TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ATPS DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO

Projeto de pesquisa: ATPS DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO. Pesquise 793.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  28/5/2014  •  Projeto de pesquisa  •  1.935 Palavras (8 Páginas)  •  103 Visualizações

Página 1 de 8

UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP

DISCIPLINA: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

TUTOR EAD: PROFª JULIANA LEITE KIRCHNER

TUTORA PRESENCIAL: KALINE MONTEIRO

TURMA: N50

CURSO: CIÊNCIAS CONTABEIS

ACADEMICOS:

ATPS

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

2012

SUMÁRIO

Introdução........................................................................................................................03

Etapa 1............................................................................................................................04

Etapa 2............................................................................................................................

2.1 BRICs: Não mais emergentes ................................................................................

2.2 Operações ........................................................................................................

2.3 Operações ........................................................................................................

Conclusão........................................................................................................................

Bibliografia................................................................................................................... ..

INTRODUÇÃO

Analisaremos a ascensão das economias do BRIC, a sua importância crescente para a economia global e as tendências que moldarão o seu desempenho.

ETAPA 1 –

O Produto Interno Bruto (PIB) per capita, que é a

soma de todos os bens e serviços produzidos no país dividida pela população total do Brasil, cresceu 1,8% em 2011, em relação ao ano anterior. O crescimento é 0,9 ponto percentual menor do que o registrado pelo PIB nacional, que aumentou 2,7% no período, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).Com a expansão registrada em 2011, o PIB per capita alcançou R$ 21.252, em valores correntes. De acordo com o IBGE, em 2010, o PIB per capita havia crescido 6,5%, enquanto a economia havia registrado expansão de 7,5%.

Tomando como medida o coeficiente de Gini, que mede a desigualdade na distribuição da renda em 187 países, apenas sete nações apresentam distribuição pior do que a do Brasil, segundo dados da ONU: Colômbia, Bolívia, Honduras, África do Sul, Angola, Haiti e Comoros.O coeficiente usado nesta comparação para o Brasil é de 53,9. Quanto mais perto de 100, maior a desigualdade. A Suécia, com coeficiente de 25, é um dos países com menor concentração de renda.

Apesar dessa péssima posição no quesito desigualdade de renda, o desempenho em outros aspectos do desenvolvimento medido pela ONU põe o Brasil em uma posição melhor no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O Brasil tem progredido no IDH e sua posição geral, em 84º lugar, põe o país no grupo de alto desenvolvimento humano, mas ainda longe do grupo mais seleto com desenvolvimento considerado "muito alto". A lista de 47 países dessa elite é encabeçada pela Noruega.

Nenhuma outra grande economia reduziu a desigualdade de renda

como o Brasil nas últimas duas décadas – mérito do bom e velho capitalismo

Figura 1: Diferença de renda

A disparidade de renda entre indivíduos existe ou existiu em todas as sociedades, sejam as pré-industriais, caso do Império Romano, sejam as economias de mercado ou socialistas modernas. A diferença é a possibilidade de mover-se, pelo próprio esforço, de um espectro social baixo para outro mais alto.

O Brasil está se tornando menos desigual graças ao bom e velho capitalismo. No conjunto dos países desenvolvidos e das principais economias emergentes, nenhuma outra nação reduziu tanto a diferença entre ricos e pobres nas últimas duas décadas quanto o Brasil.

Na comparação dos extremos da população nacional, o avanço também foi impressionante. Em 1995, a renda média dos 10% mais ricos era 83 vezes a dos 10% mais pobres. Essa relação passou para menos de cinquenta vezes em 2008.

Trata-se do melhor desempenho em um ranking de 29 países elaborado a pedido de VEJA pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Como isso ocorreu? Basicamente, quem está na base da pirâmide social brasileira enriqueceu, e quem está no topo avançou pouco ou ficou estagnado.

Desde 2000, a taxa de crescimento da renda per capita das classes A e B foi de 10%. Já a metade mais pobre da população teve um ganho real per capita de 68% no mesmo período.

A Curva de Lorenz (ou curva de concentração de Lorenz) consiste num gráfico muito utilizado pelos economistas e que procura ilustrar a desigualdade existente na

distribuição do rendimento entre as famílias numa determinada economia ou sociedade. A curva de Lorenz pode ser complementada com o Índice de Gini, o qual quantifica o grau de concentração dos rendimentos.

O Brasil vive hoje um fenômeno conhecido dos estudiosos de desigualdade. Quando uma nação pobre abre sua economia, há uma fase inicial de valorização dos profissionais com nível superior. Conforme o país se desenvolve, investe-se mais em formação educacional e essa demanda é suprida.

“No Brasil, a renda dos pobres aumentou em níveis chineses, e a dos ricos, no mesmo ritmo de um país europeu estagnado”, diz o economista Marcelo Neri, da Fundação Getulio Vargas. “Mais vinte anos assim e teremos um índice de desigualdade parecido com o dos americanos.”

ETAPA 2 -

BRICS - Agrupamento Brasil-Rússia-Índia-China-África do Sul

A idéia dos BRICS foi formulada pelo economista-chefe da Goldman Sachs, Jim O´Neil,em estudo de 2001, intitulado “Building Better Global Economic BRICs”. Fixou-se como

...

Baixar como (para membros premium)  txt (13.9 Kb)  
Continuar por mais 7 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com