TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Ética e política na antiguidade: Platão e Aristóteles

Por:   •  5/4/2014  •  Seminário  •  897 Palavras (4 Páginas)  •  221 Visualizações

Página 1 de 4

Plano de Aula: Ética e política na Antiguidade: Platão e Aristóteles (Parte 1)

FILOSOFIA GERAL E JURÍDICA

Título

Ética e política na Antiguidade: Platão e Aristóteles (Parte 1)

Número de Aulas por Semana

Número de Semana de Aula

4

Tema

Ética e política na Antiguidade: Platão e Aristóteles (Parte 1)

Objetivos

Ao final desta aula o aluno deverá ser capaz de:

• Conhecer em linhas gerais a importância da relação entre ética e política na antiguidade;

• Estudar as diferentes definições para o conceito de liberdade;

• Identificar em linhas gerais o pensamento político de Platão;

Estrutura do Conteúdo

Unidade 1 – O Nascimento da Filosofia Política

1.3. Ética e política na Antiguidade: Platão e Aristóteles (Parte 1)

Nesta parte, deve-se investigar, em linhas gerais, a relação entre ética e política entre os antigos.

Pontos da aula:

• O indivíduo pensado a partir da polis no horizonte da relação indissolúvel entre ética e política;

• O conceito plurívoco de liberdade na Antiguidade: 1. Autarkeia (autossuficiência/independência); 2 - Proairesis (deliberação/livre escolha) ; 3 - Autonomia ( liberdade perante a lei e os costumes); 4 - Isegoria (liberdade de expressão/fala livremente em público);

• Platão e a República: a) Projeto político pedagógico; b) os quatro tipos de liberdade e o mito da caverna: cavernícolas (doxa) x filósofo.

Aplicação Prática Teórica

Caso 1 - Pierre Lévy comenta os protestos no Brasil: ‘Uma consciência surgiu. Seus frutos virão a longo prazo’

Filósofo francês, uma das maiores autoridades do mundo nos estudos da cibercultura, fala sobre mobilização em redes sociais

(André Miranda. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/cultura/pierre-levy-comenta-os-protestos-no-brasil-uma-consciencia-surgiu-seus-frutos-virao-longo-prazo-8809714#ixzz2XPu8pvQO>. Acesso em: 26 jun. 2013.)

RIO - A resposta ao pedido de entrevista é direta: “O único jeito é via Twitter”, disse o filósofo francês Pierre Lévy, uma das maiores autoridades do mundo nos estudos da cibercultura. E assim foi feito. Lévy conversou com O GLOBO na tarde de segunda, via Twitter, sobre os protestos que vêm ocorrendo no Brasil nas últimas semanas e que surgiram das redes sociais

Nos últimos anos, muitos protestos emergiram da internet para as ruas. Como o senhor os compararia com manifestações do passado, como Maio de 1968?

Há uma nova geração de pessoas bem educadas, trabalhadores com conhecimento, usando a internet e que querem suas vozes ouvidas. A identificação com 68 está no fenômeno geracional e na revolução cultural. A diferença é que não são as mesmas ideologias.

Mas qual é a nova ideologia? No Brasil, críticos falam da dificuldade em identificar uma ideologia única nas ruas.

Uma comunicação sem fronteiras, não controlada pela mídia. Uma identidade em rede. Mais inteligência coletiva e transparência. Outro aspecto dessa nova ideologia é o “desenvolvimento humano”: educação, saúde, direitos humanos etc.

E qual seria a solução? Como os governos devem lidar com os protestos?

Lutar com mais força contra a corrupção, ser mais transparente, investir mais em saúde, educação e infraestrutura. Porém, a “solução” não está apenas nas mãos dos governos. Há uma mudança cultural e social “autônoma” em jogo.

No Brasil, um

...

Baixar como (para membros premium)  txt (6 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com