TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E MERCADOS DE CAPITAIS

Por:   •  27/9/2014  •  2.235 Palavras (9 Páginas)  •  889 Visualizações

Página 1 de 9

ANHANGUERA EDUCACIONAL

CURSO SUPERIOR EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

ATPS

INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS E MERCADOS DE CAPITAIS

Etapa 1

SÃO PAULO

2014

As principais características da política econômica e da política monetária dos governos Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva

FHC LULA

• Entre 1995 e 2002, norteou-se basicamente pelo princípio da reforma do setor público e pelo Estado Mínimo. O Estado tinha um papel quase inexistente na política econômica, ficando restrito à regulação e fiscalização. • No inicio do governo Lula Estado, que antes tinha uma participação tímida na economia, passou a ter um papel de maior destaque, não apenas regulando, mas também planejando e investindo.

• Crédito/PIB 23,9% registrados em dezembro de 2002, quando terminou o governo FHC.

• Crédito/PIB, em março de 2010, era de 45%. O maior volume de crédito foi um fator determinante para atenuar os efeitos da crise financeira de 2008/2009 sobre a economia brasileira.

• O governo ficou mais focado na política macroeconômica, desenvolvendo um rígido processo de ajuste fiscal.

• O governo foi marcado pelo desenvolvimento de políticas setoriais de grande destaque, que colaboraram decisivamente para colocar o Brasil na rota do crescimento continuado.

• A Selic estava em níveis altíssimos, o que ampliava ainda mais o valor final da dívida pública. • Nos anos de 2003 e 2004, uma das prioridades da equipe econômica foi justamente a redução dessa exposição cambial, tendo como meta o controle da dívida pública interna.

• Segundo dados do Banco Central, em dezembro de 2002, a parcela da dívida pública atrelada ao câmbio era de 33,5%. • Segundo dados do Banco Central, em março de 2010, a parcela da dívida pública atrelada ao câmbio era de para 0,6%.

• Em 2002, a inflação medida pelo IPCA, do IBGE, havia encerrado o ano em 12,53%, enquanto o IGP-M, da Fundação Getúlio Vargas, havia registrado elevação de 25,31%. Devido uma forte onda inflacionária, usou tardiamente a política monetária, iniciou-se, assim, um ciclo de aperto monetário, com vistas a derrubar a inflação.

• Quando assumiu, a equipe econômica constatou de que era preciso inicialmente manter a política de arrocho monetário, de forma a controlar a inflação e levá-la a níveis inferiores àqueles da ocasião.

• Em dezembro de 2002, a Selic estava em 25% ao ano. • Em maio de 2003, a Selic chegou a 26,5% ao ano como forma de segurar o avanço da inflação. Com a inflação já sob controle, o Copom iniciou uma série de reduções da taxa Selic, que encerrou o ano de 2009 a 8,75% ao ano.

• Foi marcado por um crescimento baixo, elevado nível de desemprego, aceleração inflacionária a partir de 1999, juros elevados e alta exposição cambial.

• Alterando os rumos da política econômica, conseguiu níveis expressivos de crescimento econômico, geração recorde de empregos, redução dos juros, recuo da inflação e diminuição da exposição cambial do Brasil.

• Enquanto em 2002, no governo FHC, o risco país chegou a 2.400 pontos base. • Com a melhora dos fundamentos econômicos promovida pelo governo Lula, o indicador está atualmente em torno dos 240 pontos base.

A política Fiscal Brasileira:

Limites e Entraves ao Crescimento

Uma vasta literatura teórica e empírica afirma que a política fiscal nos países em desenvolvimento é pró-cíclica, enquanto que em nações industrializadas a política fiscal é anticíclica ou acíclica. Utilizando dados mensais, macroeconômicos e fiscais, abrangendo o período de março de 2002

...

Baixar como (para membros premium)  txt (14 Kb)  
Continuar por mais 8 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com