TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: REPERCUSSÕES DA LEI Nº 11.274/2006 NA PROPOSTA CURRICULAR

Por:   •  29/4/2014  •  550 Palavras (3 Páginas)  •  491 Visualizações

Página 1 de 3

São notáveis as discussões recentes sobre a necessidade de ampliar a duração da escolaridade obrigatória no Brasil. Na tentativa de universalizar o acesso à educação básica e de se aproximar de uma tendência mundial de duração desse nível de ensino – em que vários países, inclusive da América Latina, têm em média dez anos de escolaridade obrigatória (BARRETTO; MITRULIS, 2001) –, o Ministério da Educação (MEC) tem intervindo efetivamente na legislação educacional brasileira nas últimas décadas. Tal afirmativa fica evidente principalmente a partir de 1961, quando foi promulgada em nosso país a Lei nº 4.024/1961, que estabelecia a duração de quatro anos para a escolarização obrigatória. Em 1970, após a assinatura do Acordo de Punta Del Este e Santiago, esse tempo foi estendido para seis anos e, em 1971, com a Lei nº 5.692/1971, para oito anos.

Esse foi o formato padrão do ensino fundamental brasileiro até os anos de 1990, quando a Lei nº 9.394/1996, estabelecendo as novas diretrizes e bases da educação nacional, facultou o ensino obrigatório com nove anos, a iniciar-se aos seis anos de idade. A partir dessa política anunciada, o ensino fundamental com nove anos de duração tornou-se uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) – aprovado pela Lei nº 10.172/2001 – e, em 6 de fevereiro de 2006, foi instituído pela Lei nº 11.274/2006, tornando obrigatória a inclusão de todas as crianças de seis anos de idade nesse nível de ensino.

É importante salientar, todavia, que a implantação dessa lei de ampliação do ensino fundamental de oito para nove anos de duração não pode construir uma medida meramente política e/ou administrativa. Ela também exige um tratamento pedagógico, que respeite as características etárias, sociais, psicológicas e cognitivas específicas do seu novo público, a fim de garantir-lhe um tempo mais longo de convívio escolar e maiores oportunidades de aprendizagem significativa (BRASIL, 2007). Para tanto, os sistemas devem disponibilizar, além de recursos financeiros, materiais e humanos, uma proposta curricular adequada a essa fase de transição entre dois níveis de ensino: a educação infantil e o ensino fundamental. Como ainda não há uma matriz curricular nacional pronta, o MEC (BRASIL, 2007) recomenda que as propostas pedagógicas das secretarias de educação e os projetos pedagógicos das escolas sejam reelaborados, com base em estudos, debates e entendimentos, de forma criteriosa e no próprio âmbito de cada sistema de ensino. Essa tarefa tem gerado dificuldades e até mesmo atraso na implantação dessa política (FUNDAMENTAL, 2008), que tem como prazo máximo estabelecido por lei (BRASIL, 2006) até o ano de 2010 para ser cumprida.

Ainda existem muitas dúvidas dos sistemas de ensino sobre o currículo para as classes do primeiro ano de escolarização obrigatória, pois não se trata de transferir para as crianças

...

Baixar como (para membros premium)  txt (3.5 Kb)  
Continuar por mais 2 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com