TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Desenvolvimento de negócios no Brasil

Artigo: Desenvolvimento de negócios no Brasil. Pesquise 787.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  21/4/2014  •  Artigo  •  1.069 Palavras (5 Páginas)  •  242 Visualizações

Página 1 de 5

O conceito

Ao falar sobre indivíduos empreendedores, Amit (1993) observou: “estes indivíduos ultrapassaram seus limites, enfrentando e superando as dificuldades, tanto da época quanto pessoais e desenvolveram negócios lucrativos e duradouros. Mesmo quando não tiveram êxito em um primeiro momento, não desistiram e recomeçaram”.

A palavra empreendedor é derivada da palavra francesa entrepeneur, que foi usada pela primeira vez em 1725 pelo economista irlandês Richard Cantillon para designar o “indivíduo que assumia riscos”. Embora a palavra tenha quase três séculos de existência, a origem do empreendedorismo se perde no tempo.

Antes de abordar o empreendedorismo no Brasil é necessário compreender como evoluiu esse conceito.

Os primórdios do empreendedorismo

Se considerarmos a evolução humana, pode-se dizer que o homem primitivo já possuía uma veia empreendedora. Naquela época, para sobreviver era necessário construir diversas ferramentas que tinham por objetivo agilizar a caça de animais. Para se ter uma ideia, o Homo Habilis, um dos ancestrais da atual raça humana, surgiu há aproximadamente 2 milhões de anos, e já possuia hábitos de caça.

Milhares de anos se passaram e um importante salto para o empreendedorismo ocorreu com as grandes civilizações antigas. Um bom exemplo são os egípcios, famosos por suas pirâmides. Para construir uma dessas maravilhas, estima-se que eram necessários 30 mil homens e 20 anos de trabalho. Na agricultura pode-se observar a perspicácia desse povo, que aproveitava a cheia do rio Nilo para preparar a terra para o plantio da safra seguinte. Além disso, eles foram muito importantes para áreas como a matemática e a engenharia.

Empreendedorismo em ascensão

Mas o que eram apenas esforços para a sobrevivência (dos homens primitivos) e demonstração do conhecimento acumulado ao longo dos séculos (como as construções edificadas pela civilização egípcia), posteriormente ganhou contornos econômicos a partir do século XV. Pelas palavras de Fernand Braudel “as grandes concentrações econômicas pedem concentrações de meios técnicos e o desenvolvimento da tecnologia: assim ocorreu com o Arsenal de Veneza no século XV, com a Holanda no século XVII, com a Inglaterra no século XVIII”.

O século XVI também merece especial atenção. Movidos pela efervescência das feiras internacionais da época (as feiras de Antuérpia, de Frankfurt e de Lyon são alguns exemplos), os europeus desbravaram o mundo em uma época que ficou conhecida como o período das Grandes Navegações. Holandeses, ingleses, portugueses e espanhóis são os grandes representantes desse movimento, expandindo suas missões empreendedoras pelos demais continentes do mundo.

A inteligência e a eficácia do trabalho humano cresceram de tal forma que a produção (principalmente de mercadorias e alimentos) tornou-se excessiva. Para dar vazão a esse acúmulo é que surgiu o mercantilismo, a semente de tudo que conhecemos hoje em termos de empreendedorismo.

O empreendedorismo no Brasil

Foi a partir do século XVII que os portugueses, percebendo a imensidão e o grande potencial de exploração do território brasileiro, começou a ocupar definitivamente essas terras, distribuindo-as aos cidadãos portugueses, vindos principalmente da região de Açores.

Dentre os homens que realizaram os mais diversos empreendimentos (muitos deles à custa de trabalho escravo degradante), um merece destaque: Irineu Evangelista de Sousa, o Barão de Mauá. Descendente dos primeiros empreendedores portugueses, ele foi responsável pela fabricação de caldeiras de máquinas a vapor, engenhos de açúcar, guindastes, prensas, armas e tubos para encanamentos de água. Foi responsável também pelos seguintes empreendimentos:

Organização de companhias de navegação a vapor no Rio Grande do Sul e no Amazonas;

Implantação, em 1852, da primeira ferrovia brasileira, entre Petrópolis e Rio de Janeiro;

Implantação de uma companhia de gás para a iluminação pública do Rio e Janeiro, em 1854;

Inauguração do trecho inicial da União e Indústria, primeira rodovia pavimentada do país, entre Petrópolis e Juiz de Fora, em 1856.

Seu legado foi tamanho que ele ainda hoje é reconhecido como uns dos primeiros grandes empreendedores do Brasil. Ao longo do século XX outros empreendedores também deixaram sua marca na história brasileira. São eles:

Luiz de Queirós – precursor do agronegócio brasileiro e grande incentivador da pesquisa cientifica no setor. Foi o criador da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), umas das unidades fundadoras da USP;

Attilio Francisco Xavier Fontana – foi deputado, senador e vice-governador

...

Baixar como (para membros premium)  txt (7.7 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com