida do paciente”. 

Na reunião da Organização Mundial de Saúde (OMS), este conceito foi discutido, aceito e ampliando, assim foi definido o papel chave do farmacêutico: “estender o caráter de beneficiário da Atenção Farmacêutica ao público, em seu conjunto e reconhecer, deste modo, o farmacêutico como dispensador da atenção sanitária que pode participar, ativamente, na prevenção das doenças e da promoção da saúde, junto com outros membros da equipe sanitária” (OMS, 1994).

1.1 LEGISLAÇÃO

No Brasil, a primeira vez que foi mencionado sobre os medicamentos de prescrição (MIP), foi através da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o controle sanitário de medicamentos. Ressaltando que os medicamentos podiam ser comercializados em estabelecimentos hoteleiros e similares para atendimento exclusivo de seus usuários. Somente em 29 de maio de 2013 que a ANVISA publicou RDC n° 138, que dispõe sobre o enquadramento na categoria de venda de medicamentos, onde foi realizado a Lista de Grupos e indicações Terapêuticas Especificadas (GITE). O desenvolvimento do GITE relatou-se em critérios como índice terapêutico, toxicidade, legislações internacionais e a lista de medicamentos essenciais (RENAME), todo medicamento que se enquadra dentro do GITE é considerado um MIP (BRASIL, 2003).

A RDC nº 138, de 29 de maio de 2003, destaca que os medicamentos cujos grupos terapêuticos e indicações terapêuticas não estejam presentes no GITE, precisam de prescrição médica. Da mesma forma, ocorre nas associações medicamentosas, cujo grupo terapêutico e indicação terapêutica de pelo menos um dos princípios ativos contidos não estiverem presentes no GITE, só poderão ser dispensados sob prescrição médica. (BRASIL, 2003).

Segundo a RDC 138/03 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), incluem-se entre os MIP’s, respeitadas restrições em situações especificadas, grupos de medicamentos tais como: antiácidos e antieméticos; anti-histamínicos; antiácidos, vitaminas e minerais; anti-inflamatórios; analgésicos e antitérmicos; cicatrizantes; descongestionantes nasais tópicos; expectorantes, sedativos da tosse e relaxantes musculares (RIZZI, 2010).

...

Baixar como (para membros premium)  txt (22.6 Kb)   pdf (162.1 Kb)   docx (18.2 Kb)  
Continuar por mais 13 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com