TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resumo: Competências gerenciais: uma análise de classificações em estudos empíricos

Por:   •  12/9/2019  •  Resenha  •  469 Palavras (2 Páginas)  •  268 Visualizações

Página 1 de 2

Introdução à Administração - Turma: P     Professor: Tomás de Aquino Guimarães

Competências gerenciais: uma análise de classificações em estudos empíricos:

Com a perspectiva de que a globalização da economia desafia e impõe adequações às organizações o mundo dos negócios se empenha para identificar e desenvolver competências necessárias à gestão empresarial. O tema Competências Gerenciais (MC) é cada vez mais difundido no âmbito organizacional e têm ganhado relevo acadêmico. Gestores considerados competentes são os que: (a) aprendem constantemente e proporcionam ambientes de aprendizagem. (b) conduzem suas equipes e organizações a um patamar mais elevado de desempenho. (c) buscam alinhamento estratégico a fim de alcançar a visão institucional. A expressão ‘competência tem sido usada, numa concepção eminentemente jurídica, para denotar incumbência, responsabilidade para julgamento ou emissão de pareceres desde a Idade Média. O estudo de competências perpassa múltiplas abordagens e há também ausência de consenso conceitual e epistemológico atinente ao tema. Algumas definições mais recentes corroboram a corrente americana. São exemplos as definições de Parry (1996), para quem competência se refere a um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes, que se relacionam e afetam a maior parte de um trabalho, um papel ou responsabilidade; e de Lima (2005) que visualiza competências como características pessoais (qualidades) vinculadas à capacidade ou atributos para resolver certos assuntos, que, combinados, formam distintas maneiras de realizar, com sucesso, as ações essenciais e características de uma determinada prática profissional. De qualquer forma, vale destacar, desde já, que a definição mais alinhada ao presente trabalho é a adotada pela corrente integradora. Acredita-se que não basta a líderes deterem certo conjunto de atributos, se não o coloca em ação, de forma que a equipe ou organização em que atua eleve seu patamar de desempenho requerido pelo contexto. Mas vale registrar que as definições para MC assumidas na atualidade sofreram influências de vários estudos e teorias, uma vez que a temática gerencial acompanha a Teoria Geral da Administração desde seus primórdios. Quanto ao método, em sua maioria, os estudos aplicaram métodos mistos, combinando questionários e métodos qualitativos, como entrevistas (PICCHIAI, 2008), levantamento documental e observação direta (DIAS e PAIVA, 2009). Quanto à categoria ‘competências e habilidades técnicas’, vale frisar que a sua consideração no rol de MC é muito questionável, uma vez que competências técnicas estão voltadas a atividades operacionais, específicas e de assessoramento, e, em tese, não são relativas a gerentes. O presente estudo revisou pesquisas empíricas da última década, com o objetivo de identificar os modelos e as MC mais citadas. O modelo de Quinn (1988) foi o mais usado no período, embora tenha sido criado há quase três décadas. Consideradas as limitações, recomendações e sugestões de pesquisas futuras, espera-se que a presente identificação do modelo bem como das MC mais citadas no período contribua para que as organizações consigam cumprir com êxito os seus propósitos.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (3.3 Kb)   pdf (41.5 Kb)   docx (7.7 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com