TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

Rogers, Humanismo E Aprendizagem

Por:   •  28/5/2013  •  1.601 Palavras (7 Páginas)  •  263 Visualizações

Página 1 de 7

Rogers: Humanismo e Aprendizagem

Conhecido como a terceira força em Psicologia. O humanismo diz que o homem não está determinado pela situação imediata ou pela experiência passada; por nenhuma condição (cultural, histórica, natural etc.), pois tem sua capacidade de autonomia, de sobrepor-se a determinações de qualquer natureza, tem o poder de escolher um ato ou não, independentemente das forças que o constrangem. Defende a possibilidade de auto realização do homem, sua condição de liberdade e de independência no que tange às determinações e à necessidade de levar em conta a sua experiência subjetiva no processo de ensino-aprendizagem.

O Homem e sua tendência para a realização

Segundo Rogers, é a partir da concretização de nossas necessidades básicas que nos mantemos vivos. Além disso, um motivo mais vasto nos direciona, ou seja, somos providos com a tendência para a realização, que se constitui num impulso inato que revela oi desejo de crescer, de melhorar as próprias competências, de desenvolver-se, de atingir o potencial pleno. É em razão dessa tendência/impulso que somos lançados a novos desafios, que ousamos mudar, que buscamos alternativas para as situações-problemas vivenciadas.

Rogers afirma que a possibilidade de “ver” partir do “olhar” do outro, a capacidade de entender as percepções e sentimentos de outra pessoa, que ele denomina empatia, impulsiona nosso crescimento saudável.

O desenvolvimento saudável depende das condições existentes: se estas forem satisfeitas, a pessoa se direcionará ao seu desenvolvimento pleno, à congruência, vivendo a vida como um processo e não como uma série de objetivos a serem alcançados.

Sobre a Educação, o ensino e a aprendizagem.

Para Rogers a educação tem que ser centrada no aluno, ou seja, uma aprendizagem autocentrada.

Ensinar compreende que se deve criar condições para que o outro, a partir dele próprio, aprenda e cresça, que seja facilitada a aprendizagem. O aluno é possuidor de forças de crescimento e tem a possibilidade de ser livre (mas com responsabilidade), digno de confiança e o professor está a seu serviço, possibilitando-lhe uma autoaprendizagem.

Não se pode ensinar diretamente outra pessoa, o que se pode é facilitar sua aprendizagem.

Facilitação da Aprendizagem: Qualidades Essenciais.

1) A Autenticidade do professor; significa ser ele próprio, colocar-se no processo, de modo que exista uma real integração entre suas experiências.

2) Aceitação, abrange o apreço, e expressa a necessidade de o professor/facilitador apresentar confiança na capacidade humana, desenvolver um apreço incondicional pelo aluno. Uma relação de empatia.

3) Compreensão empática, acarreta a possibilidade e a capacidade de o facilitador compreender internamente as reações de seus alunos.

O professor, em seu trabalho, trabalha para elucidar os propósitos que têm sentido para cada um e mais gerais do grupo. Organizar e disponibilizar recursos para a aprendizagem significativa. A técnica não diretiva, em que o educador se limita a facilitar a comunicação da pessoa consigo mesma para que ela se autodirija.

Aprendizagem com significado: Um envolvimento pessoal.

O ensino deve fazer sentido para o aluno, deve ter significado pessoal, do contrário, “tal aprendizagem” lida apenas com o cérebro. Para Rogers, aprendizagem significativa ou experiencial ocorre quando o aluno percebe o conteúdo como importante para seus próprios objetivos. Na teoria humanista da aprendizagem, o professor sai do foco, deixa de ser o principal dirigente da sala de aula; passa a ser um mediador/facilitador, na medida em que for solicitado, orienta seus alunos, pois ensinar é fazer crescer o outro, criando condições para que este, a partir dele próprio, aprenda e cresça. Assim, o professor está a serviço dos seus alunos, possibilitando-lhes uma autoaprendizagem.

Podemos identificar os conceitos na teoria de Rogers: a) potencialidade para aprender; b) tendência à realização (dessa potencialidade); c) capacidade do próprio organismo de valoração; d) aprendizagem significativa; e) resistência; f) abertura à experiência; g) autoavaliação; h) criatividade; autoconfiança e j) independência.

Autoavalição.

A avalição do processo de aprendizagem é realizada pelo aluno, numa constante revisão do sentido e do significado de aprender para si. Conta com as ponderações e “avaliações” das demais pessoas do rupo e do professor.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (11.2 Kb)  
Continuar por mais 6 páginas »