TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Resumo Sobre Gestaltismo

Artigos Científicos: Resumo Sobre Gestaltismo. Pesquise 784.000+ trabalhos acadêmicos

Por:   •  27/1/2013  •  2.340 Palavras (10 Páginas)  •  4.159 Visualizações

Página 1 de 10

A teoria da Gestalt desenvolveu-se como protesto contra a análise atomística-mecanicista tal como era proposto por Wundt, vigente século XIX que tentava compreender a experiência da pessoa de forma que os elementos dessa experiência eram reduzidos aos seus componentes mais simples, sendo que cada componente era analisado separadamente dos outros e, a experiência total era entendida como uma soma destes componentes. Apenas no final do século XIX, passou-se a considerar a importância da noção de estrutura¸ isto é, o foco não deveria estar mais na sensação, mas na relação entre as diferentes sensações. Enquanto os associacionistas partem das sensações elementares para construir as percepções, os gestaltistas partem das estruturas, das formas, defendendo que nós percepcionamos conjuntos organizados em totalidades.

Para os psicólogos da Gestalt, a totalidade possui características muito particulares que vão muito além da mera soma de suas partes constitutivas, defendem que a percepção está para além dos elementos fornecidos pelos órgãos sensoriais. Por exemplo, uma melodia é ouvida como uma totalidade, como um conjunto e quando a escutamos, não temos consciência das notas que a compõem. O todo é percebido antes das partes que o constituem. A forma corresponde à maneira como as partes estão dispostas no todo.

O Gestaltismo propriamente dito, ou Escola de Berlim, defende que a experiência psicológica deve ser estudada não com base nas sensações, mas nas experiências de sentido e valor experienciadas por cada sujeito. O objetivo, pois, da Gestalt, era promover a união entre vivência e experiência (vida), utilizando para esse fim o método fenomenológico-descritivo que enfatiza a experiência direta da pessoa procurando descrever a experiência, em vez de explicá-la.

A alteração conduzida pelo gestaltismo da Escola de Berlim quanto ao projeto da “Psicologia como ciência da experiência” principia-se pela radicalização do seu próprio alvo: a experiência que será considerada simplesmente tal como ela é apreendida por todo e qualquer sujeito.

Há também o questionamento da introspecção experimental, mostrando-se a artificialidade deste procedimento: O treinamento prévio dos sujeitos, a busca das sensações puras e o risco do erro do estímulo são considerados pelos gestaltistas como mero preconceito fisiológico. O gestaltismo propõe em contrapartida outra metodologia: o método fenomenológico-descritivo. Aqui o controle não é mais feito sobre o próprio sujeito, mas sobre as condições experimentais que são apresentadas aos sujeitos, como as disposições perceptivas.

A psicologia clássica admitia a hipótese da constância, onde a representação do mundo pela nossa mente acontece de forma linear: S-nervo-sensação. O dado excitante, agindo sobre a mesma terminação nervosa, produz sempre a mesma sensação. O gestaltismo (Escola de Berlim) se recusam a aceitar a sensação e a hipótese da constância como fundamentos da experiência. Nossa experiência perceptiva é marcada por relações de sentido e de valor e não apenas por um acumulo de sensações. O isomorfismo afirma que deve haver uma correspondência entre a experiência psicológica e a cerebral subjacente, responsável pelo fenômeno phi.Físico e psíquico formam uma unidade, variam em conjunto, são manifestações isomórficas. Para a fisiologia tradicional, os estímulos percorriam sempre uma mesma trajetória. Para os gestaltistas, o sistema nervoso reage como um todo aos estímulos.

A psicologia da forma se apóia na fisiologia do sistema nervoso, quando procura explicar a relação sujeito-objeto no campo da percepção. Segundo essa teoria o que acontece no cérebro não é o que acontece na retina. A excitação cerebral não se dá em pontos isolados, mas por extensão. A primeira sensação já é de forma, já é global e unificada. Nós não vemos partes isoladas dos objetos, mas relações, isto é, uma parte na dependência de outra parte. Para nossa percepção, que é resultado de uma sensação global, as partes são inseparáveis do todo e são outra coisa que não elas mesmas, fora desse todo.

A Escola de Graz (Meinong e Benussi) interpretou as Qualidades da Forma ainda dentro do paradigma sensorial, ao entendê-las como produtos ideais do intelecto (Superiora) a partir do material real das sensações (Inferiora). A Escola de Leipzig (Krüger e Sander), por sua vez, lançou um desafio ao paradigma sensorial, ao questionar a existência das sensações e ancorar as Qualidades da Forma nos sentimentos. Tentativa de revolução que por sua vez não obteve o consenso necessário à formulação de uma nova organização do campo psicológico, talvez porque trocasse a base científica da psicologia de então (sensação) por uma base vaga (os sentimentos). Seria a Escola de Berlim (Wertheimer, Koffka e Köhler) que conseguiria produzir uma revolução bem sucedida, ao afirmar a autonomia das Formas com base em conceitos físicos como Campo e Equilíbrio.

Gestaltistas criticam o modelo behaviorista, segundo o qual o comportamento humano se poderia explicar pela fórmula E - R. A atividade humana não é um somatório de reações a estímulos pois resulta de uma organização determinada pelo mundo exterior e integrada na totalidade psicológica do sujeito. Assim, ao modelo mecânico dos behavioristas, os gestaltistas opõem um modelo dinâmico. Para os gestaltistas entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do individuo, encontra-se o processo de percepção.

Similaridade Gest. e Behav.: E o que as duas correntes tem em comum, é que ambas definem psicologia como sendo a ciência que estuda o comportamento. Da mesma forma que, na Alemanha, a teoria da Gestalt surge como uma reação a Psicologia da introspecção (psicologia wundtiana), o Behaviorismo surge, nos Estados Unidos, também como uma reação a esta mesma Psicologia. Enquanto que a reação da primeira era contra o treinamento do experimentador e enfatizava a valorização da experiência, a reação do Behaviorismo apontava para o comportamento observável e a rejeição da experiência subjetiva imediata, pois era observada apenas por uma pessoa.

Segundo essa teoria, o que acontece no cérebro não é idêntico ao que acontece na retina. A excitação cerebral não se dá em pontos isolados, mas por extensão. Não existe, na percepção da forma, um processo posterior de associação das várias sensações. A primeira sensação já é de forma, já é global e unificada.

Seus fundadores Wertheimer , Kohler e Koffka iniciaram seus estudos pela percepção e sensação do movimento . Os Gestaltistas estavam preocupados em compreender quais os processos psicológicos

...

Baixar como (para membros premium)  txt (15.3 Kb)  
Continuar por mais 9 páginas »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com