TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

RELATÓRIO PRÁTICA SOLOS CISALHAMENTO DIRETO

Por:   •  17/9/2018  •  Relatório de pesquisa  •  856 Palavras (4 Páginas)  •  96 Visualizações

Página 1 de 4

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO[pic 1]

CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ENGENHARIA CIVIL

MECÂNICA DOS SOLOS I

ENSAIO DE CISALHAMENTO DIRETO

NOME DA EQUIPE: Pedro Daltro, Raquel Maximiane e Luis Mateus

TURMA:

HORÁRIO: 4LM

PROFESSOR: Wellington Amorim

2017

ENSAIO DE CISALHAMENTO DIRETO

  1. Objetivo do ensaio

A resistência ao cisalhamento de um solo consiste na máxima tensão de cisalhamento que o solo pode suportar sem sofrer ruptura. O ensaio de cisalhamento direto tem o objetivo de estudar essas tensões e assim saber qual a resistência ao cisalhamento de um dado solo.

  1. Material utilizado
  • Molde metálico;
  • Cronômetro;
  • Balança com precisão de 0,01g;
  • Dois defletômetros sensíveis a 0,01mm;
  • Prensa de cisalhamento direto;
  1. Procedimento experimental

O corpo de prova é moldado a partir de uma amostra indeformada. Inicialmente acerta-se o topo da amostra indeformada. Colocando-se o molde metálico sobre ela, pressionando-o levemente e obrigando-o a penetrar na amostra. A medida que o molde é introduzido, deve-se afastar o solo ao redor do mesmo com o auxílio de uma faca pequena. Essa operação deve prosseguir até que o solo apareça um pouco acima do molde metálico. Em seguida, rasa-se o topo e destaca-se a base, rasando também do outro lado.

 Feito isto, o corpo de prova estará pronto para o ensaio de cisalhamento direto. Logo em seguida o conjunto é posto dentro da célula de cisalhamento bipartida, que é devidamente encaixado e instalado na prensa. O corpo de prova é inicialmente comprimido por uma força normal (carga inicial), mede-se a deformação vertical até estabilizar-se, seguindo-se a aplicação da forca cisalhante. Deslizando-se a metade superior do corpo de prova em relação à inferior. Esta força impõe um deslocamento horizontal (∆l) à amostra até a ruptura do corpo de prova. Realizamos a leitura das medidas estabelecidas no extensômetro vertical e extensômetro do anel metálico. Com esses dados em mãos podemos calcular a tensão cisalhante de ruptura, que obtemos a partir de cada tensão normal aplicada.

  1. Resultados

O resultado do ensaio é dado graficamente pela variação da tensão de cisalhamento em função dos deslocamentos horizontais e, complementarmente, pela variação da altura do corpo de prova em função dos deslocamentos horizontais.

ITEP

 

 

 

 

 

 

 

 

LABORATORIO DE SOLOS E INSTRUMENTAÇÃO

 

PROJETO:

Cisalhamento direto convencional

2,619

 

SOLO:

 

ENSAIO CISALHAMENTO DIRETO

 

TÈCNICO:

 

DADOS INICIAIS

.

 

 

UMID. INICIAL (%)

UMID. FINAL (%)

PESO INICIAL SOLO + RECEPTÁCULO

 

(g)

282,83

21

41

67

2

PESO RECEPTÁCULO

(g)

84,03

34,24

37,79

60,2

65,6

PESO CORPO DE PROVA

(g)

198,80

32,32

35,68

52,8

57,5

LADO

 

 

(cm)

5,02

13,14

13,55

7,7

7,5

ALTURA

 

 

(cm)

3,00

1,9

2,1

7,4

8,1

ÁREA

 

 

(cm2)

25,20

19,18

22,13

45,1

50

VOLUME

 

 

(cm3)

75,60

23,00

23,00

16,41

16,20

DENSIDADE (γh)

 

(g/cm3)

2,63

 

 

 

 

DENSIDADE (γsec)

 

(g/cm3)

2,138

 

 

 

 

PESO DO SOLO SECO

(g)

 

23,00

 

16,30

 

CP

σc (kgf/cm2)

σcr (kgf/cm2)

εr (%)

eo

ef

so

sf

A. DOS SÒLIDOS

.

4

 

 

 

0,23

 

267,69

 

 

VELOC (mm/min)

1,164

LEITURA DO EXTENSÔMETRO DE DEFORMAÇÃO VERTICAL (mm)

 

 

ENSAIO:

inundado

 

Antes de aplicar a σ inic. =

5

 

 

 

DENSIDADE REAL =

 

Após aplicar a σ inic. =

4,48

 

 

 

FORÇA NORMAL =

38,617

.

 ANEL DINAMOMETRICO

C. (kg/div>)

0,16

TENSÀO N. INICIAL =   1.0

ICIAL

200

Carga=2,160

 

Extensômetro

Variação

Extensômetro

Deslocam.

Deformação

Área

Extensom.

Força

Tensão de

τ/σn(kPa)

vertical

altura (Δh)

Horizontal

Horizontal

Específica

Corrigida

Anel

Horizontal

Cisalhamento

 

(mm)

(mm)

(mm)

(mm)

Σ(%)

A' (cm3)

 

(kg)

τ(kPa)

 

5

0

0,00

0,000

0,00

25,20

0

4

0,00

0,00

5,03

0,20

0,173

0,344

25,11

4

0,00

0,00

5,065

0,40

0,358

0,712

25,02

5

17,59

0,35

5,11

0,60

0,525

1,046

24,94

6

27,27

0,55

5,17

0,80

0,694

1,382

24,85

8

48,29

0,97

5,339

1,00

0,905

1,803

24,75

8

68,54

1,37

5,47

1,50

1,454

2,896

24,47

10

62,12

1,24

5,565

2,00

1,958

3,900

24,22

11

30,39

0,61

5,65

2,50

2,459

4,898

23,97

12

28,17

0,56

5,785

3,00

2,960

5,896

23,71

13

27,66

0,55

5,81

4,00

3,962

7,891

23,21

14

27,57

0,55

5,88

5,00

4,963

9,885

22,71

14

27,13

0,54

5,95

6,00

5,964

11,880

22,21

14

27,02

0,54

6,005

7,00

6,966

13,875

21,70

11

26,54

0,53

6,05

8,00

7,968

15,872

21,20

13

26,04

0,52

6,1

10,00

9,973

19,866

20,19

25,75

0,52

6,128

12,00

11,976

23,856

19,19

22,93

0,46

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FRANCISCO - 15/03/97

[pic 2]

[pic 3]

As curvas de ruptura (tensão x deformação) obtidas nos ensaios de resistência têm-se que na ruptura frágil depois de atingir a tensão máxima, a resistência cai acentuadamente ao se aumentar a deformação, já na ruptura plástica o esforço 4máximo é mantido com a continuidade da deformação. Pode-se obter assim a chamada resistência “residual”.

A ruptura “Frágil” é típica de ocorrência em argilas rijas e duras ou areias compactas, enquanto que a ruptura “Plástica” é típica de ocorrência em argilas moles ou médias ou areias fofas ou pouco compactas.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8 Kb)   pdf (371.3 Kb)   docx (56.3 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com