TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Fundação Blumenauense de Estudos Têxteis – FBET

Por:   •  26/4/2019  •  Relatório de pesquisa  •  876 Palavras (4 Páginas)  •  12 Visualizações

Página 1 de 4

Professor: Mauricio Luiz Fachini

Aluno: Silvia Gabriele Ferreira Schmitt

Curso: Técnico em Têxtil

Data: 20/03/2019

Fundação Blumenauense de Estudos Têxteis – FBET

     A fundação blumenauense de estudos têxteis foi fundada em 30 de dezembro de 1970. Tendo como principal objetivo a análise de algodão. Ela é reconhecida como entidade de utilidade Pública, Estadual, e Federal.

     As empresas que mantem a FBET são: Circulo S/A.  Cia Hering, Cremer S/A. e Karsten S/A.

Em 1988 foi implantado o laboratório de fios aumentando consideravelmente a atuação da FBET.

     No início do século 90 a FBET iniciou os testes para todas as empresas interessadas. E em 2009 inaugurou sua nova sede, ampliando o seu espaço físico para laboratório de fios e algodão e uma área específica para treinamentos.

     Atualmente a FBET atende todo o Brasil, além de empresas e instituições da Argentina, Bolívia e Paraguai.

Laboratório de análises de fios

No laboratório de Análises de fios são feitas diversas análises em diferentes tipos de fios (ex: Poliéster, Algodão, Elastano, Etc.). Dentro do laboratório existem inúmeros equipamentos, com alta precisão. O que conhecemos foi: Uster Afis, Premier Compusorter, Dinamômetro Premier Tensomax, Regularimetro Premier Tester 7000, Attrifil, Torcímetro Zweigle e Classidata Premier.

Uster Afis: Também conhecido como “mini-carda”, esse equipamento determina a contagem de neps e impurezas na amostra; o comprimento e a maturidade das fibras.

Premier Compusorter: Esse equipamento determina o título tex do fio.

Dinamômetro Premier Tensomax: Dinamômetro é um equipamento usado para determinar a resistência e alongamento do fio.

Regularímetro Premier Tester 7000: É um equipamento que analisa o coeficiente da massa a quantidade de pontos finos e grossos, neps e a pilosidade do fio.

Attrifil: Esse equipamento irá aferir o atrito que 1000 metros de fios, no final irá geral um relatório. Um bom atrito fica em torno de 0,16 (medição especifica deste aparelho) de uma escala que vai até 0,5.

Torcímetro Zweigle: O Torcímetro Zweigle é uma equipamento que determina a torção por metro de fio, ou seja determina quanto de torção um fio suporta por metro.

Classidata Premier: Avalia a quantidade de defeitos pouco frequentes contidas no fio. Ela geralmente fica em uma sala separada. E nela passam 300 km de fios, tudo isso pois ele determina se máquina que faz último processo da fiação está regulada corretamente.

Laboratório de análises de fibras - Classificação do Algodão

A classificação do algodão é feita visualmente com comparação entre os lotes de amostras, geralmente feita com duas amostras de cada fardo uma de cada lado (pois pode acontecer de uma metade estar com uma irregularidade). A classificação do algodão é padrão no mundo todo, existem caixas com amostras que são certificadas pela USDA (United States Department of Agriculture), ou seja, são caixas com os mesmos padrões em qualquer lugar do mundo. A fundação possui caixas de amostra de algodão Upland e o Pima. Com as amostras recebidas, inicia-se o processo. O algodão é classificado em três aspectos: Tipo, cor e Leaf Grade, cada um representado por números dentro de uma escala padronizada. Após feita a classificação, o algodão terá uma numeração: Primeiro digito Tipo, segundo digito Cor, terceiro digito folha, exemplo: 33.4, ou seja, neste caso o tipo será o 3, a cor será 3 e o 4 será a “sujeira”. Neste quesito da numeração o Pima se difere do Upland por possuir o Tipo e a Cor juntos no primeiro digito, exemplo: 31, aonde o tipo e a cor são o 3 e o 1 será o grau de folha.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.6 Kb)   pdf (60 Kb)   docx (9.1 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com