TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Administração Cientifica

Por:   •  9/4/2013  •  1.805 Palavras (8 Páginas)  •  531 Visualizações

Página 1 de 8

Nada superou a Gestão Científica?

“O Taylorismo é o único sistema de Administração coerente e lógico e, assim, ensinável” - (Deam Harolw Person)

Este é um assunto que tem me causado muitas inquietações nos últimos anos. Depois da experiência de Hawthorne, talvez, nunca se falou tanto em administrar pessoas nas organizações como nos dias atuais. Em 2011 comemoram-se os 100 anos do lançamento do livro Scientific Management, de Frederick Winslou Taylor. Anos antes, em 1903, ele já havia publicado Shop Management, que enfatizava as técnicas de racionalização do trabalho do operário por meio do estudo dos tempos e movimentos. Nas duas publicações seu autor buscava freneticamente a redução do esforço físico do trabalhador e o aumento da produtividade.

O que faz a Gestão Científica permanecer viva e ativa no século 21, em plena era de tantos avanços tecnológicos no campo da produção e dos serviços? Frank Barkley Copley, um dos primeiros biógrafos de Taylor, nos dá uma ideia da resposta sobre o tema quando em 1923, finaliza sua obra Frederick W. Tayrlor Father of Scientific Management, com uma expressão digna de profunda reflexão: “the work of the mind endures”. Temos que concordar com o autor que a Gestão Científica foi uma iniciativa criativa e inteligente, até porque no século passado foi um modelo de gestão utilizada tanto pelo capitalismo como pelo “comunismo” e continua sendo praticada nos dias de hoje, por pequenas, médias e grandes empresas. Para alguns gurus da Administração - como Gary Hamel, o criador da Gestão Científica deveria ser considerado como um dos grandes benfeitores da humanidade à invenção da administração científica no início do século 20, que transformou a política esclarecida e a descoberta científica em propriedade global. Por sua vez Peter Drucker afirmava que “a Gestão Científica pode muito bem ser a mais poderosa e também a mais duradoura contribuição que os Estados Unidos deram ao pensamento ocidental desde os Documentos Federalistas”.

Se, para os capitalistas, a Gestão Científica era quase uma religião, para os “comunistas” a importância era ainda maior. Segundo Mattew Stewart (filósofo e crítico da Gestão Científica), “em 1918, nas páginas de Pravda, Vladimir Lênin declarou: 'devemos organizar na Rússia o estudo e os ensinamentos do sistema de Taylor e sistematicamente experimentá-los e adaptá-los a nossos resultados'”. Conforme Castelles (1999) “enquanto no Fordismo a aceleração do trabalho estava associada a dinheiro com aumento do pagamento, no Stalinismo não só o dinheiro era um mal segundo a tradição russa, mas o tempo deveria ser acelerado por motivação ideológica”. A prática da Administração Científica na União Soviética nos tempos de Lênin significou trabalhar mais por unidade de tempo como um serviço para o país, pois essa prática antecipava planos de cinco anos serem cumpridos apenas em quatro.

Anterior à experiência de Hawthorne, os críticos da Gestão Científica vêm tentando encontrar uma maneira de gerenciar as organizações de forma mais humana. Conforme Stewart, a proposta do australiano Elton Mayo - quando desembarcou nos Estados Unidos no porto de São Francisco em 1º. de agosto de 1922, era substituir o Taylorismo por uma abordagem mais humana à administração. Mas Mayo não era o único a olhar a Gestão Científica de forma “desumana”. Os sindicatos americanos, bem como a imprensa e os artistas da época, discordavam dos métodos de Taylor desde as primeiras décadas do século 20. Folett abordava em seus estudos temas como o trabalho em grupo e a responsabilidade de cada pessoa na empresa, defendia o trabalho social e as pessoas como componente central das organizações.

Na segunda metade do século 20 surgiram novos modelos de gestão que tentaram superar a Gestão Científica por modelos mais humanos e descentralizados. Desta vez não são só os Estados Unidos que exportam modelos. Com a gestão da qualidade, o Japão pós-guerra passa de imitador a exportador de produtos com qualidade total. Em seguida vem uma enxurrada de novos modelos de gestão escrita por professores e gurus com receitas que não conseguem substituir os quatros princípios da Gestão Científica. A Administração Científica tem a preocupação de racionalizar e padronizar os processos e se fundamenta em quatro princípios: princípio do planejamento, do preparo, do controle e da execução.

Princípio do planejamento: Apesar de existirem muitas produções acadêmicas e empresariais no campo da gestão ainda não conseguiram criar algo novo que substitua o planejamento na empresa. Ao contrário, se não planejarmos os objetivos futuros da empresa, estaremos planejando o fracasso do

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11.8 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com