TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

CRITICA DO FILME: “O CONTADOR DE HISTÓRIAS”

Por:   •  13/5/2019  •  Resenha  •  1.429 Palavras (6 Páginas)  •  79 Visualizações

Página 1 de 6

[pic 1]

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIFANOR/WYDEN

PSICOLOGIA

Luana Patrícia Brasil Mendes Silveira

ANALISE CRITICA DO FILME: “O CONTADOR DE HISTÓRIAS”.

FORTALEZA-CE

2019.1

Luana Patrícia Brasil Mendes Silveira

ANALISE CRITICA DO FILME: “O CONTADOR DE HISTÓRIAS”.

Resenha Critica do Filme “O  Contador de Histórias”, para o trabalho da disciplina Psicologia  do Desenvolvimento, no curso de Psicologia, do Centro Universitário Faculdade do   Nordeste   -   UNIFANOR.

Prof.ª Kelly Albuquerque

FORTALEZA-CE

2019.1

RESENHA CRÍTICA DO FILME “O CONTADOR DE HISTÓRIAS”

Filme: O Contador de Historias

Diretor: Luiz Villaça

Produção: Francisco Ramalho Jr., Denise Fraga

Roteiro: Maurício Arruda, José Roberto Torero, Mariana Veríssimo, Luiz Villaça

Fotografia: Lauro Escorel

Distribuidora: Warner Bros.

Estúdio: Ramalho Filmes

Elenco: Maria de Medeiros, Marco Ribeiro, Paulo Henrique Mendes, Cleiton Santos, Mallu Gali, Ju Colombo, Daniel Henrique da Silva

Gênero: Drama

Duração: 100 minutos

SINOPSE

O filme tem como cenário a cidade de Belo Horizonte na década de 70, tendo como personagem principal Roberto Carlos Ramos que vive com a sua mãe e seus nove irmãos em uma favela. A mãe motivada pelo sonho do filho tornar-se um Doutor leva-o para a Fundação Estadual para o Bem Estar do Menor - FEBEM, confiando que lá seu filho terá melhores chances. Na FEBEM, Roberto Carlos usa sua capacidade criadora para conseguir mais comida e certa notoriedade entre os internos. Tudo estava caminhando bem até ele se tornar um adolescente e ser transferido para outra instituição de regras bem mais rígidas. Para fugir de castigos físicos, ele e outros internos descobrem o mundo delituoso das drogas e fugindo constantemente da instituição. Sendo até rotulado como irrecuperável pela instituição. É nesse momento conturbado de sua vida que aparece a pedagoga francesa Margherit Duvas, que aos pouquinhos vai conquistando a abalada confiança de nosso protagonista, com palavras carinhosas e atitudes educadas. Ela, além de alfabetizá-lo,  para surpresa dele, o adota, dando-o chance de se alfabetizar e dar asas, ainda mais, à sua capacidade criadora. Ambos vão viver na França. Após concluir seus estudos, Roberto Carlos retorna à Fundação, como educador, e inicia uma linda história com outras crianças e adolescentes. Ele adota vinte filhos, alguns, como ele, também rotulados de irrecuperáveis pelas instituições.

INTRODUÇÃO

Neste mundo conturbado com tantas mudanças sociais, culturais, econômicas e políticas em que vivemos a problemática da criança e do adolescente nunca foi tão atual e relevante. Ainda não é pacífico o entendimento do papel da Escola como ambiente da diversidade cultural e ferramenta para melhor compreensão das questões sociais.

A discussão da narrativa do filme nos mostra que no processo de aprendizagem, a Escola não pode ficar alheia aos problemas culturais, sociais e políticos.

Na narrativa do filme, Roberto cresce com os meninos de rua e com as experiências adquiridas neste contexto, construindo, assim, aos poucos, sua identidade. O fato impulsionador, modificador e salvador na vida de nosso protagonista foi o contato com novas vivências, através da pedagoga Margherit Duvas, que aos poucos vai modificando suas representações sociais.

A análise deste filme nos propicia pertinentes reflexões sobre como as identidades e representações sociais vão se edificando com base em nossas experiências de vida e como elas também podem se modificar quando nos são mostradas novas formas de ver e agir sobre o mundo em que vivemos.

ANÁLISE CRÍTICA DO FILME

Análise do filme “O contador de Histórias” e relação com o conteúdo abordado até o momento na disciplina especialmente com: práticas pedagógicas na infância, contexto sócio, histórico cultural e as praticas pedagógicas, desenvolvimento humano na perspectiva do pensamento interacionista do Homem como ser social, onde o conhecimento é construído gradualmente.( Vygotsky, Waalon, Piaget.)

...

Baixar como (para membros premium)  txt (9.8 Kb)   pdf (134.4 Kb)   docx (17.8 Kb)  
Continuar por mais 5 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com