TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

O 2º Reinado no Brasil - lvro Cidadania do Brasil

Por:   •  20/3/2020  •  Trabalho acadêmico  •  858 Palavras (4 Páginas)  •  9 Visualizações

Página 1 de 4

Trabalho de história – capítulo 10 – livro Cidadania do Brasil


[pic 1]

2º Reinado (1840-1889)

  1. Questão política:
  • Semelhança ideológica dos partidos Conservador e Liberal: “nada mais conservador do que um liberal no poder e nada mais liberal do que um conservador no poder”
  • Parlamentarismo às avessas: comparado ao modelo do parlamentarismo inglês, o parlamentarismo brasileiro criado pelo imperador D. Pedro II era o inverso.

[pic 2][pic 3][pic 4][pic 5][pic 6][pic 7][pic 8][pic 9][pic 10]

[pic 11]

[pic 12]

        [pic 13]

[pic 14]

[pic 15]

[pic 16]

[pic 17]

[pic 18]

[pic 19]

  • Gabinete da Conciliação (1853-1865): formação de ministérios com políticos de ambos os partidos (Liberal e Conservador), a fim de garantir a estabilidade política necessária para o governo imperial.

  1. Revolução Praieira (1848-1850/Recife):
  • Movimento que aconteceu devido a substituição do presidente da província de Pernambuco, que antes era Liberal, por um político Conservador que foi nomeado por D. Pedro II
  • Organizado pelo Partido Liberal
  • Outro fator essencial para a eclosão da revolução foi a oposição ao domínio político da família Cavalcanti e ao governo central
  • “Manifesto ao Mundo”: documento que exigia sufrágio universal, liberdade de imprensa, extinção do Poder Moderador, defesa da república e direito ao trabalho
  1. Questão econômica:

3.1 Café

  • A partir de 1920, o café se expandiu pelo Vale do Paraíba, com o uso extensivo da mão de obra escrava. Já em 1940, a região do Oeste Paulista também começou a investir no café, porém com o uso da mão de obra livre do imigrante.
  • Com a implantação da lavoura cafeeira no Oeste Paulista, esse se torna o principal centro produtor de café no país e esse produto também se torna o primeiro lugar na pauta de exportação, sendo os Estados Unidos o principal mercado consumidor.

  1. Era Mauá (década de 1850 – 1º surto industrial)
  • Protagonista: Barão de Mauá - político e industrial brasileiro, que tinha como
  • O desejo de acelerar o cenário industrial do Brasil era prejudicado pela concentração de interesses no campo, trabalho escravo e a aristocracia que investia somente em terras e na própria segurança.
  • Fatores de contribuição: Tarifa Alves Branco e a liberação de capitais decorrente da extinção do tráfico negreiro.
  • Implantação de diversas indústrias, bancos, companhias de seguros, navegações a vapor, colonização, etc.
  • Motivo do fracasso do projeto: instabilidade da política tarifária.

4. A Questão Servil:

  • Durante a primeira metade do século XIX, o Brasil sofreu grande pressão inglesa para extinguir o tráfico e o trabalho escravo. Pois em 1945, a Inglaterra aprovou a Lei Bill Aberdeen, tornando lícito o apresamento, em alto mar, de qualquer navio suspeito de tráfico
  • Dessa forma, como consequência da lei criada pela Inglaterra, o Brasil acabou aprovando em 1850, a Lei Eusébio de Queiróz, que colocou fim ao tráfico negreiro no Brasil
  • Em 1850, também foi aprovada a Lei de Terras, na qual regulamentava o acesso a terras somente pela compra, e exigia o registro de terras adquiridas por sesmarias ou ocupadas livremente. As terras não registradas, eram chamadas de terras devolutas e pertenciam ao Estado.
  • Após a Lei Eusébio de Queiróz, tornou-se muito caro possuir escravos, dessa forma, os produtores de café começaram a empregar a mão de obra livre e assalariada em suas lavouras. Sendo grande parte dos empregados, imigrantes, italianos e alemães
  • A escravidão no Segundo Reinado teve seu fim, gradativamente, devido as elites rurais, que tentavam adiar ao máximo seu fim, pois usufruíam da mão de obra nas lavouras, além do receio do governo em relação a rebeliões pelo país caso houvesse uma ruptura imediata.
  • Assim, houve a criação de novas leis como: Lei do Ventre Livre (1871): filhos de escravas nascidos a partir dessa lei eram considerados livres; Lei dos Sexagenários (1885):  escravos com 60 anos ou mais ganharam liberdade; Lei Áurea (1888):  decretou o fim da escravidão no Brasil.

5. Política externa:

  • Em 1864, uma grande guerra eclodiu na América do Sul, a Guerra do Paraguai. O início do conflito se deu após o Paraguai aprisionar um navio brasileiro e invadir o sul do Mato Grosso.
  • Com a pretensão de anexar territórios argentinos e uruguaios, os três países: Brasil, Argentina e Uruguai, formaram a Tríplice Aliança, com o objetivo de combater o Paraguai.
  • Com o fim da guerra em 1870, e apesar da vitória da Tríplice Aliança, o Brasil acabou com uma dívida externa elevada e com um exército fortalecido.

6. Decadência do Império e proclamação da República:

  • Império começa a perder apoio de alguns setores da sociedade, como: Igreja católica, já que nenhuma ordem do papa vigorava no país sem antes ser aprovada pelo Imperador, além da prisão de dois bispos, o que acabou afetando ainda mais a relação; Militares que se viam pouco reconhecidos pelo governo pelos baixos salários; Elite foi parando de apoiar o governo à medida que novas leis abolicionistas iam sendo criadas.
  • Excessivos gastos com a Guerra do Paraguai e as mortes causadas por ela também enfraqueceram o império.
  •  Assim, Benjamim Constant, Quintino Bocaiúva e Aristides Lobo foram importantes divulgadores dos ideais republicanos naquela época.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.4 Kb)   pdf (77.7 Kb)   docx (17.7 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com