TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A CLÍNICA ESTRUTURAL: UMA PERPERCTIVA DAS PSICOSES

Por:   •  10/1/2019  •  Trabalho acadêmico  •  1.373 Palavras (6 Páginas)  •  38 Visualizações

Página 1 de 6

O presente trabalho tem o intuito de discorrer sobre a psicose na perspectiva da clínica estrutural psicanalítica com base no texto “Freud e a Invenção da Clínica Estrutural” de autoria do professor Marco Antonio Coutinho Jorge.

Na teoria psicanalítica, o conceito de estrutura clínica foi inserido por Lacan a partir da sua leitura e estudos dos textos de Freud. Segundo Lacan, o inconsciente tem estruturas assim como a linguagem. A estrutura de linguagem que define o lugar do sujeito no discurso. Ao pensar nessa lógica, Lacan estabeleceu uma associação das estruturas clínicas com os mecanismos de defesa. Tais mecanismos são: o recalque para a neurose, a renegação para a perversão e a foraclusão para a psicose. (JORGE, 2017)

Nas psicoses, o eu foraclui e isso é implicado à uma negação ao recalcamento. Quando isso ocorre, há um contato com uma demanda que não é conciliável ao sujeito e sua consequência é uma “confusão alucinatória”. A alucinação/delírio é uma defesa a uma ideia incompatível que está enlaçada com o contato com uma experiência sexual traumática.

O delírio é uma tentativa de reconstrução da fantasia na realidade psíquica. Assim, o objetivo é fazer uma nova realidade, mas, que busca a realidade externa. Para Lacan, a psicose não é somente a criação de um mundo imaginário, porque o que está subvertido na psicose é a ordem simbólica que é aquela que forma a realidade. (JORGE, 2017)

O psicanalista Leader (2013), em seu livro “What is madness?”, aborda sua visão sobre a psicose e, tendo vista seu notório saber sobre o assunto, será exposto alguns pontos sobre essa temática. Segundo Leader, delírio tem três funções: tratar do problema do sentido, da libido e do lugar do sujeito em relação ao Outro. É um processo de construção e não de deterioração do sujeito. O que costumava tomar como sintomas da loucura são, na verdade, respostas à loucura. Segundo Freud, o delírio não é um sintoma primário da psicose, mas uma tentativa de curar a si mesmo. Quando se abre um buraco no mundo da pessoa, o delírio oferece um conserto por fornecer significação. Assim sendo, o delírio é um fenômeno positivo, e não negativo, uma tentativa de cura, e não uma patologia em si, mesmo que possa falhar com frequência.

Os delírios tendem a se classificar em dois grupos: as tentativas de encontrar sentido, que são passageiras, e os sistemas mais metódicos, construídos ao longo do tempo, que costumam ser mais sólidos. O neurótico soluciona esse processo de significação em sua passagem pelo complexo edipiano: seus horizontes se estreitam quando ele entra no mundo fálico dos pais. Esse processo cria a grade que chamamos de complexo de Édipo, que consolida os significantes e significados, juntando-os para organizar o mundo. (LEADER, 2013)

Existem três estruturas mentais mutuamente exclusivas – neurose, psicose e perversão – e, dentro das psicoses, outras três: paranoia, esquizofrenia e melancolia.

Para Leader (2013), a metáfora paterna tem objetivo de regular os que estão na neurose, no entanto, na psicose esse processo não ocorre. Resta a cada sujeito psicótico inventar a própria solução para esses problemas e os estilos de respostas podem nos permitir diferenciar e definir as diversas formas que podem ser assumidas pela psicose.

Na paranoia, a pessoa constrói algo, cria um sistema de ideias como resposta a sua vivência de desmoronamento. Envolve a criação de um saber, de um sistema de crenças centrado numa falha ou num perseguidor com alto nível de poder explicativo e que vai além da simples suposição de que está sendo perseguido ou denegrido pelos outros. O esquizofrênico pode acreditar que seus pensamentos e até sentimentos não lhe pertencem, mas que de algum modo foram postos dentro dele, ou são experiências de outra pessoa. Por outro lado, o paranoico vê as forças externas atuando contra ele, não dentro dele, e nunca existe a ideia de que seus pensamentos tenham sido roubados de sua mente ou inseridos nela, a culpa é sempre do outro.

Na melancolia, a culpa é sempre do sujeito. Apesar das argumentações em contrário e até da inocência proferida em juízo, a pessoa acredita com uma convicção delirante que fez algo errado, a significação é fixa. Seja correto ou não o conteúdo de uma ideia delirante, o que importa é a relação que a pessoa tem com ele.

Os sujeitos esquizofrênicos, geralmente, mandam mensagens que se mostram contraditórias e confusas. Há uma espécie de “duplo vínculo”, os sujeitos ficam paralisados entre uma mensagem conflitante. As posições que o sujeito se coloca – atribuir outra mensagem para a que foi recebida, rir ou ignorar - indicariam, respectivamente, as formas paranoide, hebefrênica e catatônica da esquizofrenia. Em contraposição, a dificuldade do sujeito paranoico se encontra no fato de ele não receber mensagens contraditórias. (LEADER, 2013)

...

Baixar como (para membros premium)  txt (8.3 Kb)   pdf (112.9 Kb)   docx (13.7 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com