TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A INDEPENDENCIA DO SOLO QUE HABITAMOS

Por:   •  10/2/2019  •  Trabalho acadêmico  •  3.655 Palavras (15 Páginas)  •  9 Visualizações

Página 1 de 15

[pic 1]

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS

DEPARTAMENTO DE HISTORIA

TEMAS DE HISTORIA DE SERGIPE II

A INDEPENDENCIA DO SOLO QUE HABITAMOS

DISCIPLINA: Temas da História de Sergipe II

EDUCADOR: Dr. Antônio Lindvaldo Souza

LUAN KLISMAN ANDRADE MENDES


Em a independência do solo que habitamos, Edna Maria Matos Antônio traz uma análise historiográfica em torno da Independência de Sergipe como capital do Império, demonstrando de forma completa os embates políticos da época e os conflitos de interesses entre os grupos vigentes.

O livro é divido em 5 capítulos, cada um possuindo vários subtopicos que nos ajudam a entender as questões que estão sendo abordadas. Edna inicia com uma introdução pequena, apenas para nos situar no contexto da obra. Seu primeiro capitulo Tão Perto e Tão Longe: a Corte Portuguesa na América traz um apanhado geral da crise colonial além das causas dos movimentos separatistas que começam a ocorrer nas colônias, colocando pontos e contrapontos, demonstrando as formas antes usadas para explicar as razões dessa crise.

Seguindo Edna ressalta o quanto a economia de Sergipe cresceu com as políticas pombalinas para o Norte da colônia em que a produção do açúcar principalmente em Sergipe aumentou de grande forma sendo facilmente percebida pela alta das exportações do produto. Do mesmo modo o algodão também passou por alta valorização por sua demanda na exportação, tendo assim açúcar e algodão como os itens que se beneficiaram pela conjuntura.

O fumo e o arroz também se constituíram como produtos fundamentais da exportação. Vale ressaltar o aumento na produção da aguardente que representava item fundamental como moeda de troca por escravos na África.

Um fato interessante levantado pela obra é a importância em que tinha a farinha na alimentação das pessoas, onde uma simples paralização na produção era capaz de causar uma crise alimentícia na capitania, onde Edna cita:

A farinha era item fundamental nas refeições: um alimento pobre em vitaminas e proteínas, mas importante fonte de calorias em razão da presença do amido. Se algum problema impedisse sua produção e elevasse seus preços, isso era suficiente para ocasionar sérias crises alimentares, interferindo de forma profunda nas condições de sobrevivência das pessoas, agravada ainda pela dificuldade de aquisição do produto pelos mais pobres. Podia-se diminuir o consumo de carne e de feijões, mas era impensável ficar sem a farinha. Da oferta em quantidade razoável e do preço acessível desse principal item da alimentação colonial dependia a quietude dos povos.2

As terras da capitania de Sergipe não eram terras mortas como Edna nos mostra, seu território utilizado para cultivo e plantio de vários produtos importantes para exportação e para economia da colônia e de Portugal evidencia a importância que possuía esse território. É justamente nesse contexto em que se insere as disputas por terras da capitania, que despertaram o interesse e a cobiça entre agentes econômicos coloniais. No qual é mostrado de forma documental o enfrentamento de grupos e pessoas pelas posses das terras jesuítas.

Onde indivíduos de cargos públicos passaram a influenciar nos processos licitatórios dessas propriedades.

Nessa competição, indivíduos que ocupavam cargos públicos de natureza decisória, como a Justiça colonial, passaram a influenciar diretamente no processo de licitação das propriedades, buscando favorecer, ou mesmo decidir, por meio de acordos com proprietários, o beneficiado pela posse dessas áreas. Esse favorecimento, obviamente, podia representar uma importante vantagem nas disputas pelas terras.

No tópico Sergipe: de capitania à comarca da Bahia”, aqui Edna aborda os aspectos do território de Sergipe, desde sua condição como capitania a comarca a capitania novamente.

Após 1590, com a conquista militar aos nativos empreendida por Cristóvão de Barros, a região se constituiu capitania própria. Iniciando a distribuição de sesmarias entre os homens que o acompanharam na expedição, o conquistador organizou-a em suas funções administrativas e deu-lhe um nome, Sergipe Del Rey, por ser, como vimos, uma capitania devoluta à posse real.

Como dito no texto, o estatuto de capitania foi mantido até 1773 quando Sergipe foi transformada em comarca da Bahia, onde vale aqui desmitificar a ideia de que Sergipe sempre fora comarca da Bahia. Sendo o período em que o governo português passava por uma reorganização administrativa colonial. Não fica claro os motivos da mudança, mas Edna nos apresenta sua hipótese coerente.

A regressão administrativa de Sergipe à condição de comarca não foi explicada por meios oficiais conhecidos, mas, acredita-se, foi determinada como forma de compensar economicamente aquela capitania, em virtude da perda do status financeiro e político de antiga capital da Colônia.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (24.5 Kb)   pdf (279.6 Kb)   docx (25 Kb)  
Continuar por mais 14 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com