TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

. A Pedagogia Histórico-Crítica no Quadro das Tendências Críticas da Educação Brasileira

Por:   •  31/8/2019  •  Resenha  •  1.146 Palavras (5 Páginas)  •  75 Visualizações

Página 1 de 5

 RESENHA

SAVIANI, Dermeval. A Pedagogia Histórico-Crítica no Quadro das Tendências Críticas da Educação Brasileira e A Pedagogia Histórico-Crítica e a Educação Escolar In.: Pedagogia Históricro-Crítica: primeiras aproximações. 10º  edição rev. Campinas,SP: Editora Autores Associados, 2008. p. 54-74 p. 75-88

Para quem procura por uma teorização da história da educação ou da pedagogia para além do senso comum e modismos pedagógicos, um ótimo suporte é a reflexão produzida na obra Pedagogia Histórico Crítica: primeiras aproximações, por Dermeval Saviani. Os estudos e discussões acerca das teorias da educação possuem um caráter significativo para o campo educacional, uma vez que apenas a ação educativa consciente é capaz de formar cidadãos críticos. Nesse sentido, a opção por uma teoria implica em assumir os seus pressupostos de forma a ser imprescindível uma prática educativa responsável, sustentada pelo conhecimento teórico.

Dermeval Saviani é formado em filosofia pela PUC-SP (1966), é doutor em filosofia da educação (PUC-SP, 1971) e livre-docente em história da educação (UNICAMP, 1986), tendo realizado “estágio sênior” na Itália em 1994-1995. Na primeira parte de seu artigo, é feito uma breve retomada histórica, a partir do marco em que ocorreu o início das discussões acerca da pedagogia históricocrítica, abordando definições teóricas da significação de tal conceito, dando continuidade às materialidades da visão crítico-reprodutivista, que desempenhou um papel importante em nosso país. Para o autor, a pedagogia histórico-crítica, que analisaria a educação sob o ponto de vista histórico, seria uma solução para as limitações da visão crítico-reprodutivista, uma vez que esta não se preocupa em elaborar o senso crítico nas escolas (SAVIANI, 1991, p. 59). 

Adiante, o texto trata sobre a busca de saídas teóricas, parte em que expõe diferentes pontos de vistas e teorias de diversos representantes, tais como Baudelot, Paulo Freire, Bourdieu e Passeron. Estabelece noções referentes a abordagem dialética da educação, assim como também sobre o processo contraditório da visão dialética. Chega-se então a conclusão de considerar cindo grandes tendências no grupo pedagógico em filosofia da educação, são eles: humanista moderna, analítica, crítico-reprodutivista e dialética.  

Entretanto, é no ano de 1979 que a discussão em torno da concepção históricocrítica dá início a um caminho mais coletivo,  ressalta a abordar dialeticamente a educação, para de ter um foco característico por uma “expressão coletiva”.  Pode-se dizer que desde então, aqueles que se preocupavam  com a educação e que enfrentavam por um método critico da educação, apoiaram essa pedagogia, que se tornou coletiva. Diversas pesquisas em volta da pedagogia histórico-critica começaram a ser realizadas a partir disso, em torno de suas suposições filosóficas, teóricas e praticas com a intenção de auxiliar para a disciplina dessa teoria pedagogia visando que possua a faculdade de se permanecer de maneira resistente na escola.

Começava-se então a procura da descoberta de formas de investigar a educação, conservando a indispensabilidade de abrir possibilidade e não somente produzir a analise do real. Em 1981 chega a tese da Guiomar, partindo de que a educação tenha uma função política, onde que, para que ocorra essa colocação política de modo inovador seria preciso conter uma mestria pedagógica. Conclui-se então, a partir disso, que seria uma visão de educação “policitista”, ou seja, um ato político que na verdade é criar política na escola.

Dando continuidade no quinto e sexto tema do capítulo 3, apresenta-se a crítica da crítica que manifestaram contra essa tendência, que com as oposições erguidas contra a pedagogia histórico-crítica habituou-se assumir modo de incertas dicotomias.  

A partir disso, o autor fala em seu texto sobre o papel real do pedagogo e do professor, no qual aprofunda questões sobre métodos e processos a serem sistematizados com seus respectivos alunos, e com isso, a inquisição da importância das disciplinas no desenvolvimento dos mesmos. A pedagogia histórico-critica segundo o autor, provocaria um aspecto do conhecer como decisivo e realizado, com essa afirmação, aponta os impasses exibidos pela pedagogia, tais como o saber e falar na socialização.

Logo após, há um debate a respeito de diversos campos da pedagogia: o primeiro deles sobre a pedagogia concreta que logo se traduz como pedagogia dialética, e nesses termos, abrange-se sobre a lógica e concordâncias de conteúdos. Deixando claro que o sinônimo estabelecido é a dialética como suposição da mudança da veracidade (SAVIANI, 1991, p. 75). Transposta para educação essa teoria insere a pedagogia no materialismo histórico, que de acordo com o autor:

Em outros termos, o que eu quero traduzir com a expressão pedagogia
histórico-crítica é o empenho em compreender a questão educacional com
base no desenvolvimento histórico objetivo. Portanto, a concepção pressuposta nesta visão da pedagogia histórico-crítica é o materialismo histórico,
ou seja, a compreensão da história a partir do desenvolvimento material, da
determinação das condições materiais da existência humana (SAVIANI, 1991, p. 76)

...

Baixar como (para membros premium)  txt (7.9 Kb)   pdf (141.6 Kb)   docx (10.3 Kb)  
Continuar por mais 4 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com