TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Humanidade E Suas Fronteiras

Por:   •  25/10/2013  •  10.565 Palavras (43 Páginas)  •  193 Visualizações

Página 1 de 43

“A Humanidade e Suas Fronteiras:

Do Estado Soberano a Sociedade Global.”,

de Eduardo Felipe P. Matias

Capítulo 1: Estado e Soberania ao Longo dos Tempos

A noção de soberania sempre esteve atrelada à luta pelo poder. Fosse ela de origem divina ou popular, a soberania servia de justificativa tanto para a dominação quanto para o questionamento dessa dominação, o que fez o seu significado sempre estar no centro do debate político. Logo, não é surpreendente que a doutrina da soberania tenha sempre estado em crise nos períodos de mudança, no momento em que as instituições se modificavam e quando os grupos ou as concepções ideológicas dominantes perdiam a sua influência.

A soberania é uma concepção política que só mais tarde se condensou como noção jurídica. A soberania não é um conceito absoluto e imutável. Ao contrário, por haver se formado sob a influência de causas históricas, seu valor é relativo. Sendo uma criação humana, a soberania não pode refletir uma realidade permanente.

1.1 – A concentração da soberania – A ascensão do poder absoluto

O nascimento do Estado Moderno e as idéias de Jean Bodin

A origem histórica da soberania remonta à Idade Média. O Estado Moderno surgiu graças à desagregação e ao colapso do regime feudal, em um processo no qual o rei foi bem-sucedido em submeter todos os senhores à sua autoridade incontestável e, graças a isso, em monopolizar a soberania para seu proveito exclusivo.

Com o tempo foi consolidando-se a opinião de que a Igreja deveria limitar-se aos assuntos espirituais, deixando o poder político para o Estado. Logo, a separação entre Igreja e Estado, amparada por doutrinas como a de Maquiavel e a de Hobbes, permitiu que o exercício do poder político, que se identificava com o direito ao uso da força, fosse apartado da religião, fixando as bases do Estado moderno.

No que se refere à doutrina, muitos atribuem a Maquiavel a formulação da primeira concepção de poder supremo e unificado do Estado. Porém, mesmo o termo soberania já sendo conhecido e utilizado em sua época, foi o francês Jean Bodin, em sua obra Os seis livros da República, de 1576, quem popularizou tal conceito, instituindo a soberania como elemento fundamental do Estado.

De tal modo, na metade do século XVI a palavra soberania tinha um sentido preciso e bem claro: designaria o caráter de todo poder não-vassalo e, particularmente, o caráter do poder real, que não seria vassalo de nenhum outro.

A Paz de Westfália

No entanto, mesmo após o colapso do feudalismo, o poder interno dos monarcas não poderia firmar-se verdadeiramente sem que, externamente, a exclusividade desse poder fosse reconhecida. Esse reconhecimento, necessário à consolidação dos Estados soberanos na Europa, veio com os tratados de Westfália.

A Paz de Westfália, celebrada em 1648, encerrou a Guerra dos Trinta Anos, últimas das guerras de religião a castigar o continente europeu. Nela se afirmou a igualdade jurídica entre os Estados, consolidando-se a aceitação do princípio da soberania estatal, razão pela qual podemos afirmar que os tratados que a celebraram marcam os primórdios da atual sociedade internacional.

Ao contrário do que se poderia imaginar, a paz de Westfália não marcou a emergência dos Estados-Nação, que só viriam a surgir após mais de um século. Os tratados que a celebraram foram responsáveis, no entanto, pelo nascimento de uma sociedade internacional, marcada pela aceitação pelos Estados de regras de instituições obrigatória e pelo seu interesse comum em mantê-las.

De acordo com tais regras, o mundo é dividido em Estados soberanos iguais perante a lei, não importando as possíveis assimetrias de poder existentes. O direito internacional se limita, assim, a estabelecer regras mínimas de coexistência, sendo a responsabilidade por atos nocivos praticados além das fronteiras estatais assunto que se refere somente as partes envolvidas. Por fim, as disputas entre Estados são normalmente resolvidas pelo uso da força.

Hobbes e o Leviatã

A origem do Estado estaria na própria vontade dos indivíduos, e seu fim seria determinado pelo próprio consenso destes últimos. Logo, o “Estado seria a expressão da liberdade e da igualdade dos indivíduos”.

Ocorre que o homem não seria um ser altruísta por natureza. O homem seria sim o lobo do próprio homem, e seus interesses particulares

...

Baixar como (para membros premium)  txt (64 Kb)  
Continuar por mais 42 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com