TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

SIGNIFICADO SOCIO-HISTORICO DA PROFISSAO SERVIÇO SOCIAL

Por:   •  3/3/2013  •  794 Palavras (4 Páginas)  •  5.501 Visualizações

Página 1 de 4

O significado sócio-histórico da profissão

(Resumo)

O significado social da profissão só pode ser desvendado em sua inserção na sociedade, é preciso ultrapassar a análise do Serviço Social em si mesmo para situá-lo no contexto de relações mais amplas que constituem a sociedade capitalista. Um conceito fundamental para a compreensão da profissão na sociedade capitalista é o de, reprodução social, que, na tradição marxista, se refere ao modo como são produzidas e reproduzidas as relações sociais nesta sociedade. A reprodução das relações sociais é entendida como a reprodução da totalidade da vida social. Iamamoto e Carvalho (1995, p. 73) considera o Serviço Social a partir de dois ângulos indissociáveis e interdependentes: realidade vivida e representada na e pela consciência de seus agentes profissionais; atividade socialmente determinada pelas circunstâncias sociais. Esses dois ângulos podem ser contraditórios, podendo ocorrer um desencontro entre as intenções do profissional, o trabalho que realiza e os resultados que produz. A prática profissional permite apreender as dimensões objetivas e subjetivas. Objetivas: no sentido de considerar os determinantes sócio-históricos do exercício profissional em diferentes conjunturas. Subjetivas: no sentido de identificar a forma como o assistente social incorpora em sua consciência o significado de seu trabalho e a direção social que imprime ao seu fazer profissional. Com relação a institucionalização da profissão, de uma forma geral, nos países industrializados, está associada à progressiva intervenção do Estado nos processos de regulação social. As particularidades desse processo no Brasil evidenciam que o Serviço Social se institucionaliza e legitima profissionalmente como um dos recursos mobilizados pelo Estado e pelo empresariado, com o suporte da igreja católica, na perspectiva do enfrentamento e regulação da Questão Social. Em 1932, é criado o Centro de Estudos e Ação Social (CEAS), entidade que seria fundadora e mantenedora da primeira Escola de Serviço Social do país. O CEAS é gestado em plena revolução paulista. Era mantido com mensalidades das sócias e tinha como objetivos: difundir a doutrina e a ação social da igreja. Nesse momento a “questão social” é vista a partir do pensamento social da igreja, como questão moral, como um conjunto de problemas sob a responsabilidade individual dos sujeitos que os vivenciam embora situados dentro de relações capitalistas. É na relação, com a Igreja Católica, que o Serviço Social brasileiro vai fundamentar a formulação de seus primeiros objetivos político-sociais, orientando-se por posicionamentos de cunho humanista conservador contrário aos ideários liberal e marxista na busca de recuperação da hegemonia do pensamento social da Igreja em face da “questão social”. Com a criação de instituições assistenciais estatais, na década de 1940, o Estado passa a intervir no processo de reprodução das relações sociais, assumindo o papel de regulador e fiador dessas relações, tanto na viabilização do processo de acumulação capitalista, como no atendimento das necessidades sociais das classes subalternas. O Serviço Social passa então a poder ampliar suas possibilidades de intervenção, indo mais além dos trabalhos

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.5 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com