TrabalhosGratuitos.com - Trabalhos, Monografias, Artigos, Exames, Resumos de livros, Dissertações
Pesquisar

A Hanseníase é uma doença de evolução crônica

Por:   •  14/4/2016  •  Trabalho acadêmico  •  357 Palavras (2 Páginas)  •  105 Visualizações

Página 1 de 2

INTRODUÇÃO

A Hanseníase é uma doença de evolução crônica cujo agente etiológico o Mycobacterium leprae (M. leprae), que se manifesta, principalmente, por lesões cutâneas, com redução de sensibilidade. O bacilo da lepra tem preferência por células cutâneas e nervosas periféricas. O agravamento da Hanseníase se dá, devido ao comprometimento do sistema  nervoso periférico com conseqüente perda de sensibilidade atrofia e paralisias musculares, que se não tratadas podem evoluir para incapacidades físicas fatais. Quando a imunidade é eficiente, o individuo no desenvolve a doença, ou desenvolve sob o tipo de hanseníase tuberculóide pode mostra poucas lesões bem delimitadas, que tendem a cura espontânea. Há, no entanto, uma porcentagem de indivíduos que apresenta defesa imune celular deficiente contra o M. leprae e, quando infectados, desenvolvimento múltiplo, rico em bacilos, não se curam espontaneamente, tendendo a piora progressiva. A transmissão da hanseníase se dá por meio de uma pessoa doente e sem tratamento, que elimina os bacilos pelas vias áreas superiores, infectando outras pessoas suscetíveis. Estima-se que somente uma parcela da população que entra em contato com a bactéria manifeste a doença, que acomete principalmente a pele e os nervos periféricos, mas também se manifesta de forma sistêmica, comprometendo articulações, olhos, testículos, gânglios e outros órgãos. O diagnóstico da hanseníase é realizado essencialmente nos serviços de Atenção Básica de Saúde, por meio do exame dermato neurológico, com o objetivo de identificar lesões ou áreas de pele com alteração de sensibilidade ou comprometimento de nervos periféricos. Os pacientes virchowiano caracterizam-se clinicamente por apresentarem comprometimento cutâneo generalizado com lesões em pápulas, tubérculos, nódulos e infiltrações difusas que praticamente, não deixam área de pele indene. Do ponto de vista histopatológico aparecem granulomas extensos em pele e nervos, constituídos por macrófagos volumosos com múltiplos bacilos. Dados epidemiológicos dão conta que no Brasil a doença é endêmica, sendo registrados 47.000 novos casos a cada ano, dos quais 23,3% com graus de incapacidade I e II sabem-se que o conhecimento deficiente desta doença por parte da população afetada e como conseqüência a baixa adesão ao tratamento e o abandono na sua fase inicial são alguns dos fatores que contribuem para o crescimento do número de casos.

...

Baixar como (para membros premium)  txt (2.5 Kb)  
Continuar por mais 1 página »
Disponível apenas no TrabalhosGratuitos.com