TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Planejamento Familiar

Artigos Científicos: Planejamento Familiar. Pesquise 792.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  7/4/2013  •  7.783 Palavras (32 Páginas)  •  827 Visualizações

Página 1 de 32

Introdução

Segundo o Ministério da Saúde: Por planejamento familiar entende-se como conjunto de ações que têm como finalidade contribuir para a saúde dos indivíduos e que permitem às mulheres e aos homens a escolha de quando querem ter um filho, o número de filhos que querem ter e o espaçamento entre o nascimento dos filhos, o tipo de educação, conforto, qualidade de vida, condições sociais, culturais e seus níveis, conforme seus princípios de necessidade.

Sobre o planejamento familiar a Constituição Federal do Brasil estabelece: Fundado nos princípios da dignidade da pessoa humana e da paternidade responsável, o planejamento familiar é livre decisão do casal, competindo ao Estado propiciar recursos para o exercício desse direito, vedada qualquer forma coercitiva por parte de instituições oficiais ou privadas.

A assistência em planejamento familiar deve incluir acesso à informação e a todos os métodos e técnicas para concepção e anticoncepção, cientificamente aceitos, e que não coloquem em risco a vida e a saúde das pessoas. Então devem incluir acesso à informação e todos os métodos para concepção e anticoncepção. Bom acesso a ínformação, vocês precisam saber claramente como funciona, o que nós estamos fazendo hoje é o acesso a informação e eu estou a disposição todos os dias na unidade pra que vocês venham conversar comigo e tirar as dúvidas e acesso a métodos e técnicas de concepção e anticoncepção, então vocês poderam escolher qual método contraceptivo utilizar.

Para implantar na unidade um grupo de planejamento familiar devemos focar em alguns itens que são de suma importância para a adesão e funcionalidade desse grupo como: população alvo, local, profissionais envolvidos, estratégia, divulgação, tema, cronograma, técnica dítatica, entrevista definição do método, custo, benefício, agendamento de consulta.

No Brasil, até a metade do século XX, poucas famílias deixavam de ter cinco ou seis filhos. Havia uma lógica razoável por trás de natalidade tão altas: a maioria da população vivia no campo, numa época de agricultura primitiva em que as crianças pegavam no cabo da enxada já aos sete anos.

Quantos mais braços disponíveis houvesse na família, maior a probabilidade de sobrevivência, convivíamos com taxas de mortalidade infantil inaceitáveis para os padrões atuais. Ter perdido dois ou três filhos era rotina na vida das mulheres com mais de trinta anos, além da cirurgia e dos preservativos de barreira, não existiam recursos médicos para evitar a concepção.

Na década de 1960, quando as pílulas anticoncepcionais surgiram no mercado e a migração do campo para a cidade tomou vulto, uma esdrúxula associação de forças se opôs terminante ao planejamento familiar no país: os militares, os comunistas e a igreja católica.

Os militares no poder eram contrários, por julgarem defender a soberania nacional: num país de dimensões continentais, quanto mais crianças nascessem, mais rapidamente seriam ocupados os espaços disponíveis no Centro-Oeste e na Floresta Amazônica.

Os comunistas e a esquerda simpatizante, por defenderem que o aumento populacional acelerado aprofundaria as contradições do capitalismo e encurtaria caminho para a instalação da ditadura do proletariado. A igreja, por considerar antinatural, portanto, contra a vontade de Deus, o emprego de métodos contraceptivos.

O resultado dessas ideologias não poderia ter sido mais desastroso em 1970, éramos 90 milhões; hoje, temos o dobro da população, parte expressiva da qual aglomerada em favelas e na periferia das cidades.

O que mais assusta, entretanto, não é havermos chegado à situação dramática em que nos encontramos; é não adotarmos medidas para remediá-la. Pior, é ver não apenas os religiosos, mas setores da intelectualidade considerarem politicamente incorreta qualquer tentativa de estender às classes mais desfavorecidas o acesso aos métodos de contracepção fartamente disponíveis a quem pode pagar por eles.

É preciso dizer que as taxas médias de natalidade brasileiras têm caído gradativamente nos últimos cinquenta anos, mas não há necessidade de consultar os números do IBGE para constatarmos que a queda foi muito mais acentuada nas classes média e alta: basta ver a fila de adolescentes grávidas à espera de atendimento nos hospitais públicos ou o número de crianças pequenas nos bairros mais pobres.

Outra justificativa para a falta de políticas públicas destinadas a universalizar o direito ao planejamento familiar no País é a da má distribuição de renda: o problema não estaria no número de filhos, mas na falta de dinheiro para criá-los, argumentam.

O problema é justamente porque somos um país cheio de gente pobre, e educar filhos custa caro. Como dar escola, merenda, postos de saúde, remédios, cesta básica, habitação, para esse exército de crianças desamparadas que nasce todos os dias? Quantas cadeias serão necessárias para enjaular os malcomportados?

A verdade é que, embora a sociedade possa ajudar, nessa área dependemos de políticas públicas, portanto dos políticos, e estes morrem de medo de contrariar a igreja. Agem como se o planejamento familiar fosse uma forma de eugenia para nos livrarmos dos indesejáveis, quando se trata de uma aspiração legítima de todo cidadão. As meninas mais pobres, iletradas, não engravidam aos 14 anos para viver os mistérios da maternidade; a mãe de quatro filhos, que mal consegue alimentá-los, não concebe o quinto só para vê-lo sofrer.

É justo oferecer vasectomia, DIU, laqueadura e vários tipos de pílulas aos que estão bem de vida, enquanto os mais necessitados são condenados aos caprichos da natureza na hora de planejar o tamanho de suas famílias?

Uma irresponsabilidade brasileira é a gravidez indesejada e a violência urbana, diante das mulheres pobres que engravidam por acidente é caso de polícia literalmente.

O planejamento familiar no Brasil é inacessível aos que mais necessitam dele. Os casais da classe média e os mais ricos, que podem criar os filhos por conta própria, têm acesso garantido a preservativos de qualidade, pílula, injeções e adesivos anticoncepcionais, DIU, laqueadura, vasectomia e, em caso de falha, ao abortamento; porque, deixando a falsidade de lado, estamos cansados de saber que aborto no Brasil só é proibido para a mulher que não tem dinheiro.

A falta de planejamento familiar era uma das causas mais importantes para a explosão de violência urbana ocorrida nos últimos vinte anos em nosso País.

Nem haveria necessidade de números tão contundentes para tomarmos consciência da associação

...

Baixar como (para membros premium)  txt (49.7 Kb)  
Continuar por mais 31 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com