TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Analise do filme: PRECISAMOS FALAR SOBRE O KEVIN

Por:   •  27/5/2017  •  Abstract  •  859 Palavras (4 Páginas)  •  565 Visualizações

Página 1 de 4

      FILME: PRECISAMOS FALAR SOBRE O KEVIN

Filme baseado no livro Precisamos falar sobre o Kevin escrito por Lionel Shriver sua primeira publicação foi em 2003, o filme com  direção: Lynne Ramsayl, foi lançado no Brasil em 2012.

O filme conta a historia do relacionamento caótico entre Eva e seu filho Kevin e as ações que podem ou não ser fruto desse relacionamento, uma mãe e um filho que não conseguem criar vínculos afetivos, eles mostram desde cedo um ódio crescente, Eva vive rodeada pela culpa, duvida, remorso já Kevin se mostra apático com tudo que o rodeia, meticuloso e perverso a sua ligação mais amorosa com o pai (Franklin), parece estar ligada a uma forma de provocar e agredir a mãe do que um relacionamento sincero e amoroso com o pai, a irmã (Lucy) é vitima da inveja e mãos tratos disfarçados de acidentes e ofensas com duplo sentido.

Na primeira cena de Eva esta na Itália, durante a guerra dos tomates, sendo carregada e coberta de tomates amassados, as cores fortes desta cena nos remete ao vermelho da tinta pichada em sua casa ou a chacina na escola.

Eva uma mulher bem sucedida que viaja pelo mundo tem sua vida estruturada, encontra Franklin apaixonam-se e casam, na sua concepção ela é feliz em uma cena presenciada pelo marido Eva fala para Kevin que deve ter mais ou menos três anos “mamãe era feliz, antes do pequeno Kevin nascer, sabia disso, agora mamãe acorda toda manha e queria estar na França”

A historia é contada através de flashbacks, Eva relembra sua vida conjugal, familiar e social, enquanto tenta continuar sua vida, convivendo com a morte do marido e da filha, os olhares críticos e agressões dos moradores locais que tiveram suas vidas afetadas pelos atos inexplicáveis de Kevin, apesar de tudo estar contra ela sua decisão é de continuar morando no bairro em outra casa, pois seu filho esta internado em uma instituição penal próxima e lhe faz visitas periódicas, também resolve recriar o quarto de Kevin igual era na sua adolescência.

A grande pergunta do filme é por que Kevin era daquele jeito, por que ele fazia aquelas coisas, a culpa foi de Eva?

Segundo Winnicott a mãe boa (que supre as necessidades do bebê quando ele necessita e não quando lhe convêm), esse ambiente facilitador é necessário para o amadurecimento humano e não o ambiente em si é o que faz o bebê crescer, a falha do ambiente pode gerar neuroses, despertar o potencial paranoico, psicoses.

Podemos ver a falha no ambiente em varias cenas, como durante a gravidez, após o parto ainda no hospital, enquanto o bebe chora Eva o segura longe do corpo ou quando ela prefere ouvir o som de uma britadeira ao invés do choro de Kevin, podemos também destacar dois diálogos entre Eva e Kevin que podem demostrar essa falha no ambiente “Bom é você nunca quis ter alguém por perto pra poder brincar? Não. Você poderia gostar. E se não gostar? Você se acostumado. Não se gosta de uma coisa por estar acostumado, esta acostumada comigo!” e após um comentário sarcástico de Eva sobre pessoas gordas Kevin responde “Você sabe ser muito cruel às vezes. Hum, não pode me julgar! Posso, eu posso sabe com quem eu aprendi?” em ambos os momentos Eva não o contradiz, outra fala interessante e quando o pai da um resumo sobre o que acontece ente ela e o filho “Primeiro ele chora muito, depois ele fica quieto demais, ai , começa com aquela linguagem dele, é irritante! E o problema do banheiro, como muitas crianças, você não pode ficar por ai sempre que quiser, e você vê isso como uma maldita vingança pessoal, isso não é bom para ele!”, se nos baseássemos somente nestes episódios podemos afirmar que a teoria winnicottiana esta correta, porem há vários casos onde pessoas nas mesmas condições não desenvolveram nenhum desvio de personalidade, e apesar dele não ter tido uma “mãe suficientemente boa”, recebeu do pai os cuidados que faltaram por parte da mãe ou seja ele não foi privado desses cuidados o que ele teve foi deprivação. Outro ponto que podemos levantar é o complexo de Édipo, por que Kevin matou o pai, mas não a mãe?

...

Baixar como (para membros premium)  txt (5.2 Kb)   pdf (114.1 Kb)   docx (13.4 Kb)  
Continuar por mais 3 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com