TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Dadaísmo e 1ª Guerra Mundial

Por:   •  6/12/2018  •  Artigo  •  1.598 Palavras (7 Páginas)  •  31 Visualizações

Página 1 de 7

Os criadores do movimento Dada acreditavam que as mazelas dos tempos de guerra (1914 - 1918, Primeira Guerra Mundial) eram frutos da racionalidade, da lógica, do aprisionamento em que o sistema havia condicionado as pessoas. Por quê?

O mundo nunca mais foi o mesmo depois da Revolução Industrial. Para além das mudanças na estrutura econômica e produtiva, a sociedade também mudava, e de modo cada vez mais acelerado. A arte, ao espelhar o modo de ser e de se inserir no mundo do homem, seguia passo a passo essa evolução. Mas a virada do século XIX para o XX presenciou uma situação de crise e caos generalizado, sob todos os aspectos, especialmente na Europa.

Até então, as pessoas mostravam-se entusiasmadas com o progresso advindo dos novos inventos mecânicos, que facilitavam a vida cotidiana e liberavam o tempo das pessoas para o lazer e atividades culturais as mais diversas. As cidades do Velho Continente fervilhavam, e Paris era sua síntese: era lá que se concentravam os artistas e pensadores da época, que se encontravam pela cidade iluminada e reformada por Haussman, com seus amplos boulevares substituindo os becos sujos e tortuosos. Desses encontros, grandes idéias surgiam, e davam origem a uma serie de movimentos artísticos, os “ismos” – fauvismo, cubismo, surrealismo ... Dentre eles, o que talvez melhor tenha traduzido a influência do avanço industrial foi o futurismo.

O futurismo foi um movimento político desde o seu início, onde o novo era abraçado com fervor em detrimento de todo o passado histórico e artístico. Um de seus principais pensadores, Marinetti, chegou mesmo a lançar um manifesto, em 1909  (o primeiro de uma serie deles, em várias tendências artísticas diferentes), onde propunha, literalmente,  a destruição dos museus e bibliotecas (!), e dizia preferir um automóvel moderno e ruidoso à Vitória de Samotrácia...  De tendência fascista, dizia que o brilhantismo e protagonismo da Itália estaria sendo bloqueado pelo peso das antigas tradições, como as artes romana e renascentista. Louvava-se o dinamismo, a velocidade, e glorificava-se a guerra, o militarismo, o patriotismo exacerbado; utilizando estratégias de publicidade, manipulava-se a mídia e o público, que se encantava pelas obras de linhas marcantes, cheias de movimento e de qualidade inegável como as esculturas e pinturas de Boccioni e Giacomo Balla.

Não se pode deixar de comentar aqui o que era a pauta de discussão em termos políticos e sociais na época, pois até mesmo essa havia sido influenciada pelo otimismo reinante, pela crença num futuro glorioso para a humanidade como um todo. Os diversos governos prometiam um enorme crescimento econômico, fruto das incríveis conquistas tecnológicas, e que teria um impacto positivo para todas as classes sociais. Os líderes mundiais prometiam estabilidade, baseada na cooperação política, na hierarquia e na ordem social; por outro lado, o Imperialismo crescia, e as disputas entre países se acirravam.

Também no campo da ciência e do pensamento os avanços eram notáveis e pareciam apontar para um futuro de grande progresso e brilhantismo para a humanidade. A criação das teorias psicanalíticas de Freud, que procuravam desvendar a natureza e o funcionamento da mente humana; a filosofia de Nietzche, que advogava o nascimento de um novo homem, livre das amarras religiosas e dos valores éticos vigentes; e as várias teorias de Marx, que destacando as mazelas da economia capitalista influenciaram vários movimentos políticos e estéticos no período, e mesmo em anos posteriores se traduziam em uma mudança de atitude diante da vida, e  junto com os novos avanços tecnológicos e de modos de fazer e ver a arte, numa atitude que propiciava a experimentação e a revolução. Muitas escolas de vanguarda traduziam essas questões humanitárias e sociológicas em suas obras, e técnicas como a colagem, a fotografia, o cinema e a charge eram rapidamente incorporadas pelos artistas das várias escolas, como linguagens originais e representativas dos novos tempos. O racional e atual eram cada vez mais privilegiados, em detrimento do romantismo ou da tentativa de retratar a realidade com as formas e suportes tradicionais de arte.

No meio de toda essa euforia, eclode a Primeira Guerra Mundial, um conflito diferente de todos os outros já vivenciados pelo continente europeu. Até então, as batalhas se davam basicamente em terra, com armas de curto alcance e combates homem-a-homem. A industrialização chega de maneira forte, fornecendo aos exércitos de ambos os lados um enorme sortimento de novas e modernas armas, verdadeiras máquinas de guerra. Com a ajuda de tanques, aviões e outros aparatos mecânicos, a indústria da guerra aumentou a letalidade das batalhas; o massacre nos campos de batalha era amplamente documentado, uma vez que as técnicas de  fotografia e cinema também se desenvolviam rapidamente; os mutilados se multiplicavam e, ao voltar a suas cidades de origem, traziam além da terrível visão um peso econômico a mais à já combalida economia dos países envolvidos. A idéia romântica de guerra, tal como retratada pelas artes em geral (literatura, pintura...), se dissiparia para sempre.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (10 Kb)   pdf (78.7 Kb)   docx (14.7 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com