TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Violência Contra Mulher

Por:   •  19/6/2013  •  9.739 Palavras (39 Páginas)  •  1.529 Visualizações

Página 1 de 39

INTRODUÇÃO

Esse trabalho monográfico foi desenvolvido com o intuito de demonstrar a necessidade de operacionalização das estruturas governamentais responsáveis pela aplicabilidade das normas de preservação da integridade da mulher ante o aumento nos casos de violência.

Para obter êxito em nossa pesquisa necessário se fez fazer estudo dos mecanismos utilizados seja pelo Estado Brasileiro, seja pelos Estados-membros na dinamização da política pública de amparo a mulher, mais especificamente, as delegacias especializadas. Assim, necessário se faz apresentar algumas ações que já foram desenvolvidas pelo Estado que tem como premissa atender a parte hipossuficiente no processo de agressão intra ou extrafamiliar.

É difícil entender os motivos da violência, segundo Paulo Sérgio Pinheiro(2003, p.13), na introdução que escreveu para o Livro “Cultura do Medo”, de Berry Glassner, “ a causalidade da violência nunca se deve a um único fator, mas sempre a um conjunto de fatores, em contextos precisos. Nos Estados Unidos, como no Brasil, a violência interpessoal está profundamente arraigada na enorme desigualdade”

Assim, com o anseio de trazer a discussão da violência para esse singelo estudo acadêmico, estabelecemos bases teóricas para os capítulos, bem como abordagens a serem formalizadas, primando por uma cadência linear e lógica de raciocínio, o que vem a facilitar a compreensão do leitor ao longo do texto. Temos então, que no primeiro capítulo descrevemos a evolução histórica do direito das mulheres, delineando os mais importantes movimentos feministas ocorridos ainda no século passado em busca de igualdade de direitos e deveres de gênero, e para tal, nos embasamos em premissas constitucionais, texto esse consolidado com a entrada em vigor da Constituição Federal em 1988, bem como as alterações penais que foram necessárias para um melhor cumprimento dos direitos adquiridos, inclusive em tratados internacionais em que o Brasil é signatário.

No segundo capítulo abordado verificamos as trajetórias percorridas até a consolidação de lei específica de combate à violência contra mulher, a Lei 11.340/06 com suas especificidades.Sancionada em 7 de agosto de 2006 e denominada Lei Maria da Penha, em homenagem a tragédia pessoal de Maria da Penha Fernandes, a referida lei visa proteger o sexo feminino da violência doméstica e familiar, já que seu artigo 1º dispõe que a mesma cria mecanismos para coibir a violência contra a mulher nos termos do § 8 do art. 226 da Constituição Federal que diz: “O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações”; da Convenção sobre eliminação de todas as formas de discriminação contras as mulheres e da Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra mulher.

A Lei Maria da Penha, que amplia o acesso da mulher à justiça e reduz a impunidade, só foi criada depois de muita insistência e para chamar atenção dos governantes a um problema tão grave e constante na vida de milhares de mulheres. Foi necessária a intervenção de uma organização para demonstrar a todos o que estava errado.

Essas agressões assumem dimensão especialmente cruel quando se constata que a maioria ocorre no espaço doméstico e são praticadas por membros da família. Em tais casos, além de vitimarem as mulheres, têm grave repercussão sobre os filhos e podem levar à desestruturação do núcleo familiar, além de estimularem a persistência de comportamentos violentos; gerarem situações de desajuste para crianças e adolescentes; prejudicam sua educação e formação, criando adultos possivelmente violentos. Ressalta-se a importância do ambiente familiar no equilíbrio comportamental de crianças e adolescentes, uma vez que a família fornece a matriz dentro do qual o indivíduo é moldado e se desenvolve, é o primeiro grupo ao qual a criança é exposta e nele tem suas primeiras experiências interpessoais.

Além disso, a violência expõe a face mais perversa da desigualdade de gênero, ao afrontar direitos elementares à dignidade, à saúde e à própria vida das pessoas agredidas.

1. A EVOLUÇÃO DOS DIREITOS DAS MULHERES NO BRASIL

A mulher sempre foi apontada como o membro familiar mais frágil nas relações sociais, contudo, ao longo dos movimentos feministas, as mulheres foram adquirindo espaço,

...

Baixar como (para membros premium)  txt (64 Kb)  
Continuar por mais 38 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com