TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resenha do documentário “Carne e osso”

Por:   •  26/5/2017  •  Relatório de pesquisa  •  798 Palavras (4 Páginas)  •  639 Visualizações

Página 1 de 4

No documentário ele fala da vida das pessoas que trabalham em frigoríficos, tanto na parte de aves como a bovina.

Os trabalhadores desses frigoríficos passavam o dia inteiro fazendo somente um tipo de ação com vários movimentos como na desossa da perna da galinha. Os operários tinham que fazer ação em torno de segundos porque a esteira não parava e cada vez mais eles exigiam dos trabalhadores e muitos deles chegavam a desossar cerca de setes pernas de galinha dentro do tempo de um minuto, eles não poderiam ser lentos porque corriam o risco de perder o emprego, pra ir ao banheiro era um tempo extremamente pequeno e se iam mais de duas vezes os supervisores já começavam a reclamar, não se tinha um tempo de descanso, eles trabalhavam direto. Quando eles exportavam a linha de produção era mais extensa, pra poder exportar a quantidade pedida e ainda vender internamente. E quando havia visita, a empresa o ritmo ficava mais lento, para mostrar que se importavam tanto com produção como com os trabalhadores.

As pessoas que trabalhavam nos frigoríficos chegavam a exercer três mais movimentos além do limite permitido que pudessem causar danos a saúde das pessoas. Muitos chegavam a passar ate o outro dia pra cumprir a quantia que a empresa pedia e só saia quando o responsável liberasse, eles terminavam muito tarde para voltar no outro dia extremamente cedo, não dava pra se recuperar do cansaço do dia anterior.

Nos frigoríficos onde é feito todo o procedimento na carne de bovinos, muitos dos trabalhadores vivem sobre pressão, é muito cobrado deles, se for dado uma faixa de quantas cabeças for mandada para abater, eles precisam cumprir a quantidade no mesmo dia porque pode correr o risco de perder o emprego.

Muitas os operários depois um tempo começavam a sentir dor, o remédio que era dado para eles na empresa, quando conseguiam falar com o responsável, era diclofenaco, nunca mandavam fazer raio-x, simplesmente davam o remédio e mandava voltar a trabalhar de novo mesmo se estivesse sentindo dor. E caso fosse se consultar alguns não pediam atestado de afastamento porque precisavam trabalhar pra sustentar a família se eles dessem o atestado à empresa, ela tentaria despedi-los e muitos deles por saberem disso não fazem por medo. As pessoas que vão à terapia chegavam a ser 85% que trabalhavam nesses frigoríficos, por serem ocasionado pelos os movimentos repetitivos, a posições ruins no trabalho, pela pressão e a intensidade que era grande, pois eles não podiam parar.

A condição de vida dessas pessoas é ruim mesmo trabalhando mais de oito horas o salario deles são muito baixas, por isso as condições de vida não são muito boas e eles não conseguem melhorar porque mal ganham. Muitos passam anos fazendo o mesmo trabalho quando saem por serem demitidos por causa de doença, na maioria dos casos, eles acabam voltando porque só sabem fazer aquilo e se vão tentar outros trabalhos que não sabem, precisam aprender do zero.

Os acidentes chegam a ser fatais como a perda de um membro como o braço, cortes profundos com lesões permanentes como a perda de movimentos de alguns membros e lesões na coluna. Além de doenças físicas como lesões, eles tinham problemas psicológicos por causa da pressão. Como a pesquisa mostrada no filme ocorrem duas vezes mais traumatismo da cabeça, três vezes mais traumatismo

...

Baixar como (para membros premium)  txt (4.7 Kb)   pdf (41.7 Kb)   docx (12.1 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com