TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A DIVISÃO DO TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS TEORIAS DE KARL MARX E EMILE DÜRKHEIM

Por:   •  6/5/2014  •  4.617 Palavras (19 Páginas)  •  605 Visualizações

Página 1 de 19

A DIVISÃO DO TRABALHO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA DAS

TEORIAS DE KARL MARX E EMILE DÜRKHEIM

Profa. Érika de Cássia Oliveira Caetano∗

1 - ÉMILE DÜRKHEIM: “A DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO”

Assim como Auguste Comte, Karl Marx e Max Weber, Dürkheim também procura

com seus métodos de análise e objeto de estudo, explicações para as modificações estruturais

ocorridas com o advento da sociedade moderna. O triunfo da indústria Capitalista promoveu

uma transformação radial em sua estrutura sócio-econômica, dando um novo rumo à

sociedade emergente. É nesta perspectiva que a sociedade moderna Capitalista será colocada

no plano de análise deste sociólogo.

Foi com Émile Durkheim (1851-1917), que a Sociologia passou a ser considerada

uma ciência, estabelecendo-lhe uma base empírica, com métodos próprios de investigação e

demonstrando que seu objeto de estudo, os fatos sociais, teriam características próprias, que

os distinguiriam dos estudados pelas demais ciências.

É importante retomarmos aqui a proposta metodológica deste teórico, para

compreendermos a função prática do seu conceito de divisão social do trabalho.

Durkheim considera que a sociedade precisaria ser estudada como um fenômeno

sui generis; como uma unidade ou sistema organizado de relações permanentes e mais ou

menos definido, com leis naturais d desenvolvimento que são baseadas na articulação de suas

partes.

Portanto, os “fenômenos sociais têm origem na coletividade não em cada um dos

seus participantes” (QUINTANEIRO, 69:2002). Esclarece ainda que os fatos individuais são

refletidos na consciência individual o nas representações físicas e, no caso das representações

coletivas, estas expressam a vida mental do grupo social.

É por isso que para Durkheim a sociedade é semelhante a um corpo vivo, em cada

órgão cumpre uma função, ou seja, as partes (os fatos sociais) existem em função do todo (a

sociedade).

∗ Professora de Sociologia e Ciências Sociais e as Organizações da PUC Minas e Faculdade de Administração de

Curvelo, Mestranda em Ciências Sociais - Gestão das Cidades pela PUC Minas.

Ao comparar a sociedade a um organismo vivo, Durkheim identifica dois estados

em que esta pode se encontrar: o estado normal que designa os fenômenos que ocorrem com

regularidade na sociedade e o patológico, comportamentos que representam doenças e devem

ser isolados e tratados porque põem em risco a harmonia e o consenso, estando fora dos

limites permitidos pela ordem social e pela moral vigente.

Para Durkheim, a sociedade moderna se encontra em um estado doentio, porque

deixou de exercer o papel de freio moral sobre os indivíduos. Como Durkheim demonstra no

prefácio à segunda edição de sua obra “Da divisão do trabalho social”:

É a esse estado de anomia que devem ser atribuídos, como mostraremos, os

conflitos incessantemente renascentes e as desordens de todo tipo de que o

mundo econômico nos dá o triste espetáculo. Porque, como nada contém as

forças em presença e não lhes atribui limites que sejam obrigados a respeitar

elas tendem a se desenvolver sem termos e acabem se entrechocando, para se

reprimirem e se reduzirem mutuamente.(...) As paixões humanas só se detêm

diante de uma força moral que elas respeitam. Se qualquer autoridade desse

gênero

...

Baixar como (para membros premium)  txt (33.2 Kb)  
Continuar por mais 18 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com