TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A PSICOLOGIA SOCIAL NO MERCADO DE TRABALHO

Por:   •  28/5/2019  •  Trabalho acadêmico  •  3.539 Palavras (15 Páginas)  •  72 Visualizações

Página 1 de 15

UNIP

Psicologia Social

No

 Mercado De Trabalho

João Cunha Da Silva Filho RA:N205270

Iara Kamyla Martins Gois RA:N131JC7

Manaus-AM

2018

Sumario

1) Introdução

2) Desenvolvimento

2.1) Políticas públicas e o lugar do jovem no mundo  rural

2.2) Configurações atuais do trabalho: o fenômeno da precarização e flexibilização

2.3) Impasses da relação entre trabalho e gestão

2.4) Economia solidária e psicologia

3) Conclusão

4) Referencial  

Introdução

O olhar atento para o trabalho permite observar uma enorme gama de modos de trabalhar e de estar no trabalho, que vão muito além das linhas de produção fordistas que historicamente moldaram e simbolizaram a ideia de trabalho no imaginário social. Além da atividade fabril, podemos observar a ampliação do trabalho terceirizado, do trabalho informal e de atividades no setor de serviço.

Assim, buscamos a seguir mostrar como o olhar a partir do cotidiano de trabalho evidencia distintos modos de vivenciar, de atribuir sentido e de estar em diferentes tipos de organização do trabalho, A contribuição que se pretende oferecer é a de uma psicologia social que aborda os processos cotidianos de trabalho como processos micropolíticas, isto é, processos em que poder e controle comparecem como categorias fundamentais.

Politicas publicas e o lugar do jovem no mundo rural

Tensões existentes entre a concepção de trabalho familiar presente nos projetos de assentamentos de reforma agrária e as reais possibilidades de inserção e permanência dos jovens, a parir da análise das políticas públicas para a juventude rural, especialmente aquelas designadas a promover a inserção dos jovens no mundo do trabalho. Os assentamentos rurais de reforma agrária, recentemente criados no estado de São Paulo, têm procurado resgatar a ideia de comunidade rural sustentável ao incorporar no processo organizativo a preocupação com o meio ambiente, o incentivo ao trabalho familiar e à organização de associações, cooperativas e outros dispositivos comunitários de planejamento e controle da produção que tentam recuperar as formas de solidariedade presentes nas relações de parentesco e vizinhança típicas do tradicional rural brasileiro. No entanto, as distâncias que separam os assentamentos idealizados (tanto pelo governo quanto pelos movimentos sociais) e os legalizados, mas ainda não realizados e emancipados, são, às vezes, imensuráveis, apesar da boa vontade e dos esforços dos agentes sociais que estão envolvidos no processo organizativo. Se por um lado, esses assentamentos significam moradia e subsistência para uma população que vive do trabalho incerto e precário, por outro lado, eles estão longe de significar a melhoria real das condições de vida dos trabalhadores rurais assentados.

Entre os principais problemas enfrentados estão: a ausência de infraestrutura mínima para a produção (especialmente água, energia e base técnica adequada), o excesso de burocracia e a morosidade no processo de liberação de créditos para produzir e outros recursos para viabilizar a vida comunitária, a insuficiência dos recursos financeiros diante das crônicas carências dos trabalhadores assentados, a insuficiência e inadequação dos programas de assistência técnica e extensão rural, a ausência de canais adequados de comercialização, entre outros. No que se refere à organização social e comunitária, os trabalhadores assentados ressentem-se da carência de recursos básicos tais como escolas, assistência à saúde, assistência social e lazer, principalmente. Neste cenário de precariedades econômicas e vulnerabilidades sociais, emerge como questão central para pensar o futuro dos assentamentos rurais o problema de como inserir e manter os jovens nessas comunidades. Estudos recentes sobre as problemáticas que envolvem as relações entre trabalho rural e juventude apontam certa indisposição generalizada entre os jovens para dar continuidade aos projetos de trabalho dos familiares na pequena agricultura. No geral, as análises apontam para a existência de uma crise social na agricultura familiar, na medida em que os filhos dos agricultores não podem ou não querem exercer a mesma profissão de seus pais porque as suas aspirações educacionais e profissionais, assim como as suas preferências pelo local de moradia (rural ou urbana), são orientadas por uma formação escolar urbana e até mesmo pelos valores das próprias famílias que, por mais que necessitem da força de trabalho dos filhos e reconheçam os impactos negativos da migração campo-cidade, tendem a reforçar ou incentivar a opção por uma escolha profissional. Os jovens, por sua vez, criticam e desvalorizam o trabalho rural e, em geral, descartam a possibilidade de trabalhar e viver no campo. No entanto, são ainda escassos os estudos que se dedicam a entender a problemática dos jovens que permanecem no campo e os estudos que analisam o movimento contrário, ou seja, a inserção dos jovens em assentamentos rurais cujas famílias migraram da cidade para o campo em busca de melhores condições de sobrevivência.

Nestes assentamentos, a problemática dos jovens configura-se a parir do movimento da migração cidade-campo. As famílias, embora no passado tenham tido algum tipo de relação com a terra, migraram das periferias das cidades para o campo buscando na luta pela reforma agrária uma alternativa de sobrevivência econômica e segurança social. Os jovens constituem uma parcela expressiva da população, mas não trazem consigo as heranças e a experiência do trabalho na agricultura porque nasceram e se criaram nas periferias urbanas em famílias cuja relação com o campo, no limite, era de assalariamento temporário. No vácuo da insuficiência de políticas públicas que viabilizem a transformação desses espaços em comunidades organizadas do ponto de vista socioeconômico e político, por estarem os assentamentos localizados próximos a grandes centros urbanos e por comportarem uma população que traz a herança do desenraizamento, a questão que se coloca é a da possibilidade de os jovens assentados vivenciarem e reproduzirem os mesmos problemas que hoje enfrentam os que habitam as periferias das cidades: a dificuldade de acesso à escola; a inadequação da formação escolar e profissional recebida para enfrentar o mundo do trabalho, as dificuldades de inserção no trabalho, tanto na cidade quanto no campo, especialmente quando se trata do primeiro emprego. Se frequentar escola e trabalhar na cidade são estratégias do jovem rural para migrar para as cidades, cabe perguntar: Como se apresenta e qual é o futuro do trabalho familiar nos assentamentos rurais? Como é possível manter trabalhando no campo jovens assentados que possuem formação educacional e experiências profissionais urbanas? Para reler sobre as condições de inserção e permanência de jovens trabalhadores neste tipo de assentamento rural é importante analisar qual é o lugar que tem sido destinado à pequena agricultura familiar no processo de desenvolvimento do mundo rural e do país. É necessário também considerar as especificidades sociais e culturais do jovem rural em relação ao jovem urbano e também reconhecer as semelhanças existentes entre eles, especialmente no que se refere aos hábitos de lazer, consumo, linguagem, interesses e gostos diversos, porque eles configuram grupos sociais historicamente construídos no contexto de formações socioculturais concretas.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (24.6 Kb)   pdf (139.9 Kb)   docx (16.9 Kb)  
Continuar por mais 14 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com