TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

LEI DE INTRODUÇÃO ÁS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO.docx

Por:   •  24/9/2015  •  Resenha  •  2.955 Palavras (12 Páginas)  •  251 Visualizações

Página 1 de 12

LEI DE INTRODUÇÃO ÁS NORMAS DO DIREITO BRASILEIRO

1.Conteúdo e função

        A Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro revogou a antiga e vigente Lei de Introdução ao Código Cível , contém dezenove artigos enquanto a antiga continha vinte e um.

        Legislação anexa ao Código Cívil, mas autônoma dele não fazendo parte, aplica-se á todos os ramos do Direito salvo naquilo que for regulado de forma diferente na legislação específica, exceto ao direito penal e ao tributário que contém normas específicas á respeito de aplicação a analogia, costumes e os princípios gerais do direito aos casos omissos.

        A LINDB é um conjunto de normas sobre normas que disciplina as próprias normas jurídicas de todos os ramos do Direito, determinando o modo de aplicação e entendimento no tempo e espaço. Contém normas de sobredireito ou de apoio, podendo ser considerada um Código de Normas, por ter a lei como tema central. A LINDB é a principal fonte do direito.

Tem as funções de: a) regulara vigência e eficácia das normas jurídicas , apresentando soluções ao conflito de normas no tempo e no espaço; b) fornecer critérios da hermenêutica; c) estabelecer mecanismos de integração de normas, quando houver lacunas; d) garantir não só a eficácia global da ordem jurídica, não admitindo o erro de direito que comprometeria, mas também a certeza, a segurança e estabilidade do ordenamento, preservando as situações consolidadas em que o interesse individual prevalece.

2. Fontes de direito

        Significa poder de criar normas jurídicas quanto a forma de expressão dessas normas e em ultimo caso dizem-se cognição.

A compreensão da natureza e eficácia das normas jurídicas pressupõe o conhecimento da sua origem ou fonte. As fontes do direito são de várias espécies.

Fontes históricas são origens históricas de um instituto jurídico ou de um sistema antigo.

Fontes atuais são as fontes ás quais o se reporta o indivíduo para afirmar o seu direito, e o juiz, para fundamentar a sentença.

O costume é a primeira fonte do direito trata-se de direito não escrito; com o passar do tempo e a evolução social o direito passa a emanar da autoridade sob a forma de lei imposta coativamente.

São consideradas fontes formais do direito a lei, a analogia, o costume e os princípios gerais do direito; e não formais a doutrina e a jurisprudência, a lei é a fonte principal e as demais são fontes acessórias. Divide-se as fontes do direito em diretas (imediatas) eu são leis de costume que por si só geram a regra jurídica e indiretas (mediatas) que são a doutrina e a jurisprudência, que contribuem para que a norma seja elaborada.

3. A lei

Norma escrita emanada do legislador, considerada a fonte primacial do direito, que dá a certeza para as relações jurídicas e considerada suprema entre outras fontes.

Mesmo entre países onde predomina-se o direito consuetudinário, o processo legislativo demostra grande influência.

A legislação é o processo de criação das normas jurídicas escritas, de observância geral. A lei não seria propriamente fonte do direito, mas produto da legislação. Sendo assim a lei, a sentença, o costume e o contrato constituem formas de expressão jurídica resultantes do processo legislativo, da atividade jurisdicional, da prática consuetudinária e do poder negocial.

3.1 Conceito

A lei é empregada certas vezes como sinônimo de norma jurídica, compreensiva de toda regra geral de conduta abrangendo normas escritas ou costumeiras e até todos os atos da autoridade.

A fonte jurídica formal é o processo legislativo de elaboração de leis e todas as categorias normativas, portanto a lei é um ato do poder legislativo que estabelece normas de comportamento social e para entrar em vigor deve ser promulgada e publicada no Diário Oficial.

Lei é o conjunto ordenado de regras que se apresenta com um texto escrito.

3.2 Principais características

a) Generalidade: dirige-se á todos os cidadãos, indistintamente. O seu comando é abstrato, não podendo ser endereçada a determinada pessoa.

Não deixara de ser lei aquela que não se dirija a todos os membros da coletividade, compreende uma determinada categoria de indivíduos, mas rege a atividade e define os direitos e os deveres de um tipo genérico de pessoas, aplicando-se a quantos se encontrem naquela situação, como aos que de futuro venham adquiri-la.

b) Imperatividade: impõe um dever, uma conduta aos indivíduos. Imposição de um dever de conduta, obrigatório. Distingue a norma das leis físicas. Mas não é suficiente para distingui-la das demais leis éticas.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (19.1 Kb)   pdf (143.6 Kb)   docx (24 Kb)  
Continuar por mais 11 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com